Professor se emociona com reação dos alunos ao contar que é gay

Ao saber o nome do noivo do professor, os estudantes ficaram preocupados apenas em saber se ele também dava aula e quando iriam conhecê-lo.

Por Alice Arnoldi 1 out 2021, 16h45

Pertencer a comunidade LGBTQIA+, como é o caso desta repórter que aqui escreve, é trilhar uma jornada de orgulho, mas também de luta por respeito e contato com algumas inseguranças diante de situações que podem, em um piscar de olhos, refletirem a homofobia que ainda nos ronda.

O desabafo do professor Gustavo Porcino, no Facebook, viralizou os últimos dias de setembro e mostra isso ao revelar que foi surpreendido por uma avalanche de perguntas dos seus alunos sobre a suposta namorada dele e, mais tarde, pelo acolhimento ao revelar sua orientação sexual.

Na época, os estudantes não sabiam que Gustavo é noivo de um homem e isso levou o professor a tentar se desvencilhar das constantes perguntas sobre seu relacionamento. “O fatídico dia chegou. Estou eu, dando aula tranquilamente, quando no meio de uma divisão me surge o seguinte questionamento: ‘professor você namora?’ e ‘qual o nome da sua namorada?’, duas perguntas tão simples mas que para alguns é um frio na espinha (e eu me incluo dentro dessa)”, escreveu na publicação.

Só que os alunos continuaram tentando saber. Perguntaram qual era o nome, pediram a primeira letra para tentarem adivinhar, a cor do cabelo e até brincaram que eles contavam tudo para o professor e ele não queria sequer dizer quem era a sua namorada. “Até que de tantos nomes femininos, eu ouço lá do final da sala ‘É VICTOR?’. Eu disse que sim e fiquei esperando a reação”, lembra Gustavo.

  • O carinho quando menos se espera

    Nesta hora, uma série de possíveis situações homofóbicas passam na nossa mente, com os comentários mais doloridos que já ouvimos e poderíamos nos deparar novamente. Mas o professor foi surpreendido com o respeito dos pequenos, ouvindo perguntas preocupadas sobre o seu noivo gostar daquela turma e se eles um dia poderiam conhecê-lo.

    “A próxima pergunta foi: ‘ele dá aula aqui?’, ‘ele também é professor?’, ‘traz ele aqui pra gente conhecer’, ‘ele gosta da gente?’. Senti uma tranquilidade que não coube em mim. Crianças de dez, 11 anos, já entendem que existe o amor independente do sexo. Ninguém ficou chocado por ser dois homens, mas sim, preocupados se o Victor iria gostar deles e se ele iria um dia lá”, conta Gustavo na publicação.

    O professor ainda fez uma reflexão sobre o quanto o mundo ainda nos priva da liberdade de demonstrar o amor, independente da sua forma. Mas para os menores, a situação tende a ser mais simples. Inclusive, para tranquilizar ainda mais o coração de Gustavo, ele recebeu um cartaz carinhoso da sua aluna Lívia, celebrando o casal. O amor vence!

    Veja a postagem na íntegra, que já foi compartilhada mais de 36 mil vezes:

    Continua após a publicidade
    Publicidade