Continua após publicidade

Mãe estende faixa em prédio com recado para vizinhos intrometidos

Em texto bem-humorado, ela diz que aceita palpites, desde que deem fraldas em troca

Por Raquel Drehmer
Atualizado em 26 jul 2017, 17h32 - Publicado em 26 jul 2017, 17h09

Poucas coisas são mais irritantes para uma mãe do que vizinhos (ou pessoas que não sejam assim tão próximas, em geral) que se sentem no direito de se intrometer nas questões relacionadas aos filhos. “Ouço o choro dele toda noite, o que acontece para ele chorar tanto?”, “Não está muito grande para usar chupeta?”, “É magrinho demais, né?” ou “Está gordinho demais, né?” são alguns dos clássicos que toooda mãe já ouviu ou ainda vai ouvir de gente que, às vezes, ela nem sabe o nome.

Publicidade

Leia também: Estudo confirma que as pessoas amam criticar as escolhas das mães

Publicidade

Cansada disso, a designer Patrícia Monken, de São Gonçalo (RJ), decidiu deixar um recado público para os vizinhos palpiteiros de seu prédio. Ela estendeu uma faixa bem chamativa com a mensagem que queria passar, mas não tinha como falar para cada um deles, individualmente. E filmou o momento da instalação:

O texto é bem-humorado:

Publicidade

“Prezados vizinhos, às vezes parece que estou matando o meu filho, quando, na verdade, eu só estou colocando soro no nariz, cortando a unha ou limpando o ouvido do meu bebê.

Continua após a publicidade

Favor não ligar para o conselho tutelar.

Publicidade

Quando DEUS disse: ‘Orai e vigiai’, ele se referia à sua própria vida e não as dos outros.

Se quer se meter na minha vida, faça as coisas direito. Comece lavando as minhas calcinhas, pagando as minhas contas e resolvendo os meus problemas por mim.

Publicidade

OFERTA ESPECIAL:

A cada 5 pacotes de fraldas G ou XG ganhe o direito de dar um palpite na criação do meu filho.

Publicidade
Continua após a publicidade

OBS: Se o pacote for jumbo, são dois palpites”

Leia também: Vídeo hilário mostra frases que toda mãe está cansada de ouvir

Patrícia tem 38 anos e é mãe de dois meninos, um de 18 e um de 2 anos de idade.

Agora fala a verdade: tem muitas horas em que dá vontade de fazer algo parecido, não tem?

Publicidade
Publicidade