10 coisas que não devem ser ditas a uma mãe de um bebê com cólica

"Você não está cuidando dele direito", "seu leite é fraco" e "dê ao seu bebê um chazinho" são alguns dos palpites que muitas mulheres ouvem quando têm filhos que sofrem com essas dores abdominais. No entanto, ao invés de ajudar, tantas opiniões acabam incomodando - e não resolvem nada!

 

1. “Dê um chá”

. .

. (/)

Um chazinho de camomila, erva-doce ou hortelã é natural e inofensivo, certo? Errado! Antes de sair espalhando esse conselho por aí, saiba que, embora alguns pediatras recomendem, não há comprovação científica de que essas bebidas aliviam, de fato, as cólicas nos bebês. E tem mais: o ideal é que, nos primeiros 6 meses de vida, a criança mame exclusivamente no peito. E oferecer chás a ela pode atrapalhar esse processo. Portanto, que tal orientar a sua amiga que está passando por isso a conversar com o pediatra?

2. “Seu bebê pegou friagem”

. .

. (/)

Nada a ver! As causas das cólicas em bebês ainda estão sendo investigadas. Mas sabe-se que esse problema está ligado a diversos fatores, como a imaturidade dos sistemas gastrointestinal e nervoso – que controlam, entre outras coisas, as contrações do intestino. A pouca idade do recém-nascido faz com que os movimentos intestinais ocorram de forma descoordenada, provocando as dores. Tanto é que, depois de três meses, é comum que a chateação vá embora.

3. “Você não está amamentando direito”

. .

. (/)

Isso até pode ser verdade, mas não é legal julgar e apontar mais problemas a uma mãe que já está aflita o suficiente! O que acontece é que, se a pega for feita de forma incorreta, ela pode fazer com que o bebê engula ar e tenha mais cólicas. A solução é aprender a encaixar a boquinha do pequeno no bico do seio – até porque o leite materno é excelente para prevenir as dores abdominais. Isso porque, em comparação com as fórmulas, ele é melhor absorvido pelo organismo do recém-nascido e contém elementos que contribuem para o amadurecimento rápido do intestino. 

4. “É a sua alimentação que está causando tudo isso”

. .

. (/)

Esta é outra questão controversa e que ainda não está totalmente esclarecida pela ciência, pois estudos indicam que a cólica é um processo natural do desenvolvimento gastrointestinal do pequeno e, portanto, a alimentação da mãe não teria uma interferência direta na dor que o bebê sente. Até agora, a única associação comprovada nesse sentido é que o consumo de produtos lácteos por mulheres com alergia à proteína do leite de vaca (ou com intolerância à lactose) durante a amamentação pode, sim, provocar cólicas no recém-nascido. Fora isso, suspeita-se que chocolate, refrigerantes, café, soja, trigo e nozes também podem desencadear as dores abdominais nos pequenos.

5. “Eu conheço uma fórmula mágica!”

. .

. (/)

Esquentar a fralda com uma folha de couve e azeite, oferecer ao bebê óleo de amêndoa doce, não torcer a roupinha do pequeno… É superstição que não acaba mais! Mas não se deixe enganar: nada disso tem comprovação científica. Na hora das crises, o que resolve é fazer massagens circulares na barriguinha ou flexionar e estender as perninhas do pequeno, como se ele estivesse andando de bicicleta. Aquecer a região da dor com uma bolsa térmica ou mesmo com o contato pele a pele – colocando o filhote no seu colo ou no do papai – também ajuda a relaxá-lo e acalmá-lo. E não se esqueça: medicamentos só com o aval de um médico!

6. “Você não sabe o que ele tem?”

. .

. (/)

Está aí outra indelicadeza sem tamanho! Falar uma coisa dessas não vai ajudar em nada uma mãe que só quer ver o seu filho tranquilo e sem dor. Por isso, se você já é craque nos dilemas da maternidade e sabe identificar o tipo de choro do bebê, procure dizer a essa mãe se o seu pequeno está com fome, frio ou cólica. Tem jeito melhor de ser útil?

7. “Deixa eu pegá-lo no colo”

. .

. (/)

Por melhores que sejam as suas intenções, saiba que isso não vai trazer alívio para a mãe que quer resolver o problema do seu filho. Por que, então, ao invés de se oferecer para carregar o bebê alheio, você não mostra para a mamãe como acalmá-lo no colo? Bem melhor!

8. “Engraçado, o meu filho não teve cólicas…”

. .

. (/)

É mesmo? Sorte sua! Mas isso não vai acalmar as cólicas do bebê da sua amiga, sabia?

9. “Nossa, como essa criança é chorona!”

. .

. (/)

Ela está com dor, ok? O que acha de tentar ajudar a acalmá-la no lugar de ficar reclamando?

10. “Você não sabe cuidar do seu filho”

. .

. (/)

NUNCA se deve dizer isso a uma mãe. O bom senso mandou lembranças wink

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s