Máscaras passam a ser opcionais nas escolas de São Paulo

O governador João Dória anunciou que o dispositivo de proteção facial deixa de ser obrigatório tanto em ambientes abertos quanto fechados em todo o estado.

Por Alice Arnoldi 17 mar 2022, 19h33

Depois da liberação das máscaras em lugares abertos, o governador João Dória anunciou, nesta quinta-feira (17), que assinou o decreto em que o dispositivo de proteção facial deixa de ser obrigatório também em ambientes fechados em São Paulo, inclusive nas salas de aula das escolas.

A notícia foi divulgada pelos meios de comunicação do estado e também pelo Twitter do governador, em que ele reforça que as máscaras continuam sendo obrigatórias em “unidades de saúde, hospitais e transportes públicos, como ônibus, trens e metrôs”, detalha. A decisão será publicada em uma edição extra do “Diário Oficial do Estado” ainda nesta quinta e passa a valer imediatamente.

“A decisão foi baseada em análises técnicas do Comitê Científico do Coronavírus de São Paulo. Os especialistas levaram em consideração o índice de vacinação com duas doses no estado, que atingiu a meta definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde (MS) de 90% da população elegível, ou seja, acima de 5 anos imunizada”, indica a nota oficial do governo estadual à imprensa.

O documento ainda indica que, depois dos 14 dias de feriado de Carnaval, São Paulo começou a apresentar uma redução na transmissão da doença. “Pela sexta semana seguida registra quedas de internações nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva e de enfermaria. Na última semana foi registrada a redução de 18,5% nas novas internações”, completa.

Continua após a publicidade

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Governo SP (@governosp)

O posicionamento das escolas 

A discussão sobre a liberação das máscaras dentro das salas de aula já vinha ganhando força durante a semana. Isso porque o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp) e a Organização Paulista de Escolas Particulares (Opep), representando em torno de 11 mil escolas privadas, enviaram uma carta ao governador pedindo que a suspensão do dispositivo de proteção facial fosse priorizada nas instituições de ensino.

“O uso prolongado de máscaras em escolas inviabiliza trocas importantes entre os alunos e destes com os seus professores e traz prejuízos no desenvolvimento socioemocional infantil”, indica um dos trechos do documento. A justificativa utilizada pelo sindicato e pela organização é que o dispositivo de proteção facial impede que crianças menores consigam ver e reconhecer expressões e, mais tarde, tenham habilidade de nomear seus sentimentos e lidarem com eles. Ela ainda cita que as possíveis consequências do uso prologado das máscaras são ainda mais delicadas para crianças neuroatípicas.

Ainda segundo o texto, a obrigatoriedade do uso de máscaras nas salas de aula deveria ser retirada, visto que outros cuidados têm sido colocados em prática – como manter os ambiente escolares ventilados, priorizar as atividades nos locais externos, incentivar as crianças a lavarem as mãos e os rostos, além de afastar a criança quando há suspeita de Covid-19.

Lembrando que o adotado agora em São Paulo é o uso optativo em escolas, é importante que cada família dialogue com a instituição de ensino do filho para entender quais serão as novas orientações. Afinal, cada local pede uma análise específica do risco de contaminação e, então, sua proteção diante do vírus.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Publicidade