17 dicas do que fazer com o filho nas férias

Trabalhando ou não, conversamos com especialistas para saber como os pais podem organizar sua rotina nas férias e aproveitar momentos com os pequenos.

Julho chega e, para quem não vai tirar férias junto com os filhos, a chegada das férias escolares pode gerar uma certa tensão. “Os pais já sabem que esse período pode ser sinônimo de mais trabalho, de maior agitação em casa, e menos tempo para resolver aspectos básicos da vida diária”, comenta Marcella Sandim, psicóloga carioca especialista em saúde mental materna. 

Antes de tudo, é importante maneirar na auto cobrança nesse período. Criar filhos é conviver com sentimentos constantes de culpa e outros, e aprender a lidar com eles é fundamental para que os pais consigam desfrutar da vida familiar. É importante lembrar disso nas férias, quando os filhos exigem mais. O ideal é tentar ajustar a rotina e rever prioridades para passar mais tempo com eles, mas respeitar os limites de cada um. 

“Estaremos sempre em falta, somos humanos, não conseguiremos dar conta de tudo”, destaca Gabriela Malzyner. “Se pararmos de confrontar essa realidade, podemos aceitá-la e aí sim aproveitar melhor o momento que vivemos sem pensar no próximo”, completa. Ou seja, se você não conseguir fazer quase nada dessa lista, tudo bem. 

“Diante de tantas cobranças do que deve ser feito, devemos relembrar que temos a capacidade de cuidar da criança, e que todas as escolhas que fizermos serão as melhores possíveis dentro do nosso contexto”, encerra Marcella. O momento é desafiador, mas seus frutos são duradouros, pois trata-se de uma oportunidade única para a família.

“As férias são o período onde a formação humana de fato ocorre, porque há liberdade para explorar o mundo, estar junto em  família, construir conhecimento e conviver de maneira interessante”, destaca Gabriela Malzyner, psicóloga clínica de São Paulo. “Nesse ambiente livre, ensinamos valores, ética e fortalecemos vínculos”, completa. 

Com algumas dicas e um pouco de empenho, é possível se divertir em família e entreter as crianças mesmo sem dispor dos dias livres. Confira esse manual que preparamos com a ajuda de especialistas e faça o que for possível.   

1) Invista em tempo de qualidade

“Não é sobre a quantidade de tempo somente, mas a qualidade de tempo e atenção que você oferece sem interferências”, aponta Marcella. Nos momentos de interação com as crianças, invista em atividades que promovam a integração e o contato físico. Dedique de verdade sua atenção a eles, sem distrações no celular ou outras coisas. 

2) Faça um rodízio de pais 

Dividir os cuidados com outros pais ajuda a aliviar um pouco da sobrecarga em cada família. Um dia um leva a turma ao cinema, no outro uma casa recebe os amigos para uma tarde de brincadeiras e por aí vai. “Os grupos de Whatsapp podem ajudar muito na organização das férias coletivas, com distribuição de responsabilidades entre os pais”, comenta Luciane Motta, coordenadora da Casa do Brincar, em São Paulo. 

3) Planeje sua rede de apoio 

Ter uma rede de apoio é fundamental o ano todo, mas aqui ela se torna ainda mais relevante. Verifique que parentes e amigos estarão disponíveis no período e podem ficar com os pequenos ao menos por um período. O ideal é fazer isso antes de julho chegar, para que o pedido em cima da hora não pegue a rede desprevenida e ocupada. 

4) Colônia de férias 

Para quem pode fazer o investimento, algumas escolas oferecem colônias de férias abertas até para não alunos, com atividades lúdicas diferentes do ritmo tradicional, mas ainda com fundo educativo. “Para os pais, é vantajoso deixar a criança em um espaço onde ela será cuidada por profissionais e terá contato com diversas áreas do conhecimento”, comenta Márcia Andrea Schmidt da Silva, diretora do Colégio Leonardo da Vinci, unidade Beta, em Porto Alegre, que oferece o serviço.

5) Casas de brincar 

Outro tipo de espaço bacana, que existe em várias cidades brasileiras. Em uma casa de brincar, as crianças têm uma agenda variada de atividades que diverte e ensina habilidades artísticas, como pintura, música e dança, além de promover a convivência com outras crianças. Esses locais oferecem visitas avulsas, de meio período ou integrais, e ainda pacotes para o período das férias. 

Os valores variam de acordo com a região, em São Paulo, podem flutuar entre R$90 e 150 reais no caso das diárias avulsas, preço que costuma ser menor longe dos grandes centros. Antes de optar por essa opção, verifique a formação dos profissionais, que devem ser focados na área educativa e recreativa.   

 (Cavan Images/Getty Images)

6) Cozinhe com as crianças 

Colocar as mãozinhas na massa é diversão garantida! Primeiro, elas aprendem desde cedo a origem dos alimentos e estimular o paladar, tendendo a recusar menos os alimentos. Fora que é uma oportunidade ótima de criar vínculos e hobbies divertidos em família, que durarão por anos. 

Gostou da ideia? Aprenda sete receitas nutritivas e gostosas para preparar em família, com tarefas para idades variadas.  

7) Faça arte em casa 

Por volta dos quatro anos, crianças amam explorar materiais diferentes e desenhar com papeis, giz, pincéis, além de fazer colagem e recortes. Aproveite para promover projeto artísticos, como um painel para decorar o quarto, por exemplo. Mesmo entre os mais novinhos é possível começar esse estímulo, com tintas naturais. “Pode ser a água da beterraba que cozinhou, por exemplo, uma água com açafrão e outros materiais orgânicos, pois nessa idade importa mais a experiência do que o resultado em si”, destaca Luciane.

Outras atividades criativas são treinar uma coreografia de dança, cantar, ler juntos e contar histórias. Fantoches de meia, pintados com caneta para tecido ou mesmo sem nada, exigirão um certo dom teatral dos pais, mas são divertidos e estimulam a imaginação infantil. 

8) Use os materiais que você já tem para criar novos

Caixas de sapato, de pasta de dente, rolinhos de papel higiênico viram brinquedo nas mãos da criança e podem ser até mais interessantes do ponto de vista educativo, pois exigem que ela trabalhe sua imaginação. Para os bebês, potes plásticos de cozinha viram jogos de encaixe. Roupas extravagantes dos pais, bolsas e acessórios também costumam distrair crianças de diversas faixas etárias. 

Vale inclusive explorar o ambiente todo de maneira mais ampla. “Construir uma cabana usando materiais de casa, como lençóis, almofadas, cadeiras, mesa, etc. e dormir ou brincar dentro dela criará momentos especiais”, ensina Dely Antunes, pedagoga e coordenadora da Educação Infantil do Colégio Qi, no Rio de Janeiro. 

Outra possibilidade é colocar tudo no chão da sala — lençóis, travesseiros, cobertores e outros objetos — e propor a criação de um novo mundo. A superfície da lua, o fundo do mar, a construção de túneis submarinos… Vale tudo! A partir dos dois anos a criança já começa a mergulhar no faz de conta.

 (JGI/Jamie Grill/Getty Images)

9) Explore a cidade 

Passar mais tempo na natureza é bom para os pequenos, mas difícil nas grandes cidades. Não precisa ser um grande parque ou espaço cheio de brinquedos. Crianças se divertem com pouco. Em uma pracinha pequena, por exemplo, há um universo de coisas que podem ser exploradas com eles: o formato das folhas, o cheiro da terra, o tamanho das árvores, que bichos vivem ali. 

Para tornar a aventura mais atraente, vá com lupa, lanterna e saquinhos para coleta de amostras. Ensine a criança a não matar nenhum bichinho, mas sim aproveitar as folhas. gravetos e flores que já caíram das árvores. Na volta para casa, os galhos podem virar brinquedo. 

10) Vá a passeios culturais 

Existem muitos deles voltados às crianças nas férias, nos shoppings, bibliotecas públicas, Sescs, museus interativos e outros espaços. Mesmo os museus mais tradicionais já podem começar a fazer parte da vida na primeira infância, respeitando o tempo delas, é claro. O adulto pode até não se divertir tanto, pois o passeio será bem mais rápido, mas essas idas funcionam como uma espécie de treino de apreciação para quando a criança for mais velha e aí sim aproveitar 100% do passeio. 

11) Promova uma caça ao tesouro 

Dá para fazer com a criança sozinha ou em turma. Espalhe pistas pela casa ou promova pequenos desafios em troca delas e use como tesouro de preferência uma experiência, como uma ida ao cinema ou um passeio a escolha da criança. 

12) Cinema em casa 

O clássico dos clássicos programas caseiros. Para que ele ganhe uma aura mais especial, participe do momento, prepare um ambiente bem confortável, faça pipoca e crie suspense quanto ao filme escolhido. Para os mais velhos, dá para fazer maratonas temáticas – filmes de Natal, filmes de herói, uma saga específica. Chame convidados e dê o play! 

13) Resgate as brincadeiras da sua infância 

O repertório acabou? Coloque a memória para funcionar. Do que você gostava de brincar quando era criança? Reizinho mandou, gato mia, polícia e ladrão, casinha, corre-cotia… Os filhos se divertem vendo os pais despertando o lado infantil, e as opções são praticamente infinitas. O Ministério da Cidadania lançou esse ano uma cartilha com jogos e brincadeiras populares no Brasil, que pode ajudar a despertar sua memória.  

14) Faça um piquenique 

Outra dica do passado que tem tudo para ser um sucesso. Nos dias mais tranquilo e de tempo bom, de folga ou final de semana, vá até uma área rural ou parque na própria cidade e faça um piquenique com direito a toalha, os quitutes favoritos, descanso sob a grama e contato com a natureza. 

15) Monte um álbum da família

Em época de armazenamento praticamente infinito na nuvem e nas redes sociais, nem sempre revelamos as fotos de família. As férias são um ótimo momento para fazer isso. “Revele as fotos mais recentes, compre álbuns simples e reúna a criançada para ajudar na montagem”, sugere a fotógrafa carioca Amanda Alexandre. É possível decorar ainda o álbum, usar técnicas de scrapbook, fazer colagens e soltar a criatividade.

16) Faça uma árvore genealógica

Falando em fotografias, que tal selecionar algumas fotos e montar uma árvore genealógica da família com os pequenos. Selecione fotos dos avós, bisavós, tios e primos e organize contando a história e lembrando momentos com cada um. No fim, dá até para emoldurar a árvore em um quadro.

 (Amanda Alexandre/Divulgação)

17) Brinque de ensaio fotográfico. E não esqueçam dos figurinos!

“Hoje em dia os celulares têm câmeras de boa qualidade, então por que não aproveitar o recurso para fazer um ensaio fotográfico?”, comenta Amanda. Uma criança pode tirar a foto e outra fazer poses divertidas. Dá para pensar em ensaios temáticos (fundo do mar, super heróis, desenhos animados, cantores) ou separar acessórios coloridos, fantasias, peças de roupa chamativas. Para dar um ar mais “profissional”, coloque um lençol ou tecido de fundo e inclua objetos no cenário.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s