Parque da Disney impede mãe de amamentar filho em público e pede desculpas

Seguranças do local afirmaram que a mãe precisaria se cobrir porque fazia parte do regulamento do parque, como o uso obrigatório de máscara.

Por Alice Arnoldi Atualizado em 7 jul 2021, 11h55 - Publicado em 7 jul 2021, 11h50

Estamos em 2021, mas o aleitamento materno ainda continua cercado de tabus. Recentemente, isso ficou claro em uma situação na Disneyland Paris, onde uma mãe de 33 anos foi impedida de amamentar o seu bebê de dois meses, enquanto aguardava sentada o marido e o filho retornarem de uma das atrações do parque.

A repercussão do caso começou quando outra visitante do local, a psiquiatra Marie Astier, presenciou a cena e registrou a abordagem da lactante pelos oficiais de segurança. “Ontem, seus seguranças impediram uma mãe de amamentar seu bebê de 2 meses, alegando que isso chocaria outros clientes. Na França, em julho de 2021, impedir a amamentação… Onde nós estamos?”, escreveu no tuíte em que marcou a Disneyland Paris, em busca de um posicionamento do parque. 

Em uma entrevista para o jornal francês Le Parisien, a mãe, identificada apenas como Laura, deu mais detalhes sobre a situação. Ela explicou que, mesmo com as normas de restrição do parque, havia muitas pessoas no local. Isso fez com que ela demorasse para encontrar um ambiente para se sentar e amamentar o filho, que estava chorando.

Quando ela encontrou um banco, sentou-se e amamentou o bebê por dez minutos até que foi abordada pelos seguranças do local, pedindo que ela se cobrisse para finalizar o aleitamento. “Disseram que se eu não quisesse fazer isso, eu teria que ir para outro lugar, porque havia pessoas de outras culturas e religiões que poderiam me ver”, explicou Laura.

  • Juntas, somos mais fortes! 

    Ainda na reportagem do jornal francês, Marie também foi entrevistada. Ela contou que ouviu os oficiais do local dizendo para Laura que não poderia amamentar o filho sem se cobrir, pois era o regulamento do parque, sendo uma ordem como o uso obrigatório de máscara. “Só que não tinha nada a ver com isso e a situação me irritou!”, completou a psiquiatra.

    Continua após a publicidade

    Diante do ocorrido, mais do que registrar o absurdo que Laura estava sendo submetida, Marie decidiu sentar-se ao lado dela e também começar a dar de mamar para o filho no local. “Os seguranças não me disseram nada. Com certeza não queriam fazer escândalo para acabar com uma multidão de mulheres amamentando”, comentou. Laura também disse que a atitude da psiquiatra, vinda depois de tamanho aborrecimento, a emocionou.

  • Posicionamento da Disneyland Paris sobre o caso

    Ao saírem do parque, Laura e seu companheiro fizeram uma reclamação sobre o ocorrido. No momento, o diretor de segurança do local se desculpou e, mais tarde, a mãe foi procurada novamente para mais um pedido de desculpa, além de ser informada que seria reembolsada devido o inconveniente.

    Já nas redes sociais, o perfil oficial da Disneyland Paris emitiu uma resposta direta ao tuíte feito por Marie: “Lamentamos profundamente esta situação e, mais uma vez, deixamos nossas sinceras desculpas à mãe em questão. O pedido feito pelos seguranças não está de acordo com nossas regras de procedimento e valores. Não há restrições à amamentação na Disneyland Paris”, destacou. Eles também pontuaram que o local tem se empenhado em oferecer um ambiente acolhedor e inclusivo para todas as famílias.

    O parque ainda declarou, em outra postagem, que oferece um centro de cuidados para bebês com assentos especiais para amamentação, caso a família prefira. A ministra francesa da Cidadania, Marlène Schiappa, marcada nas postagens, respondeu a este tuíte também. “Querida @DisneylandParis, amamentar um bebê não é um crime. Ótimo que tenham salas dedicadas, mas nós não decidimos onde, nem quando, o bebê vai ter fome”, escreveu. 

    Ainda que a atitude do parque seja necessária para que outras mães não passem pela mesma situação de Laura, ela explica que ainda revisita a cena mentalmente toda vez amamenta seu bebê. “Meu coração dispara assim que tenho que alimentar meu filho. Nós temos que parar de incomodar as mães!”, enfatizou Laura.

    Continua após a publicidade
    Publicidade