Bebê brasileiro nasce com anticorpos contra covid-19 após mãe tomar vacina

Talita Menegali Izidoro recebeu as duas doses da CoronaVac por ser médica e trabalhar na linha de frente do coronavírus durante a gestação.

Por Alice Arnoldi Atualizado em 21 Maio 2021, 18h00 - Publicado em 21 Maio 2021, 16h59

Ainda que acontecendo a passos lentos, a população brasileira começa a colher os bons frutos da luta pela vacinação contra a covid-19. Diretamente de Tubarão, Santa Catarina, foi registrado que um bebê de apenas 40 dias já está imunizado contra a doença. Isso porque a sua mãe, Talita Menegali Izidoro, de 33 anos, recebeu as duas doses da CoronaVac ainda durante a gravidez.

Talita pôde receber o imunizante contra o coronavírus por ser médica e, durante a gestação, ter atuado na linha de frente em um posto de saúde no local onde mora. Assim como é recomendado até o momento, a decisão foi discutida com o obstetra que a acompanhava, quem a incentivou a receber a vacina dada à exposição ao vírus vivida diariamente. Foi assim que a médica tomou a primeira dose da CoronaVac na 34ª semana da gravidez.

Com o desenvolvimento esperado da gestação e sem nenhuma reação à vacina, Enrico chegou ao mundo no dia 9 de abril. Entre os exames regulares que recém-nascidos são submetidos, o pequeno também passou pelo teste de neutralização do Sars-Cov-2 e o resultado mostrou 22% de anticorpos na coleta.

View this post on Instagram

A post shared by Enrico Menegali Izidoro (@enricomenegaliizidoro)

Continua após a publicidade

A conclusão analisada pelo obstetra que acompanhou Talita e profissionais do laboratório em que o exame foi realizado traz esperança, especialmente às gestantes com comorbidades pertencentes ao grupo prioritário do imunizante contra o coronavírus. Entretanto, o que se discute é a falta de informação sobre a durabilidade dos anticorpos no organismo do bebê e, por isso, ele passará por novos exames aos três e seis meses.

  • Seria o primeiro caso registrado no Brasil? 

    Além da notícia ser positiva diante de tantas mortes causadas pela covid-19, também cogita-se sobre o caso ser o primeiro registrado em território brasileiro. Inclusive, na quinta-feira (20), o Ministério da Saúde sinalizou que está recolhendo dados sobre o ocorrido para que se tenha um posicionamento oficial.

    Há também a informação de que a pós-graduação da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL) está elaborando uma pesquisa científica que busca analisar e principalmente registrar a importância do nascimento de Enrico diante da pandemia.

    Tais registros brasileiros serão contribuições importantes para pesquisas relacionadas ao assunto, inicialmente desenvolvidas em outros países. Só neste ano, estudos já descobriram a presença de anticorpos contra a covid-19 no leite materno e que grávidas recuperadas da contaminação pelo vírus teriam transmitido a proteção aos seus filhos por via placentária – uma das suspeitas de como Enrico teria nascido imunizado.

    Continua após a publicidade
    Publicidade