8 perfis inspiradores sobre amamentação para você seguir no Instagram

Começou a Semana Mundial da Amamentação! Aproveite para descobrir conteúdos bacanas sobre o assunto nas redes sociais.

O Agosto Dourado é o mês dedicado a ações de promoção e incentivo ao aleitamento materno no Brasil. Nesta quinta, 01, começa a Semana Mundial de Amamentação, iniciativa internacional criada em 1992, que inspirou a criação da lei brasileira. Cheio de benefícios únicos, o leite materno é sabidamente o melhor alimento para o bebê, e deveria ser o único durante os seis primeiros meses de vida.

Para comemorar o início desta data, separamos alguns perfis bacanas que incentivam a amamentação e divulgam conteúdos inspiradores sobre ela para você seguir no Instagram:

Enquanto eu amamento

View this post on Instagram

Por @odaracris ・・・ um ano e cinco meses de muito peito. muito mesmo. em qualquer hora, em qualquer lugar. contrariando olhares chatos, desviando de palpites desnecessários, que ficam querendo decidir por mim que 'já ta chegando a hora de parar de mamar, né?'. os peitos são meus. queria saber o que passa na cabeça das pessoas pra falarem essas coisas pra uma mulher mãe. pessoas que não estão lá de madrugada quando você acorda, exausta, mas recebe seu filho no seu seio. pessoas que não estão lá para presenciar ele mamando e fazendo carinho. que nada sabem sobre nossa troca de olhares. que não percebem as risadas que ele dá quando finge que vai mamar e na verdade faz cosquinhas. pessoas que não estavam lá quando meus peitos doiam de tanto leite, e eu chorava junto com eles. que também não estavam lá quando Rudá ficava uma, duas, três horas direto no meu peito. não me ofereciam um copo d'água. não presenciavam a dificuldade de se limpar no banheiro com a cria mamando. não estavam lá todas as vezes que ele sentiu medo, dor e foi no meu seio procurar acalento. mas basta colocar um peito pra fora que a gente afronta um mundo inteiro. eu não me cubro eu não deixo de dar meu seio esse que jorra vida que de dentro de mim alimenta de tantas formas meu filho parem de dizer a uma mulher mãe que ela tem que tirar seu filho do peito ao invés disso comecem a se questionar porque dos lugares serem tão sem estrutura pra essa mulher mãe e sua cria porque o Brasil ter uma média tão pequena de aleitamento materno porque uma rede de apoio tão escassa pra incentivar essa mulher mãe porque o acesso a informação tão dificultado e o incentivo quase nulo. as tetas são minhas. eu decido. e com minha criança pendurada ao meu peito eu afronto o mundo. #aleitamentomaterno #amamentação #livredemanda #maternidadereal #enquantoeuamamento

A post shared by Enquanto Eu Amamento (@enquantoeuamamento) on

Perfil que reúne fotos publicadas com a hashtag #enquantoeuamamento, com cliques de diversas mães e relatos sobre a experiência de amamentar em diversos contextos: amamentação prolongada, livre demanda e dificuldades enfrentadas nesse momento.

Filme de peito aberto

View this post on Instagram

Depois de passar por momentos de extrema dificuldade para amamentar minha filha, hoje com 6 anos, decidi acompanhar a história de amamentação de seis mães brasileiras de primeira viagem, de diferentes realidades socioculturais. Assim nasceu DE PEITO ABERTO, um documentário inédito sobre aleitamento materno. As mães são as grandes protagonistas do filme. Elas dão as cartas, ditam as necessidades, pautam a discussão. Com especialistas brasileiros e internacionais como Carlos González, Laura Gutman e Jack Newman, o filme busca criar bases para a construção de uma nova cultura de aleitamento materno no Brasil. Para isso foi necessário traçar um panorama das políticas públicas e compreender os efeitos nefastos da bilionária indústria do leite artificial, que aposta pesado na falência do aleitamento materno para crescer e se consolidar. (…) Longe de consolidar sua luta por equidade de gênero nas políticas públicas e na própria família, a mulher se vê sobrecarregada a ponto de ser obrigada a abdicar da amamentação em nome da sobrevivência no mercado de trabalho, o que muitas vezes significa a sustento de toda a família. Uma situação ainda mais aguda se considerarmos a situação da mulher negra. De Peito Aberto não vem para massacrar as mães que optam ou são induzidas a não amamentar suas crias. Queremos construir um novo patamar de consciência coletiva para a importância do aleitamento materno, algo que ajudaria a evitar a morte de 820 mil crianças por ano no mundo, segundo as Nações Unidas. Graziela Mantoanelli. #180DiasDePeitoAberto #AmamentaBrasil #aleitamentomaterno #culturadoaleitamento #amamentação #breastfeeding * Texto publicado originalmente na Revista SAÚDE, da editora Abril. Íntegra em www.depeitoaberto.net/blog

A post shared by DE PEITO ABERTO (@filmedepeitoaberto) on

O perfil continua o trabalho da mãe Graziela Mantoanelli, que produziu com financiamento coletivo o documentário De Peito Aberto, lançado em 2018, a partir de sua própria dificuldade em amamentar sua filha, Clara. O filme acompanha a história de seis mães de primeira viagem, e o perfil segue divulgando pílulas de conteúdos e depoimentos para mudar a cultura do aleitamento no Brasil.

Breastfeeding Mama Talks

“Que tal essa cara assustada? Eu estou usando calcinha de malha? Sim. Eu pareço exausta? Com certeza. Esse é um dos momentos mais legais da minha vida? Sim, definitivamente”. O perfil é uma iniciativa da norte-americana Kristy Kemp, que criou em 2012 uma comunidade virtual para discutir as dores e delícias de amamentar. No Instagram, ela posta relatos e fotos inspiradoras de outras mulheres e de si própria, com textos em inglês.

Black Moms Breastfeed

Mulheres negras estão mais sujeitas a encontrar dificuldades sociais que impedem a amamentação, como o menor acesso a empregos de qualidade e falta de apoio da comunidade local. Este perfil traz lindos cliques de mães negras amamentando seus filhos como maneira de promover o aleitamento para além da desigualdade racial.

Gabrielle Gimenez

View this post on Instagram

Um dos maiores obstáculos a serem enfrentados para o sucesso da amamentação é a falta de auto-confiança. O descrédito que damos à capacidade inata do nosso corpo de produzir o alimento na quantidade justa e necessária para alimentar os nossos bebês. Depositamos toda nossa confiança num remédio, numa comida, numa erva, numa infusão, numa simpatia, pensando que esse tipo de coisas são imprescindíveis para a boa produção de leite. Mas somos incapazes de confiar nos nossos próprios corpos, e nos tornamos vulneráveis aos pitacos, às críticas, aos mitos, aos nossos próprios medos. Pro leite sair do peito, ele primeiro precisa nascer na nossa cabeça. Não se deixe intimidar pelo discurso do pouco leite, do leite fraco, do bebê que só chora de fome, da mamadeira salvadora no fim do dia. Estude, se prepare, busque ajuda, se entregue, mas principalmente se ajude: confie em você mesma. Texto: Gabrielle Gimenez @gabicbs Fotografia: @gabysweet_ Leia mais em: #amamentaçãosemmitosGG

A post shared by Gabrielle Gimenez (@gabicbs) on

Mãe que se dedica a compartilhar conteúdos de especialistas em saúde sobre amamentação além de relatos sinceros de outras mães sobre os desafios enfrentados para amamentar seus filhos da maneira que desejarem.

Dar de mamar

Amamentar por si só já pode ser uma tarefa extenuante. Para amamentar um prematuro, então, é preciso superar uma série de obstáculos físicos e burocráticos. O perfil Dar de Mamar, da nutricionista Raquel Prata, reúne cliques inspiradores de prematuros sendo amamentados e dá outras dicas preciosas para o aleitamento.

Amamentar é…

O perfil é mantido pela ex-VJ da MTV Chris Nicklas, que enfrentou dores e quase desistiu de amamentar seus filhos gêmeos Nino e Luca, hoje já quase adolescentes. A experiência a motivou a criar o projeto “Amamentar É…”, onde conta com a ajuda da médica que a apoiou quando seus filhos eram pequenos e outros profissionais de saúde para esclarecer dúvidas e destacar a importância do leite materno.

Amamente bem

View this post on Instagram

Rede de apoio nada mais é do que contar com o apoio de familiares e amigos no pós parto. . Rede de apoio é ajudar a mulher, e não ultrapassar as suas vontades. Se ela não quiser e você insistir, na realidade você irá estressar a mulher e isso não é ajuda. . Nos primeiros dias a mulher está se adaptando a nova rotina e está cansada fisicamente. . Pensem quem são as pessoas que irão te ajudar nesse momento, como por exemplo: limpar uma casa, fazer uma comida, lavar e passar as roupas, dar um banho no bebê. . O que a família/amigos não deve fazer: – Visitas em dias e horários inapropriados, o ideal é consultar antes o casal, qual o melhor dia e horário; – Criticar a desordem da casa; – Criticar se ela desabafar o quanto está difícil a situação; – Criticar os comportamentos e decisões da puérpera; – Dormir na casa da puérpera sem ser convidado por ela, mesmo que seja mãe, sogra, irmã; . Enfª Viviane Souza – Fundadora e consultora de amamentação da Amamente Bem @amamentebem Www.Amamentebem.com.br 📩 contato@amamentebem.com.br

A post shared by AMAMENTE BEM – Amamentação (@amamentebem) on

Perfil mantido pela enfermeira Viviane Souza, consultora em amamentação, com dicas práticas sobre amamentação, desmame, ganho de peso do bebê e muito mais!

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s