Diabetes com alta taxa de glicemia pode comprometer a fertilidade

O médico Mauricio Chehin, do Grupo Huntington Medicina Reprodutiva, esclarece questões cruciais para auxiliá-la a realizar o sonho da maternidade.

O diabetes é uma doença crônica que causa a diminuição da produção ou resistência à ação da insulina. Seus sintomas mais conhecidos são o aumento da vontade de urinar, maior ocorrência de infecções fúngicas, impotência, sensação de cansaço, além de má cicatrização e circulação. Mas o que muitos pacientes não sabem é que, quando não está compensado, ele pode provocar sérios problemas à fertilidade de homens e mulheres.

Vale ressaltar que o tipo de diabetes não é o principal fator de relação com a infertilidade, mas sim os níveis glicemia – que podem estar dentro ou fora da normalidade. Quando descompensada, a  doença provoca o aumento do açúcar no sangue e distúrbios no metabolismo das gorduras e das proteínas. Nas mulheres, pode levar a uma anovulação crônica, ou seja, uma ausência de ovulação. Nos casos de infertilidade feminina, o quadro é reversível, mas na infertilidade masculina existe a possibilidade de um comprometimento das terminações nervosas (neuropatia).

Nos homens, pode ocorrer um aumento da fragmentação do DNA do espermatozoide, diminuindo as chances de fertilização e aumentando as chances de abortamento. Em alguns casos, esse quadro também pode provocar a ejaculação retrógrada, levando os espermatozoides que deveriam sair pela uretra durante a ejaculação para a bexiga. Esses efeitos também podem aparecer em pacientes diabéticos compensados, mas em menor escala.

Quando há a fecundação, o alto nível da glicemia também causa problemas. Existe um aumento dos casos de abortamento espontâneo e também de malformações. Entre as mais comuns estão as cardíacas, a disgenesia sacral (anomalia do desenvolvimento da porção final da coluna) e a holoprosencefalia (ausência do desenvolvimento do lóbulo frontal do cérebro do embrião).

Já o risco gestacional é elevado por outros motivos. Há maior índice de macrossomia fetal (recém-nascidos com muito peso), síndrome do desconforto respiratório, asfixia, hipoglicemia neonatal (queda dos níveis de açúcar no sangue após o nascimento), polidramnio (excesso de líquido amniótico), atonia uterina (alterações nas contrações do útero), entre outras disfunções.

Para quem tem diabetes e quer manter a fertilidade, a dica é simples: mantenha a doença compensada antes de tentar engravidar. O controle glicêmico do paciente diabético é a chave para não ficar infértil.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s