Continua após publicidade

Surto de meningite em SP acende alerta. Saiba como proteger as crianças

Casos da doença bacteriana tipo C em alguns bairros têm chamado a atenção dos órgãos sanitários. Veja quem pode se vacinar e onde a imunização é oferecida

Por Carla Leonardi
Atualizado em 29 set 2022, 17h38 - Publicado em 29 set 2022, 17h14

Após cinco casos de meningite meningocócica do mesmo tipo C serem registrados nos distritos de Vila Formosa e Aricanduva, na Zona Leste da cidade de São Paulo, a Secretaria Municipal de Saúde intensificou a vacinação na região afetada. Nos últimos 15 dias, 8.455 pessoas entre três meses e 64 anos foram imunizadas.

Vale ressaltar que é considerado surto da doença meningocócica quando há três ou mais casos na mesma localidade dentro de 90 dias, o que aconteceu na área em questão: um bebê de 2 meses e quatro adultos foram contaminados. Entre eles, uma mulher de 42 anos morreu em decorrência da doença.

Só em 2022, esta é a terceira vez que um surto de meningite C é registrado em São Paulo – os outros dois foram no Jardim São Luís e na região do Pari.

Principais sintomas da meningite tipo C

Como os primeiros sinais da doença podem ser facilmente confundidos com os da gripe, como febre alta, prostração e cansaço, é preciso ter muita atenção quando se vive em uma região de surto, pois o rápido início do tratamento pode fazer toda a diferença.

Continua após a publicidade

De acordo com o pediatra Paulo Telles, membro da Sociedade Brasileira de Pediatria, os sintomas mais característicos da infecção são “dores intensas de cabeça, náuseas, vômitos, rigidez da nuca, manchas na pele, sonolência ou confusão mental, irritabilidade e fotofobia (sensibilidade à luz)”.

criança com febre
(yaoinlove/Getty Images)
Continua após a publicidade

Possíveis complicações da doença

Ainda segundo o especialista, esse tipo de meningite bacteriana pode evoluir de maneira grave, sobretudo quando o tratamento não é iniciado rapidamente. “As principais complicações são aquelas que afetam o sistema nervoso central, causando alterações cerebrais, surdez, paralisia motora, epilepsia, dificuldade de aprendizagem e amputação de membros“, detalha Telles, que lembra ainda que a doença pode levar à morte.

É por isso que a prevenção é tão essencial, e a melhor forma de evitar o contágio é a vacinação. Além disso, retomar o uso de máscaras em regiões de surto é importante para manter os germes causadores da doença longe. É o que explica a Infectologista Consultora Médica do Labi Exames Aline Scarabelli: “Levando em consideração a forma com que a doença é transmitida, como tosses e espirros, o uso da máscara se faz imprescindível, pois ajuda a proteger a boca e o nariz. Evitar o contato, lavar as mãos com frequência e ter hábitos saudáveis são outras formas de prevenção”.

máscara infantil
(Totsaporn Mekborisut/Getty Images)

Calendário de imunização contra meningite

De acordo com o Calendário Nacional de Vacinação, os pequenos devem ser vacinados contra a meningite meningocócica C em duas doses (aos 3 e 5 meses) e, depois, com um reforço (aos 12 meses). O intervalo mínimo entre as aplicações é de 30 dias entre a primeira e a segunda, e 60 dias entre a segunda e o reforço. Os especialistas recomendam ainda uma segunda dose de reforço, entre os 5 e 6 anos de idade, mas ela não é oferecida pelo Sistema Único de Saúde.

Além disso, atualmente, jovens entre 11 e 14 anos podem ser imunizados na rede pública contra a meningite meningocócica ACWY (mais abrangente a outros sorogrupos e disponível para todas as idades na rede privada).

Continua após a publicidade

Aline Scarabelli ressalta que a vacinação é imprescindível e destaca aqueles que são mais vulneráveis à meningite meningocócica: “Pessoas com sistema imunológico fraco, esquema vacinal incompleto ou crianças com menos de 1 ano de idade e entre 16 e 21 anos são consideradas grupos de risco”, alerta.

Criança-recebendo-vacina
(Gorica Poturak/Getty Images)

Vacinação em áreas de surto

Quando um surto é identificado, a Secretaria de Saúde do município promove a vacinação para conter o avanço da doença; atualmente, na Zona Leste de São Paulo, a imunização acontece em quatro Unidades Básicas de Saúde:

Continua após a publicidade
  • UBS Formosa II
  • Assistência Médica Ambulatorial (AMA)/UBS Integrada Guarani
  • UBS Jardim Iva
  • UBS Comendador José Gonzalez

Para receber a vacina, é preciso ter entre três meses e 64 anos idade e apresentar comprovante de endereço na região (afinal, a ação é para conter o surto naquela localidade). Para quem trabalha nas proximidades, basta apresentar um comprovante trabalhista.

“Segundo dados do DataSUS, do Ministério da Saúde, a cobertura vacinal de meningite meningocócica C está, atualmente, em 42,5% na capital paulista e em 52% em todo o território nacional. Em 2015, ambas estavam em 98%. Por isso, manter a carteira de vacinação toda atualizada é essencial. Todos na área do surto devem procurar o posto mais perto e atualizar a vacina“, finaliza o pediatra Paulo Telles.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade
Publicidade