Grávida tem parada cardíaca e médica realiza cesárea em recepção de prédio

"Quando o bebê saiu, foi entubado, mas depois, quando estava bem e começou a chorar, eu não aguentei e desabei", comentou a obstetra. Entenda o caso.

Na última segunda-feira, 14, a médica Adriana Aparecida Dias dos Santos, de Sorocaba, interior de São Paulo, enfrentou o maior desafio na sua profissão. Minutos depois de atender Janaína Gonçalves, que estava na 38ª semana de gestação com o parto previsto para a próxima semana, ela foi chamada para socorrer a paciente, que sofreu uma convulsão seguida de parada cardiorrespiratória na recepção do prédio em que fica o consultório.

Em entrevista ao G1, a obstetra contou que ficou 20 minutos fazendo massagem cardíaca em Janaína, enquanto aguardava a chegada do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Mas ela notou que o bebê não estava nada bem e resolveu fazer uma cesárea de emergência no local. “Peguei o estetoscópio para ouvir os batimentos e estavam a 80, quando o normal é de 120 a 140 por minuto. Nesse momento vi que a criança estava em sofrimento, era como se falasse: ‘me tira daqui, pelo amor de Deus’“, comentou.

A especialista também disse que, em 20 anos de profissão, jamais passou por uma situação semelhante. Para realizar o procedimento, Adriana usou apenas luvas e um bisturi. A pequena nasceu pesando 2,800 quilos e enfrentou uma parada respiratória. “Quando o bebê saiu, foi entubado, mas depois, quando estava bem e começou a chorar, eu não aguentei e desabei… Foi muito emocionante. Ela [bebê] chegou no hospital mexendo as pernas e os braços, está bem”, afirmou.

 (Elisa Alves/Reprodução)

A médica revelou que, durante a consulta, diagnosticou que a grávida estava com a pressão alta e, por isso, orientou que ela fosse direto para o hospital. “Ela teve uma gestação tranquila, não tem histórico de convulsão, nenhuma patologia que pudesse resultar nesse episódio. Confesso que fiquei preocupada com a pressão, mas não era grave”, acrescentou Adriana. Janaína estava acompanhada do marido, que presenciou toda a operação.

Infelizmente, na última quarta-feira, 17, foi confirmado o falecimento da paciente que, segundo atestado médico, teve um aneurisma – uma doença vascular que pode causar hemorragia interna e AVC (acidente vascular cerebral), sendo, muitas vezes, fatal. Já a menininha foi atendida pelo SAMU e encaminhada para o hospital – onde ainda permanece internada.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s