Glossário da gravidez: o que é a linha nigra?

A manchinha escura que aparece na região mediana do abdômen da gestante tem relação com os hormônios, mas tende a desaparecer alguns meses depois do parto.

Por Flávia Antunes Atualizado em 1 set 2021, 18h07 - Publicado em 2 set 2021, 10h00

Assim que recebe a notícia da gravidez, a mulher já espera por algumas mudanças em seu corpo. Crescimento da barriga, inchaços, mudanças nos seios… Mas mesmo já tendo observado em outras gestantes, a grávida pode se surpreender ao notar uma linha escura surgindo na região do abdômen.

A condição recebe o nome de linha nigra, e é bastante comum durante esse período. “Ela é uma área de pigmentação aumentada, geralmente na região infraumbilical, bem na linha mediana do abdômen”, esclarece Adriana de Góes, ginecologista e especialista em reprodução humana.

A “manchinha” que vai de uma ponta a outra da barriga pode aparecer também em mulheres que não estão à espera de um bebê, mas é bem mais frequente durante a gestação. Isso porque há um aumento acentuado dos hormônios, especialmente do estrogênio, que favorece a hiperpigmentação da pele por meio da melanina, pigmento natural que confere a cor escura.

Quando ela surge?

De acordo com a ginecologista, a linha nigra pode surgir em qualquer fase da gravidez, mas é mais comum na segunda metade, especialmente a partir do quinto mês. “É nesta época que a marca se torna mais evidente – não só pela questão hormonal, em que há o aumento do estrogênio e da progesterona, mas também pela maior protuberância da barriga”, comenta Adriana.

Além da linha que aparece na região do abdômen, a gestante pode notar outras manchinhas pelo corpo, como em áreas do rosto – condição conhecida como melasma.

Linha nigra em barriga de grávida
Deyan Georgiev / EyeEm/Getty Images
  • Ela desaparece sozinha?

    A mulher pode se surpreender ao notar a linha nigra mas a condição não merece preocupação. “Normalmente, ela vai desaparecendo de forma natural depois do nascimento, ao longo de três a seis meses pós-parto, pois é quando os hormônios vão diminuindo gradativamente”, tranquiliza Adriana.

    Antes disso, a médica pontua que os esfoliantes ou hidratantes tendem a não surtir efeito, já que as manchas dependem da ação hormonal, mas ressalta que os cuidados devem ser redobrados com a pele neste momento. O uso de protetor solar é indicado e, se possível, que as mulheres evitem longos períodos de exposição ao sol. Veja aqui mais dicas para cuidar das manchas que surgem na gravidez.

    Já em caso de persistência, a especialista recomenda uma avaliação dermatológica para verificar qual é o melhor tratamento para aquela situação, considerando também o tipo de pele da mulher. “Existe a possibilidade de uso de ácidos e laserterapia. Mas na maioria dos casos, isso não é necessário”, ressalta a ginecologista.

    Continua após a publicidade
    Publicidade