Você sabe o que é transtorno de processamento sensorial em crianças?

Agitação, seletividade alimentar e dificuldade de processar e expressar as sensações do corpo são alguns dos sinais do transtorno em crianças. Entenda!

Por Flávia Antunes Atualizado em 2 abr 2022, 09h46 - Publicado em 23 fev 2022, 17h20

O pequeno reclama ao vestir roupas mais ásperas, tem aversão a alguns alimentos e parece estar sempre “ligado no 220v”. Comportamentos como esses podem facilmente levar os pais a pensarem que a criança é agitada, está fazendo birra ou é simplesmente é seletiva com as comidinhas. Num olhar mais atento, os responsáveis talvez até cogitem transtornos como Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) 

Apesar do diagnóstico complicado, a junção desses sinais no filho pode apontar para outra condição pouco conhecida: o Transtorno de Processamento Sensorial (TPS). De acordo com Gabriela Souza, fonoaudióloga do Instituto de Gerenciamento em fonoaudiologia e Deglutição (IGD), empresa parceira do Hospital Santa Catarina, a desordem é caracterizada por manifestações alteradas durante o processo do desenvolvimento infantil, que pode ou não estar associada a alguma patologia já diagnosticada.

“A criança apresenta alterações em seus aspectos sensoriais, como audição, tato, paladar, visão ou olfato, seja por falta ou excesso de estímulos e que podem causar hiper ou hipossensibilidade ou até mesmo um atraso sensorial”, explica ela.

A neurologista Thais Demarco, especialista no tratamento de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA), reforça que é preciso ter cuidado para não confundir o diagnóstico. “O TPS é uma dificuldade que o cérebro apresenta em processar estímulos do ambiente. Embora possa estar presente com frequência nos autistas, a condição não deve ser confundida com o autismo“, alerta.

A que sinais os pais devem ficar atentos?

Já adiantamos alguns dos indícios do transtorno no pequeno, mas aqui vão outros comportamentos que podem sinalizar a condição e que merecem a atenção dos pais:

  • Agitação e necessidade de estar sempre em movimento (por exemplo, a criança não fica sentada por muito tempo e, quando senta, demonstra inquietação);
  • Dificuldade de processar e expressar sensações de frio, calor, fome, cansaço, dentre outras;
  • Desorganização e distração (o pequeno tem um tempo de atenção reduzido);
  • Seletividade ou dificuldade alimentar, evitando algumas comidas de determinada textura, sabor ou consistência;
  • Irritação ou impulsividade, além de frustrar-se facilmente;
  • Déficits emocionais, como insegurança, retração ou timidez em excesso;
  • Dificuldade durante brincadeiras motoras, como pintura, colagem e massinha de modelar;
  • Intolerância a algumas roupas ou texturas;
  • Linguagem imatura e/ou dificuldade na fala, de acordo com a faixa etária.

Com que idade é mais fácil identificar?

Os sinais do transtorno de processamento sensorial podem ser notados desde que o pequeno é bebê, mas as especialistas concordam que é na fase pré-escolar que a condição fica mais simples de ser identificada. “Pois neste período a criança começa falar e se expressar, e também é quando os pais começam a notar atitudes diferenciadas das comumente vistas em crianças da mesma idade”, justifica a neurologista.

Mesmo cada criança tendo o seu tempo de desenvolvimento particular, a fonoaudióloga acrescenta que, a partir do primeiro ano, avanços sociais e linguísticos começam a ser feitos, e educadores e profissionais da saúde têm uma base padrão para os comportamentos esperados para cada faixa etária.

Como funciona o diagnóstico?

É geralmente no período escolar que o professor observa comportamentos alterados que impactam no processo de aprendizagem – isso se a criança não tem uma patologia ou deficiência neurológica associada em que o neuropediatra ou mesmo o pediatra já diagnostica o TPS – mas outros profissionais podem (e devem) ajudar na identificação.

“A partir daí, o pequeno é encaminhado para o pediatra ou mesmo psicólogo, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional. Nestes casos, é importante que o diagnóstico seja estabelecido junto a uma equipe multidisciplinar, uma vez que a criança possua déficits em diversos domínios do seu desenvolvimento”, pontua Gabriela.

Continua após a publicidade

Depois de uma conversa com o médico, em que podem ser aplicados questionários e testes de habilidade, o quadro é classificado em uma ou mais das três categorias: Transtorno de Modulação Sensorial, Transtorno de Discriminação Sensorial ou Transtornos Motores com Base Sensorial.

Quem pode ajudar no tratamento?

Um dos profissionais mais indicados para tratar a condição é o terapeuta ocupacional, que faz uso da abordagem de integração sensorial, através da qual ajuda a criança a organizar as sensações de seu corpo e conectá-las com o ambiente.

No entanto, cada profissional tem os seus métodos e práticas específicas para auxiliar o pequeno no processo. “Na educação, por exemplo, há a metodologia montessoriana; na psicologia, a abordagem cognitiva-comportamental; e na fonoaudiologia temos diversas estratégias terapêuticas para estimular o desenvolvimento desde a linguagem verbal e corporal até a motricidade orofacial, que é responsável pelo funcionamento dos órgãos fonoarticulatórios (como boca, lábios, língua e bochechas)”, detalha Gabriela.

E no dia a dia?

Com a atuação dos profissionais da saúde e da educação, o papel dos pais consiste mais em dar suporte, validar as dificuldades do filho (e não diminui-las), além de inserir algumas atividades no dia a dia. “No decorrer do tratamento individualizado com a terapia ocupacional, a profissional identificará qual área cerebral deve ser mais estimulada e quais as maiores dificuldades da criança”, diz a neurologista.

criança brincando de massinha

A partir disso, a terapeuta pode propor a continuidade de estímulos específicos pelos responsáveis. Como a fonoaudióloga bem resume, o principal é “proporcionar momentos de alegria que estimulem a criança a ser criança”. Isso pode ocorrer por meio de atividades ao ar livre, brincadeiras na cama elástica, balanço, bambolê e outros objetos, além das que envolvem contato físico.

“As brincadeiras em ambientes estruturados também funcionam bem, como as de pintura com tinta ou lápis de cor, prática de instrumentos musicais, e modelagem com massinha ou argila, em que os pais podem fazer a massinha com farinha de trigo, por exemplo. Há ainda as atividades tradicionais para crianças um pouco maiores que proporcionam desafios motores e cognitivos, como caça ao tesouro, circuitos, quebra-cabeças, dominó, entre outras”, exemplifica Gabriela. 

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade