13 perfis no Instagram que dão dicas valiosas sobre amamentação

Amamentar é uma construção diária, por isso, os aprendizados de outras mães e as informações dos especialistas podem ajudar.

O Agosto Dourado existe para celebrar o aleitamento materno e conscientizar sobre sua importância para a saúde da mãe e do bebê. Amamentar de fato é tudo de bom, mas, quando falamos dos benefícios, pode haver uma falsa impressão de que basta colocar o bebê no peito e pronto: a mágica está feita. 

Só que não é bem assim. A amamentação é, na verdade, uma construção diária que depende de muitos fatores para ocorrer com sucesso. Informação de qualidade e acolhimento são dois deles. Por isso, separamos perfis no Instagram que oferecem apoio e dicas preciosas para mães e apoiadores do aleitamento. 

Prepare-se para seguir já:

1.Amamentar é…

Já falamos desse perfil ano passado, mas impossível não lembrar dele de novo aqui. Criado pela apresentadora Chris Nicklas, o projeto se dedica há anos a entrevistar especialistas e defender a amamentação de maneira acolhedora. 

View this post on Instagram

Falar sobre Aleitamento Materno é muito delicado. Promover a #cultura da amamentação sempre esbarra nas singularidades de cada dupla mãe/bebê. Ajudar o outro nunca é fácil. A escuta sensível é um importante pré requisito, mas invariavelmente ferimos sentimentos, mesmo que na melhor das intenções. Ao procurar por um profissional observe se esta é uma preocupação que ele/a tem. É necessário, sempre, ouvir a mãe e respeitá-la em suas decisões e escolhas. Há uma nova geração de consultoras em Aleitamento Materno surgindo que tem o apoio e acolhimento como pontos de partida. Informar e acolher sempre. #amamentacao #bebe #bebê #bebé #bebes #bebés #bebês #baby #maternidade #parentalidade #paternidade #família #amamentação #aleitamento #aleitamentomaterno #mãe #pai #saude #saúde #desmame #infancia #infância #criança #crianças #introduçãoalimentar #alimentosaudavel #alimento #desmame

A post shared by Amamentar é… (@amamentareh) on

2.Dra. Ana Heloisa Gama

A pediatra oferece eventos onlines gratuitos, como lives e seminários, sobre amamentação e demais cuidados com o bebê. 

3.Amamentação gentil

Camila Feola é enfermeira, consultora de amamentação e mãe. Neste perfil, ela dá orientações práticas para mães e apoiadores do aleitamento. É relativamente novo, mas o conteúdo é bem bacana. 

4.Gabrielle Gimenez

A escritora Gabrielle Gimenez é mãe de três e em seu perfil, compartilha relatos de amamentação e reflexões sobre a cultura do desmame presente na nossa sociedade.

View this post on Instagram

Quando se fala sobre cultura do desmame, falta de referências culturais sobre amamentação e pressão da indústria nos mais diferentes âmbitos, muita gente acha exagero. Mas é evidente o quanto estamos imersos nesta cultura e o quanto os nossos valores estão invertidos e distanciados da nossa essência. Em primeiro lugar estão os baixos índices de aleitamento materno exclusivo no Brasil e no mundo. Em segundo lugar, podemos relatar quão poucas vezes vimos mães amamentando seus bebês, especialmente os maiores de 6 meses, de forma natural e corriqueira, enquanto crescíamos. Nós mesmas fomos pouco amamentadas. Em terceiro lugar, está todo o arsenal que a nossa cultura associa como próprias de um bebê como mamadeira, chupeta, bolsas térmicas, dosadores de leite em pó e toda a parafernália de limpeza desses utensílios. Além dos mais recentes e falsamente vendidos como facilitadores da amamentação como bicos intermediários de silicone e conchas. Todos, na verdade, itens desnecessários e conflitantes com o ato de amamentar, e no entanto presentes na maioria das listas de enxoval das futuras mamães. Em agosto se comemora o dia das crianças aqui na Argentina e folheando o encarte especial de uma loja por esta ocasião, me deparei com a página da segunda foto. Percebam que todas as bonecas, independente das funções extras que possuam, vêm de fábrica com uma chupeta na boca, e várias delas com mamadeira também. Crescemos achando que bebês se alimentam com mamadeira e se acalmam com chupeta. Como não pensar que produção de leite é loteria e mamadeira é o destino, na idade adulta como mães, se a vida inteira foi o que mais vimos ao nosso redor na vida real e no faz de conta? Passamos pela idade escolar e aprendemos sobre todos os órgãos e sistemas do corpo humano, menos sobre as mamas, como elas são por dentro ou como funciona a fisiologia da lactação. Como se esta não fosse a razão da nossa espécie ter chegado até aqui. Percebem o quanto temos para desconstruir? Está claro o quanto é importante informar e empoderar estas e as futuras gerações sobre amamentação para resgatar a naturalidade perdida e a importância do ato de amamentar? Por Gabrielle Gimenez @gabicbs

A post shared by Gabrielle Gimenez (@gabicbs) on

5.Mães de Peito

Giovanna Balogh é jornalista, mãe de três (incluindo uma bebê de poucos meses) e autora do livro O Mamá é da Mamãe (Matrescência, 2018), uma obra para ser lido com os pequenos. Nas redes sociais, ela compartilha suas reflexões sobre aleitamento e maternidade.

View this post on Instagram

Cara de bêbada, né minha filha? Em circunstâncias normais eu jamais postaria uma foto dessas. Mas é essa cara de bêbada que define uma mulher ocitocinada logo após parir. Sabia que logo após o nascimento que a ocitocina (hormônio do amor) atinge o seu pico? Eu estava voltando da partolândia nesse momento com a Teresa nos braços e nós duas nos conhecendo. Logo depois dessa foto, tirei o peito e a alimentei e ela sugou lindamente. Que momento delicioso que já vai completar três meses. E pensar que no meu primeiro parto eu só tive meu filho nos braços após ser medido, aspirado, pesado pelo pediatra plantonista de um hospital que se diz humanizado. Um bebê que nasce bem – ele nasceu com apgar 9/10 – deve ir direto para os braços da mãe. Como foi com vocês a primeira hora de vida do seu bebê? 📷 Diego Padgurschi @diegopadgurschi #maesdepeito #smam #smam2020 #horadourada #amamentar #horadomamaco #goldenhour #ocitocina #partonapandemia

A post shared by Giovanna Balogh (@maesdepeito) on

 

6.Amamentação do Bem

Kátia Pessali, autora do perfil, é consultora de amamentação e sua timeline é um prato cheio de dicas para o sucesso do aleitamento. 

View this post on Instagram

Laser NÃO é a varinha do Harry Potter! Não é!⁣ ⁣ O laser vai sim ajudar muitas vezes, mas não vai salvar sua amamentação!⁣ ⁣ Pensando que o laser usado na amamentação é relativamente novo, como era feito antes? Como as fissuras cicatrizavam? Como os bebês mamavam? ⁣ Acredito que manejo + raciocínio clínico + plano de ação + escuta + aconselhamento e outros pontos acredito que seja mais eficaz do que o laser isolado.⁣ ⁣ O profissional tem que ser qualificado quanto ao uso do laser, tem que saber avaliar uma ferida (sim a fissura é uma ferida de pele), tem que saber as fases da cicaterização e é claro de como o laser funciona e de como ele não funciona.⁣ Precisa ter feitos cursos com diferentes com diferentes profissionais e participar de grupos, sempre se atualizar.⁣ E se depois de tudo isso, ainda assim você se sinta inseguro, não faça!⁣ ⁣ Ele pode sim ajudar e muito!⁣ ⁣ Mas não é a varinha do Harry Potter🦉

A post shared by KÁTIA PESSALLI |AMAMENTAÇÃO (@amamentacaodobem) on

7.Kely Carvalho 

Kely é fonoaudióloga e, além de trazer informações e dicas relevantes em seu perfil, também faz questão de trazer vivências reais e diversas de maternidade. Racismo, amamentação em pessoas trans e outros tópicos passam por seu olhar cuidadoso e acolhedor. 

View this post on Instagram

Dia dos pais e tô aqui refletindo sobre o quanto aprendi nos últimos meses. Há 1 ano assisti uma roda de conversas da @anathaismd sobre pessoas transgênero. No mesmo evento, tive o privilegio de assistir uma palestra da @helenmariamaria, doula e mulher trans.⁣ ⁣ Hoje atendo pais que gestam, homens trans gestantes. Homens que vão parir e, possivelmente, amamentar. Foi por causa de um desses presentes da vida, obrigada @mariliamoscou, que entendi o quão ainda precisamos evoluir enqto profissionais de saúde. Isso tem tirado o meu sono rs, mas ao mesmo tempo sou grata por ter sido escolhida por eles para falarmos de gestação, parto e amamentação sob uma perspectiva da pessoa e não do gênero. ⁣ ⁣ A primeira reflexão de hoje é: se eles são os pais, estão gestantes, vão parir e tem o desejo de amamentar, o que eles produzirão é leite materno ou leite humano? Parece uma bobagem, não é? Mas, ao abrir os olhos para isso, entendi que não basta se dizer inclusiva quando nos pequenos e grandes detalhes excluímos tanta gente! Tem tanta coisa que a gente repete pelo costume, pelo hábito e pela lógica biologicista⁣ ⁣ O caminho da desconstrução é enorme ainda, mas hj eu queria agradecer a oportunidade de celebrar o primeiro dia dos pais desses 2 caras incríveis, que eu estou acompanhando durante a primeira gestação! Só desejo que o mundo seja justo, livre e celebre pais que cumprem verdadeiramente o seu papel. ⁣ Homens gestam, podem parir e amamentar! ⁣ Feliz dia dos pais, Apollo e Felipe! 🌈⁣ ⁣ #familialgbtqia+ #gestacaotrans #amamentacao #leitehumano #diadospais #parentalidade

A post shared by Kely Carvalho IBCLC (@kelycarvalhot) on

8.Mãe de leite 

Claete Brito é conselheira em aleitamento materno pelo IBFAN Portugal. Mãe de três, ela vive na Alemanha e dá dicas em seu perfil no Instagram. Recentemente, ela terminou uma série de postagens sobre desmame. 

View this post on Instagram

Começamos com as perguntas: Como está o seu filho? Como você acha que ele vê a amamentação? Como está o desenvolvimento do seu filho? Como é o sono? Como estão as mamadas? Ele já desmamou de algum dos estágios? Depois de entender como essa criança se comporta, como está a rotina dessa criança, é que podemos ver em qual ponto podemos começar. Por isso, é tão importante fazer esse acompanhamento com um profissional qualificado. Ao entender como está a rotina dessa criança, vamos traçar o plano de ação de acordo com estágio que ela se encontra e fortalecer os pontos que são necessários. Exemplo: a criança não mama mais a noite, mas demora muito para adormecer e chora bastante. Vamos primeiro entender esse choro, acolher esse choro e só depois que esse processo se finalizar. É que vamos começar o desmame diurno. Nesse momento, vamos incorporar ações que a criança consiga entender, dentro da sua rotina, as horas que acontecerão as mamadas e gradativamente a finalização da amamentação também desse ciclo. A decisão de desmame diurno ou noturno, vai depender do estágio que a criança se encontra. Como você acha que o seu filho vê a amamentação? Qual estágio vocês estão? Como estão as noites por ai? Tem alguma dúvida rondando sua cabeça? Clica ali e manda uma mensagem! ❤ Claete Brito Koch – Consultora em Amamentação Mãe de Leite www.maedeleite.com.br #consultoriadeamamentacao #amamentar #breastfeeding #stillen #leitematerno #maedeleite #maternidade #mãe #gravidez #amamentacao #desmame #desmamegradual #sinaisdeprontidao ##rotinadobebe #desmamediurno #desmamenoturno #desenvolvimentoinfantil #sonodobebe #higienedosono #ritualnoturno #vinculomaterno #maeebebe #münchen #unterhaching #deutschland

A post shared by Mãe de Leite| Amamentação (@maedeleite) on

9.Mame Bem

Idealizado pela fonoaudióloga Tatiana Vargas, consultora de aleitamento pelo International Board Certified Lactation Consultant (IBCLC, que certifica consultores no mundo). O perfil é mais voltado para a capacitação de consultores, mas oferece boas dicas profissionais que podem ser aproveitadas pelas mamães. 

View this post on Instagram

Amamentar não é fácil, exige muito tempo e dedicação e uma rede de apoio faz muita diferença neste momento! Existem diversas demandas que podem ser compartilhadas com os familiares próximos e, pricipalmente com o pai do bebê. Esse apoio é tão importante que está relacionado à maior tempo de amamentação geral e de aleitamento exclusivo. Sabemos também que 77,93% dos pais brasileiros gostariam de estar mais envolvidos no período de amamentação de seus filhos. Quer saber como? Apoiar nas demandas da casa, da alimentação, da hidratação e compartilhar os cuidados do bebê são fundamentais para que a mãe possa descansar e se sentir mais segura neste momento. Alem disso, pesquisas mostram que conhecer sobre a amamentação e apoiar a mãe neste processo são essenciais para aumentar o tempo de amamentação. O tema da #SMAM2020 nos chama para a sustentabilidade e melhor prática para o meio ambiente que é a amamentação. Assim, é importante falar que ao apoiar a mãe na Amamentação, o pai também faz parte da construção de um planeta saudável! #mamebem #amamentarvaleouro #eumudoomundo #paternidadeativa #amamentação #maternidadereal #amamentacaoprolongada Fontes: BROWN, Amy. Fathers' experiences of supporting breastfeeding: challenges for breastfeeding promotion and education,2014. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4282396/ GLASPER, Alan. Breast is still the best for babies, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.12968/bjon.2019.28.17.1150

A post shared by Instituto Mame Bem (@mamebem) on

10,Maternar e amamentar

A jovem consultora de amamentação Jéssica Garrido mantém um perfil com identidade visual fofa e orientações bacanas sobre aleitamento. 

View this post on Instagram

SIM! é possível.⁣ mas como?⁣ ⁣ Vamos primeiro aos dados:⁣ – A OMS (Organização Mundial da Saúde), em 2001, definiu que o leite materno deveria ser ofertado de forma exclusiva para todos os bebês até o sexto mês de vida;⁣ – No Brasil, a licença maternidade está garantida pelo artigo 7o, inciso XVIII da Constituição Brasileira, que consiste em conceder à mulher que deu à luz licença remunerada de 120 dias (4 meses), exceto para as mães trabalhadoras de empresas que optarem pelo Programa Empresa Cidadã, onde o direito é de 6 meses;⁣ ⁣ É isso mesmo que você leu acima: A conta não fecha para a maioria das mulheres.⁣ Como manter o aleitamento exclusivo até os 6 meses, se grande parte precisa retornar ao trabalho com 4 meses?⁣ ⁣ – Existe uma licença excepcional para amamentação de 14 dias mediante atestado médico, onde, a mulher terá direito durante a jornada de trabalho, a 2 descansos especiais, de meia hora cada um até o bebê completar 6 meses de vida.⁣ ⁣ E eu te pergunto: o que é possível fazer em meia hora? como voltar pra casa para amamentar, e depois retornar ao trabalho nesse tempo, ainda mais considerando mulheres que vivem em grandes metrópoles?⁣ ⁣ Por isso, manter a amamentação exclusiva requer um planejamento, que envolve:⁣ – Ordenha⁣ – Armazenamento⁣ – Oferta do leite fora do seio de forma segura⁣ – Manutenção da produção de leite⁣ ⁣ É importante definir também se o bebê ficará com cuidador, ou creche. ⁣ E eu sei, não é nada fácil lidar com os sentimentos que envolvem esse período 😩⁣ ⁣ Entendendo a rotina e a realidade de cada familia, é possível criar um plano individual para cada dupla.⁣ ⁣ E lembre-se: é uma fase, é passageiro!⁣ ⁣ Se quiser montar um planejamento de amamentação e volta ao trabalho, sinta-se a vontade para me contatar. . . . #maternidade #amamentacao #mãe #gravidez #euapoioleitematerno #aleitamentomaternoeuapoio

A post shared by por Jéssica Garrido | Canadá (@maternareamamentar) on

11.Matrice 

Perfil de um grupo de apoio à amamentação que compartilha bastante conteúdo informativo sobre o tema. Confusão de bicos, preparo das mamas e outros são frequentemente debatidos por lá. Eles contam inclusive com um podcast, o MamaCast. 

View this post on Instagram

SIMMMMMMM Não vamos analisar os tipos de mamilos e investigar mamilos planos, invertidos, alongados. Combinado? Primeiramente, vamos excluir a ideia de que exista um mamilo normal – e consequentemente que os demais sejam anormais. Isso porque se todos esses mamilos existem eles todos são normais, são comuns. E é possível amamentar com todos eles. Assim posto, voltando à resposta: sim, dá para amamentar com qualquer tipo de mamilo. Até porque o bebê não mama no mamilo, ele mama na aréola. Como explica Carlos González no livro Manual Prático de Aleitamento Materno, "ao redor do mamilo há uma área mais escura, a aréola, de tamanho variável. (…) O que importa é que a língua deve estar debaixo da aréola. Entre a língua e o peito não há fricção, porque a língua de move sem deslocar-se (…). Para mamar com eficiência, o bebê deve ter a boca muito aberta com ambos os lábios virados para fora. O peito deve estar muito dentro da boca e a língua debaixo da aréola. Entre o mamilo e o lábio inferior deve haver espaço suficiente para colocar a língua. Portanto, o mamilo não está no centro da boca, mas mais próximo ao lábio superior (colocação assimétrica)." Amamentar é menos sobre o tipo de bico e mais sobre o posicionamento e a pega (o encaixe) no colo da mãe e da boca do bebê no seio. No caso de mamilos mais alongados, principalmente no começo o bebê pode acabar abocanhando mais o bico do que o mamilo, provocando fissuras. Para bicos planos, a pega pode parecer muito complicada de ser feita e em um primeiro momento, principalmente quando não há orientação, pode ser mais mesmo. O que precisa, de fato, é ajustar a pega. No caso do bico invertido, há um ponto importante: ele é virado para dentro, ou seja, um bico que nunca foi exposto ao atrito (com roupas e sutiã, por exemplo). Ao longo da sucção ele pode vir a virar para fora e esse primeiro contato com atrito pode provocar fissuras que, com ajuste de pega, vão melhorar. Como foi na sua experiência de amamentação? #matricesp #amamentação #amamentar #mamilos #breastfeeding #breastmilk #areola #lactation #lactancia

A post shared by Matrice (@matrice_sp) on

12. Amamente mais

Olga Carpi é enfermeira e consultora em amamentação. No perfil , dá dicas sobre conciliar amamentação e trabalho, inclusive em tempos de pandemia, e realiza lives semanais para tirar dúvidas dos seguidores.  

View this post on Instagram

Eu sei, as vezes você desanima! Você olha meus stories e vê várias fotos de potes cheios, bombas em pleno vapor, estoques bombando. Olha para a sua extração e vê tão pouquinho… “Porque eu não consigo tirar mais leite Olga?” “Eu tirei “só” X ml” “Fico 1 hora e só saí isso…” São frases comuns no meu direct e no meu WhatsApp com minhas pacientes! Quero que você passe para o lado e veja que na penúltima foto, em horário fora da minha rotina, eu tirei “só” aquilo, e das duas mamas!!! Essa foto foi tirada ano passado, eu já fazia rotina há mais de um ano, pra você ter ideia! Por isso: 📌Não se compare! 📌O objetivo de colocar tantas fotos de sucesso aqui é para te motivar, para que você veja que é possível! 📌Entenda a rotina como um processo, leva tempo mesmo! E cada corpo, cada mulher tem um! 📌Ache e respeite o SEU tempo! 📌 Não precisa ficar horas a fio estimulando, cerca de 15 ou 20 minutos em cada mama são mais do que suficientes para a maioria! 📌Comemore cada gota, lembra que valem ouro, não olhe para os X ml como “só”! Venere e idolatre seu corpo, seu potencial de nutriz, tem noção?! 📌FAÇA A ROTINA NOS MESMOS HORÁRIOS! 📌Siga, entendendo que se você não acreditar, quem irá?! Confie no seu corpo, acredite no processo! Vale a pena, te garanto! 🤱❤️

A post shared by Olga Carpi (@amamentemais) on

13. Tetê nosso de cada dia 

Isa Crivellaro é fonoaudióloga, consultora certificada pelo IBCLC e idealizadora do Amamenta Mundi, plataforma de capacitação para outros consultores. Em seu perfil, dá dicas acessíveis para o público leigo e compartilha relatos inspiradores sobre o aleitamento. 

View this post on Instagram

Você conhece o conceito de capacidade de armazenamento da mama?⁣ ⁣ O que determina o tamanho da mama é a quantidade de tecido adiposo e, portanto, este não é um parâmetro fidedigno quando falamos em produção de leite de quem amamenta.⁣ ⁣ Contudo, sabemos que a produção de leite de cada mulher é única e, ademais, a amamentação de cada dupla de mãe e bebê se “comporta” de maneira diferente e essa capacidade de armazeenamento é uma das características que explica essa variabilidade.⁣ ⁣ Ela diz respeito ao espaço físico disponível na mama quando da secreção do leite e tem relação com a quantidade de tecido glandular presente. ⁣ ⁣ 👉 Ou seja: a quantidade de tecido, bem como número e tamanho dos ductos é que determinam essa capacidade de armazenamento.⁣ ⁣ Ok Isa, e de que forma isso impacta a amamentação de cada dupla?⁣ ⁣ 🤱 Em geral, quando observamos uma grande capacidade de armazenamento é comum observarmos bebês que se satisfazem somente com uma mama por mamada e/ou dando intervalos maiores entre as mesmas. ⁣ ⁣ 🤱 Uma capacidade de armazenamento pequena implica, normalmente, em observarmos bebês requerendo ambas as mamas na mesma mamada e mamando com intervalos menores, ou seja, com uma frequência maior. ⁣ ⁣ Compreender esse conceito e suas implicações nos possibilita, como profissionais, oferecer orientações acertadas e individualizadas, com base nas características e necessidades de cada dupla.⁣ ⁣ ⁣ Isa Crivellaro⁣ Fonoaudióloga e IBCLC⁣ Idealizadora Amamenta Mundi⁣ ⁣ ⁣ PS: se vc quer se capacitar profissionalmente ou se atualizar na área de amamentação, aproveite as condições especiais dos cursos online da Amamenta Mundi no Agosto Dourado! ⁣Acesse o site: www.amamentamundi.com.br ⁣ #amamentação #aleitamentomaterno #leitematerno #fononeonatal #doula #SMAM2020 #enfermeiraobstetra #pediatra #neonatologia #obstetriz

A post shared by Isa Crivellaro – Fono e IBCLC (@tetenossodecadadia) on

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s