Ministério da Saúde pede que os pais adiem a vacinação de rotina

O objetivo é que as crianças não tenham contato com os idosos, o grupo de risco do coronavírus.

Por Alice Arnoldi Atualizado em 24 mar 2020, 11h26 - Publicado em 24 mar 2020, 10h37

Na segunda-feira (23), iniciou-se oficialmente a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Gripe, em que o primeiro grupo a receber a dose é trabalhadores da área da saúde e idosos. Junto com o anúncio da ação governamental, o Ministério da Saúde pediu que até 15 de abril, quando a segunda fase da vacinação começa, pais não levem as crianças aos postos de saúde para fazer a vacinação de rotina.

O motivo desse pedido é para não coincidir com a primeira fase da campanha da gripe, uma vez que, por mais que os pequenos sejam menos propícios a contrair coronavírus, eles podem transmiti-lo aos idosos que estarão nos postos. Isso acontece porque em 94% dos casos em que crianças são diagnosticadas com a doença, elas apresentam sintomas leves ou não mostram nenhum sinal de que estão doentes. O que é leva adultos a pensarem que não tem problema elas ficarem perto de idosos.

  • “A medida preventiva objetiva reduzir o contato dos idosos e crianças, já que estas são importantes transmissores e disseminadores das doenças respiratórias.”, enfatiza o comunicado oficial do Ministério da Saúde

    As crianças de seis meses até menores de seis anos, assim como grávidas, mulheres no puerpério, pessoas indígenas, pessoas com deficiência e indivíduos entre 55 e 59 anos, formam o terceiro grupo a ser imunizado na Campanha, a partir do dia 9 de maio.

    Até o momento, o governo disponibilizou 75 milhões de doses da vacina que combate diferente cepas do vírus da Influenza, inclusive da H1N1

    Continua após a publicidade
    Publicidade