Vacinação infantil: o que mudou no calendário de imunização para 2016

O Ministério da Saúde anunciou alterações nas doses de reforço das vacinas contra meningite e pneumonia e no esquema vacinal da poliomielite e da hepatite A.

O novo ano já começou com novidades no mundo das vacinas: nesta terça-feira (5), o Ministério da Saúde anunciou mudanças no Calendário Nacional de Vacinação. Elas entraram em vigor no dia 4 e valem para postos de saúde de todo o país. “Sempre que temos uma mudança na situação epidemiológica, nas indicações ou na incorporação de novas vacinas, fazemos modificações no calendário”, justifica o secretário de Vigilância em Saúde, Antônio Nardi.   

A maior parte das alterações envolve imunizantes administrados em bebês. Confira a seguir:

Pneumonia

A partir de agora, a vacina pneumocócica 10 valente será aplicada em duas doses (aos 2 e aos 4 meses de vida), seguida de um reforço preferencialmente aos 12 meses – mas que pode ser tomado até os 4 anos de idade. Segundo o ministério, estudos recentes mostram que esse modelo tem a mesma efetividade do que o esquema de três doses mais um reforço, adotado até então pelo sistema de saúde pública do Brasil.

Pólio

No novo calendário, a terceira dose da vacina contra a poliomielite, administrada aos 6 meses de vida, deixa de ser oral e passa a ser injetável, assim como as duas primeiras. Desse modo, as três aplicações iniciais do imunizante são feitas com a versão inativada, elaborada com vírus mortos. Isso reduz ainda mais os riscos de a criança desenvolver a doença, que leva à paralisia infantil. Vale lembrar que a vacina oral poliomielite (VOP) continua sendo utilizada como reforço aos 15 meses, aos 4 anos e anualmente durante a campanha nacional, voltada para os pequenos de 1 a 4 anos de idade.

Meningite

Em relação à vacina meningocócica C (conjugada) – que protege meninos e meninas contra infecções causadas pela bactéria meningococo C -, a mudança está no reforço. Antes, a dose extra era oferecida aos 15 meses; agora, ela deve ser dada aos 12. As primeiras doses continuam sendo feitas aos 3 e aos 5 meses de vida.  

Hepatite A

Em 2016, o esquema da vacina contra essa doença passará a ser feito em dose única, aos 15 meses de vida. Até então, a primeira dose do imunizante era aplicada quando o pequeno completasse 1 ano de idade e o reforço, depois de seis meses. O objetivo, segundo o ministério, é reduzir o número de vacinas injetáveis administradas e o desconforto que elas provocam. A pasta assegura que a mudança não comprometerá a eficácia do medicamento.      

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s