Continua após publicidade

A partir de quantas semanas de gravidez dá para sentir o bebê mexer?

Seu pequeno já está na barriga e você não vê a hora de sentir o primeiro chute? Calma! Saiba quando isso deverá acontecer

Por Ligia Moraes
25 nov 2023, 14h00

Não há dúvidas de que sentir o bebê mexer pela primeira vez é um momento emocionante para as mães, afinal, ele traz primeiro toque, o primeiro sinal concreto de vida do pequeno que está no forninho.

Mas, se você está grávida, certamente quer saber: quando esse momento finalmente chegará? Para responder a essa e outras perguntas, conversamos com Natalia Castro, ginecologista e obstetra pela FEBRASGO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

A partir de qual semana vou sentir o bebê mexer?

Natalia explica que a percepção do movimento fetal pela mãe dependente do tamanho do bebê: “o feto deve ter uma massa que seja capaz de estimular os receptores responsáveis pela sensação de pressão, e isso acontece, aproximadamente, na 20ª semana de gravidez“.

Além disso, a sensação de movimento muda à medida que a gestação avança: “aproximadamente, com 25 semanas será possível não só sentir o movimento internamente, mas também com a mão apoiada na parede abdominal, na altura do útero. No terceiro trimestre, já é possível ver os movimentos na barriga com a atividade da parede abdominal”, finaliza.

Continua após a publicidade

Fatores que interferem na percepção dos movimentos fetais

A ginecologista e obstetra afirma que não se trata de uma regra – algumas mulheres vão demorar mais ou menos que o previsto para sentir o bebê mexer. Geralmente, os fatores que influenciam a percepção mais tardia são o sobrepeso e a rotina da grávida: mães que têm muita gordura abdominal ou que vivem um cotidiano agitado e intenso, segundo ela, podem demorar mais para sentir a movimentação do pequeno.

Por outro lado, mulheres com baixa gordura abdominal e as que já tiveram gestações anteriores podem sentir o bebê mexer um pouco antes: “as primigestas (que estão grávidas pela primeira vez) podem demorar um pouco mais que a média para perceber os movimentos”, pontua. 

Mas Natalia enfatiza que o bebê – desde o embrião – é dotado da capacidade de movimentação corporal. “O feto se mexe desde sempre, a percepção do movimento pela gestante que é variável“, explica.

Continua após a publicidade
ilustração de uma mulher grávida de perfil, segurando a barriga
(Alina Kotliar/Getty Images)

Como diferenciar o movimento do bebê e os do próprio corpo

“As percepções são totalmente individuais e subjetivas”, diz a especialista. Segundo ela, o que é muito frequente de acontecer com mães de primeira viagem é a dificuldade de saber que uma sensação diferente – ou “estranha“ – é, na verdade, o movimento fetal. 

“Temos relatos de sensação de ‘asinha de borboleta’ batendo dentro do corpo, palpitação do útero, estômago roncando, ‘bolhas’ que estouram dentro da barriga, útero pulsando… as mais diversas descrições”, conta Natalia.

Por já terem mais familiaridade com a sensação, ela acrescenta que, geralmente, as mães de segunda viagem já sabem identificar o movimento do bebê. “Este é um fator importante que faz a percepção ser mais precoce”, finaliza.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade