O puerpério na visão da mãe e do pai: pesquisa inédita aponta diferenças

43% dos homens não sabiam o que é o puerpério, enquanto 71% das mulheres relataram ter sido um período de dificuldade. Veja os resultados do estudo!

Por Carla Leonardi Atualizado em 8 jun 2022, 14h54 - Publicado em 8 jun 2022, 14h07

Cada etapa do “tornar-se mãe” tem suas particularidades – e esse é um processo que pode começar ainda lá no planejamento para engravidar – mas é certo que alguns períodos são mais desafiadores que outros. O puerpério, nome dado às semanas que se seguem ao parto, costuma ser lembrado como um momento especialmente difícil. Normal, já que além da novidade que é ter um recém-nascido virando a rotina de cabeça para baixo, as mudanças hormonais, corporais e psicológicas da puérpera, bem como a adaptação com a amamentação, vão esgotando a energia da mulher.

Apesar disso, o termo “puerpério” só começou a ser usado pelo senso comum há poucos anos – e, em geral, muito mais frequente apenas entre as mulheres. A MindMiners, empresa de tecnologia especializada em pesquisa digital, realizou um estudo com mais de duas mil pessoas e revelou que 43% dos pais participantes não sabiam o que era essa fase, afirmando que foram semanas tranquilas – contra 71% das mães, que definiram o pós-parto com as palavras “amor” e “dificuldade”.

Mulher e bebê bocejando sob colagem de noite
Arte: Bebê.com.br / Foto: eclipse_images/Getty Images

Memória seletiva

De acordo com a pesquisa, o puerpério é definido como mais intenso por mães que estão vivendo justamente esse período. Mas quando se observa a comparação de opinião entre mães e pais de bebês com mais de 2 anos, há um empate técnico, como mostra o gráfico abaixo. Será, então, que esquecemos um pouco das dificuldades das primeiras semanas, dando lugar às lembranças gostosas?

Gráfico sobre o puerpério
MindMiners/Divulgação

Os participantes do estudo definiram como melhores momentos do puerpério o colo, o cheirinho e a conexão estabelecida com o bebê pelo olhar. Já os piores estão ligados à cólica do recém-nascido, ao sono e ao cansaço.

Entre os homens, 67% relataram sentir felicidade, 58% amor e 57% alegria. Entre as mulheres, 80% destacaram o cansaço, 74% amor e 70% medo. Aqui, há também uma diferença entre mulheres que planejaram e as que não planejaram a gravidez. Entre as primeiras, os principais sentimentos relatados são amor, ansiedade e felicidade. Entre as segundas, os destaques foram ansiedade, cansaço e medo.

Continua após a publicidade

Um aspecto geral de todas as grávidas, porém, é a amamentação como a maior expectativa, seguida pelo desejo de se conectar instantaneamente com o bebê. Outro ponto comum a todas é o receio de se sentirem sobrecarregadas, sendo que a mãe da puérpera se destaca como principal rede de apoio, embora 27% não tenham contado com ajuda no pós-parto imediato.

Segundo os dados obtidos, a rede de apoio foi fundamental para evitar os casos de depressão pós-parto, observados em 2 em cada 10 mulheres, sendo que 60% delas não tiveram ajuda com o recém-nascido.

ilustração de mãe cansada
sabelskaya/Getty Images

Presença paterna

Ainda hoje, para muitas famílias, a divisão de tarefas com os filhos entre o homem e a mulher não chega nem perto de ser igualitária. Vale lembrar que a amamentação cabe apenas à mãe e que essa demanda exclusiva já pode ser bem exaustiva, principalmente durante a noite. Além disso, a licença-paternidade de 5 dias tem se mostrado muito curta para a adaptação familiar com o bebê.

Gráfico licença-paternidade
MindMiners/Divulgação

Entre os pais que responderam à pesquisa, 60% disseram que poderiam ter sido mais presentes, sendo que as obrigações com o trabalho representaram o principal motivo da ausência nas atividades do dia a dia. Por outro lado, a dificuldade de demonstrar carinho/atenção ocupou o último lugar, mas com 13% dos entrevistados, o que revela que, embora nossa sociedade tenha passado por mudanças significativas nas últimas décadas, com maior participação dos pais na criação dos filhos, ainda temos um longo caminho pela frente.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade