Segundo denúncia, recém-nascidos dormem em caixas de papelão na Venezuela

Falta de recursos em hospital venezuelano é denunciada e choca a comunidade internacional.

Por Carla Leonardi (colaboradora) Atualizado em 28 out 2016, 05h08 - Publicado em 23 set 2016, 10h41

Quando se pensa em bebês nascendo em ambiente hospitalar, é quase automático associar a imagem à ideia de limpeza e assepsia – pelo menos, é isso que se espera, já que os pequeninos estão com o sistema imunológico em formação e precisam de todo o cuidado após o parto. Mas apesar de não ser novidade a existência de instituições que contrariam essa ordem, mostrando-se pouco preparadas e equipadas para atender seus pacientes, um caso tem chamado a atenção do mundo: um hospital da Venezuela estaria acomodando seus recém-nascidos em caixas de papelão.

As fotos são supostamente do Hospital Domingos Guzmán, localizado em Barcelona, no Estado de Anzoátegui, e teriam sido tiradas por um funcionário que está revoltado com a situação e quis denunciar o problema. Já a divulgação dos registros ficou por conta da Mesa da Unidade Democrática (MUD), aliança de oposição ao presidente Nicolás Maduro, mas não se sabe se eles são autênticos e nem quando foram feitos.

Em resposta, Carlos Rotondaro, diretor do Seguro Social venezuelano, afirmou que abrirá uma investigação para averiguar o caso. Diante da repercussão, a própria instituição compartilhou no Twitter uma foto em que mostra imagens do serviço de neonatologia do hospital.

Passando por uma severa crise econômica, a Venezuela já virou notícia anteriormente com denúncias sobre a precariedade de remédios e, em maio deste ano, a morte de duas crianças causada por falta de medicamentos comoveu a comunidade internacional. De acordo com Douglas León, presidente da Federação Médica venezuelana, os centros médicos estão funcionando só com 5% dos materiais necessários e, para agravar a situação, milhares de médicos já deixaram o país. Ainda assim, Maduro contraria a oposição ao negar que a Venezuela esteja enfrentando problemas no setor de saúde.

Continua após a publicidade

Publicidade