Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Beleza

Tingir os cabelos durante a gestação

Maria Luiza Lara Atualizado em 07.08.2013
Tingir os cabelos durante a gestação

Getty Images

Esta é uma das questões que mais gera dúvida entre as gestantes. Leia o que os médicos dizem sobre os tratamentos nos cabelos - da tintura ao alisamento

1. A mulher pode tingir o cabelo na gravidez?

Ainda não existe nenhum estudo que mostre a segurança do uso das tinturas durante a gestação. Por causa disso, os médicos recomendam que as grávidas não façam uso desse produto, pelo menos no primeiro trimestre. "Essa é a fase em que o feto está em pleno desenvolvimento inicial", pondera Jonathas Soares, ginecologista e diretor do Projeto Beta de Reprodução Humana, em São Paulo. Boa parte das tinturas contém amônia, uma substância tóxica para o bebê.

 

2. E o uso de hena, tonalizantes e descolorantes?

Tonalizantes e hena não contêm amônia e, por isso, estão liberados desde que seu uso não seja muito frequente. "Se a grávida quiser fazer mudanças que envolvam descolorantes, além de esperar os primeiros três meses, o ideal é usar o produto o mais longe possível da raiz do cabelo, como as mechas californianas, que estão na moda", diz Jonathas Soares.

 

3. A gestante pode apresentar reações aos produtos usados para tingir os fios mesmo sem nunca ter tido antes?

Sim. O sistema imune feminino fica mais suscetível às reações alérgicas na gestação e quem nunca as teve pode apresentá-las durante os nove meses. "Existe a maior incidência de urticárias nessa fase", atesta Gabriela Casabona, dermatologista do Hospital Samaritano de São Paulo. Mulheres que já são alérgicas, têm sinusite ou asma, por exemplo, podem ter reações ainda mais intensas na gravidez. "Esses processos alérgicos exigem, muitas vezes, um tratamento medicamentoso mais severo. Isso pode trazer desconfortos e até mesmo riscos ao bebê", afirma Francisco Le Voci, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia - Regional São Paulo e professor de dermatologia e coordenador do Laboratório de Doenças de Cabelo e Couro Cabeludo da Faculdade de Medicina do ABC.

 

4 . Tudo bem fazer alisamentos como as escovas progressivas e definitivas?

Alisamentos entram na categoria de tratamentos perigosos por conterem o tioglicolato, uma substância tóxica e volátil, que, se absorvida ou aspirada, pode fazer mal ao bebê. Alguns desses tratamentos também podem conter o formol. "Esses produtos, além de proibidos pela Anvisa, são totalmente contraindicados. O ideal é que a mãe espere até o bebê nascer para fazer o procedimento", declara o ginecologista Jonathas Soares.

 

5. É permitido fazer permanente?

Os permanentes são vetados assim como os alisamentos. "Esses procedimentos são contraindicados por causa das alterações hormonais da gestação. A sensibilidade da mulher muda e respostas indesejáveis podem ocorrer", frisa o dermatologista Francisco Le Voci.

 

6. Quando a grávida faz esses tratamentos estéticos nos cabelos, há risco para o feto e para a mãe?

Para a dermatologista Gabriela Casabona o risco não é comprovado, mas as grávidas não devem arriscar.

 

7. É possível fazer hidratação, escova de queratina e outros métodos de hidratação mais profunda?

Sim. "As queratinas são produtos seguros, proteínas não tóxicas, assim como outros tipos de hidratação", diz a dermatologista Gabriela Casabona. Mas sempre com a ressalva de que, diante de qualquer sensibilidade alérgica, deve-se interromper o uso e, se necessário, buscar a orientação médica especializada. "Sem contar que experimentações nessa fase da vida não são bem-vindas", avisa o ginecologista Jonathas Soares.

 

8. E a escova e a chapinha estão liberadas?

Sim. Os fios na gestação ficam, inclusive, mais hidratados e, normalmente, o cabelo, mais liso.

 

9. Tudo bem usar spray fixador e gel para penteados?

Sim, sem problema. Com ressalva quanto ao uso exagerado e frequente do spray e do gel com álcool e silicone.

 

NA AMAMENTAÇÃO

10. A mulher pode pintar o cabelo, alisar e fazer tratamentos enquanto está amamentando?

Na fase da amamentação, a utilização desses produtos é visto com menos alarde. "Mas eles não podem conter amônia, metais pesados, como o chumbo, e hidroquinona", aconselha Fátima Rodrigues Fernandes, pediatra do Hospital Infantil Sabará, em São Paulo. Como há o risco de intoxicação do bebê, o uso deve ser criterioso. Uma sugestão é optar pela hena, que é natural. A pediatra recomenda ainda que os tratamentos para alisar os fios sejam feitos após o período de amamentação.

 

11. Quando se fazem tratamentos para alisar os fios, há o risco de contaminação do leite?

O formol deve passar longe das madeixas da mulher que amamenta, pois não se conhecem ao certo a absorção e os efeitos em uma criança pequena, tampouco sua transmissão pelo leite. Como não há a comprovação científica, o ideal é evitar. "Contraindicamos a escova progressiva e outros métodos sempre pelo cuidado de ainda poder ocorrer reações alérgicas. Se isso ocorrer, a mãe precisará fazer o uso de medicamentos e isso também pode interferir na amamentação", avisa o dermatologista Francisco Le Voci.

 

12. O uso de tintas e químicas pode interferir na produção do leite?

Não. A produção e a liberação de leite estão relacionadas com outros fatores, como o estresse, a falta de sono e o uso de algumas medicações específicas.

 

13. As escovas de queratina e outros métodos de hidratação mais profunda estão liberadas?

Sim. Não há diferença no cuidado com os fios nessa fase.

 

14. E quanto às escovas tradicionais e chapinhas?

É um ato mecânico e não interfere em nada. No máximo, a prática muito frequente pode acelerar a queda do cabelo, que já é esperada no período da amamentação.

 

15. Enquanto estiver amamentando, a mulher pode usar spray, gel e finalizadores?

"O spray não é indicado. Já com o gel, o ideal é que seja sem álcool ou silicone", aconselha a pediatra Fátima Rodrigues Fernandes. De qualquer maneira, na dúvida, vale conversar com o médico.


Rede MdeMulher
Publicidade