Surto de sarampo alerta para necessidade de manter a vacinação em dia

A doença considerada erradicada em 2016 volta a se espalhar por estados do Brasil e gera preocupações.

Por Carla Leonardi Atualizado em 5 jul 2018, 18h45 - Publicado em 5 jul 2018, 18h44

Na última quarta-feira, 04, foi decretada situação de emergência por 180 dias em Manaus, com o objetivo de conter o avanço do sarampo na capital. No Norte do país, os estados de Amazonas e Roraima já apresentam juntos mais de 500 casos confirmados da doença, enquanto mais de 1,5 mil estão em investigação.

No Rio Grande do Sul, foram confirmados 7 casos de sarampo, enquanto o Rio de Janeiro analisa 17 – um deles com resultado preliminar positivo. Esses números indicam que a cobertura da vacinação contra a doença está abaixo do que é recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Vale lembrar que em 2016 o vírus foi considerado erradicado em território nacional, com certificado da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), e desde 2000 não havia um surto autóctone.

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 700 mil doses da vacina tríplice viral (contra sarampo, caxumba e rubéola) foram encaminhadas aos dois estados afetados da região Norte. Ainda assim, está sendo planejada uma campanha nacional que mobilize a população a se imunizar.

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, altamente contagiosa, grave e de natureza viral. A transmissão acontece por meio das secreções (como a saliva) expelidas com a tosse, o espirro, a fala ou a própria respiração. É importante ressaltar que a vacina é a única forma de prevenir a doença e que ainda não existe um tratamento específico para a enfermidade, apenas formas de aliviar os sintomas.

Continua após a publicidade

Publicidade