6 mães que falam sobre o corpo no pós-parto nas redes sociais

Amor próprio, aceitação, sororidade, empoderamento... Veja as reflexões e as mensagens que essas mulheres trazem.

Por Luísa Massa Atualizado em 8 Maio 2018, 18h57 - Publicado em 8 Maio 2018, 16h28

Gerar, abrigar por nove meses e dar à luz uma criança não é uma tarefa simples. A gravidez é um período transformador e cheio de mudanças: ao mesmo tempo em que a sua mente se prepara para a chegada de um bebê, o corpo também passa por adaptações – os seios crescem, a barriga estica e os quadris ficam mais largos.

Ao olhar no espelho depois do parto, muitas mães se sentem incomodadas com o que veem. Já outras encaram as modificações de maneira positiva e enxergam as estrias, a flacidez e as cicatrizes como marcas que trouxeram seus maiores presentes ao mundo. Há, ainda, aquelas que estão construindo a questão e passando por uma fase de questionamentos e aceitação.

A boa notícia é que é possível encontrar nas redes sociais mulheres que debatem o assunto ao compartilhar fotos dos seus corpos com desabafos sinceros. Fizemos uma seleção de seis mães que falam abertamente sobre isso e não deixam de reforçar que cada uma de nós é linda à sua maneira. Confira a lista e se inspire!

1. Elaine Violini

View this post on Instagram

Teve barriga, celulites e flacidez a mostra, sem medo de ser feliz! (E o BB no joelho continua)😂😂 . #Textão para conversarmos um pouco sobre autocuidado x padrão. . Sempre que compartilho momentos que estou praticando atividade física, surgem algumas perguntas relacionadas à perda de peso/estética/volta do corpo depois do parto. . Gosto e prático atividade pela saúde. Não é clichê, sou formada em Educação Física e sempre pratiquei esportes. Já tive fase, sim, em querer ter quadris e pernas mais finas. Já tem alguns anos que aceitei meu corpo do jeito que ele é, inclusive nos pós partos. Tudo no seu tempo! . Mas, o fato de me aceitar no corpo que estou, não me impede de fazer exercícios e me alimentar bem – (ao menos tentar). Pelo contrário, quanto mais a gente se cuida, mais a gente se aceite e vice-versa! . Quero emagrecer os kilos extras? Quero sim! Tenho um guarda roupa me esperando, sinto meu corpo mais leve para me movimentar nas atividades do dia e a cada kilo que vai embora, as costas agradecem! A pele, cabelo e unhas ficam mais saudáveis, intestino funciona direito e a mente não pira! . O segredo para não me perder, ou melhor, adoecer nas tentações da mídia, é olhar para o meu corpo e entender que não existe um único padrão de beleza. . Hoje minha história, meu corpo tem uma musculatura mais flácida, os seios um pouco mais caídos, mas com três histórias lindas, marcadas para o resto da minha vida. . Na minha opinião, não existe mal algum em se cuidar e querer melhorar a parte estética. Pelo contrário! Desde que exista equilíbrio e SAÚDE! . Então, se me permitir, leve essa sugestão para sua vida: Ame- se do jeito que você é, CUIDE de você, seja gentil, se coloque na agenda, vá em busca da sua melhor versão. Não se compare e nem queira ser aquilo que é impossível mudar! Você é linda. ACREDITE! . Podemos ser vaidosas, lindas, cheirosas, usar biquínis, amar e ser amada independente dos dígitos da balança. #PõeOBiquiniESeJoga . p.s. como sempre perguntam, não tenho nenhuma plástica. Ainda não penso em fazer. To feliz com o que vejo no espelho! 😊 #SemFiltro #ComCoragem #TodaBelezaPodeSer

A post shared by Elaine Violini (@elaineviolini) on

Elaine é mãe de 3 crianças: Valentina, de 4 anos, Luigi, de 2 anos, e Vittorio, de 5 meses. Nas redes sociais, ela compartilha dicas de maternidade, mostra a rotina com os filhos e também fala sobre as mudanças do corpo depois do parto. A prática de exercícios físicos, a autoaceitação, o orgulho das marcas que vieram com a gravidez… Tudo isso faz parte das postagens dela. “Ame-se do jeito que você é. Isso vai lhe ajudar a cuidar de si própria e dar um novo olhar para quem você deveria colocar em primeiro lugar na listinha do amor: você mesma”, afirmou Elaine. Recado dado!

  • 2. The Fort in Trio

    View this post on Instagram

    I love this quote. I once was her, the "one," waiting, wishing, hoping to be a Mother. Finding out I was finally going to be a Mom was one most incredible feelings. It didn't matter whether I was going to give birth naturally or have a cesarean (we are all rockstars btw). And it didn't matter that my body was going to change drastically. I was finally going to be a Mom, a Mom to triplets! And although I never imagined my body would look the way it does now, it represents so much more. There is a lot of extra skin, stretch marks, sag and wrinkles. And while my new Mom body may be hard to love sometimes, it is a new me that represents the power of the female body and the miracle of carrying three babies. I call my postpartum marks my "Hope wounds" and they have taught me a greater meaning of self-love and appreciation for my body. There is empowerment for yourself in loving yourself. Our postpartum marks are stories of hope, stories of love, and sometimes stories of loss. There is so much beauty in our Mom bodies because above all they represent life, our children, and the undeniable love we have for them. For the "one"somewhere wishing, hoping, praying for her miracle, this is for you. May you have hope in your journey and be reminded that you are never alone. And to all the Mama's struggling to love themselves: you're beautiful, strong, and may you be empowered to love yourself a little more today!! Letter board: @rivi.co Tee: @weestructed

    A post shared by Desiree Fortin (@theperfectmom) on

    “Para cada mulher infeliz com as marcas do pós-parto, há alguém desejando tê-las”. Forte essa citação, não é mesmo? Quando descobriu que estava esperando trigêmeos depois de um diagnóstico de infertilidade, Desiree Fortin ficou extremamente feliz e inicialmente não se importou com as mudanças do seu corpo. E é justamente essa questão que ela aborda ao postar fotos da barriga e compartilhar reflexões que reforçam o amor próprio. “Nossas marcas pós-parto são histórias de esperança, histórias de amor e, às vezes, histórias de perda. Há tanta beleza nos nossos corpos de mãe porque, acima de tudo, eles representam a vida, nossos filhos e o amor inegável que temos por eles”, escreveu em uma publicação.

    3. Carolinie Figueiredo

    View this post on Instagram

    Você é linda só precisa dar uma secada. Seu rosto é tão bonito porque não emagrece? Você tem tanto talento fecha a boca que vai longe! Ontem fiz as contas, são mais de 15 anos escutando essas frases "motivadoras". Dentro de casa, na família, no trabalho, na casa dos amigos, no elevador, na padaria… Como seria se todas as mulheres se aceitassem como são? Estamos trilhando esse caminho mas isso ainda é distante da realidade. Sabe porque? Porque controlar o corpo da mulher é uma arma poderosa pro consumo, e também pra repressão. Dizer que ela é imperfeita, que "ela precisa se esforçar" em troca da aceitação vende todo tipo de coisa: de cinta a depressivos. Quando eu tive um corpo mais maravilhoso ("agora sim tomou juízo") eu tomava anfetamina (aos 15 e aos 21). O maior ápice de elogios. Somente após parir no banheiro de surpresa que tomei meu corpo pela primeira vez. Ali percebi o poder, a força de ser quem se é sem precisar agradar. Mulheres inseguras, carentes, que rejeitam o próprio corpo, isso vende: revistas, roupas, dietas… Imagina a revolução de se aceitar como é. E uma coisa é escrever texto bonito de empoderamento nas redes sociais, outra é assumir o biquíni e as estrias e correr atrás das crianças na areia sem precisar me cobrir por medo ou vergonha do que vão pensar de mim. Há 15 anos peço desculpas pelo meu corpo, minha imperfeição, por não me enquadrar. Há 15 anos rejeitando aquilo que é a única coisa que ficará comigo até meu último dia: meu corpo. Toma teu corpo como se fosse seu, movimenta teu corpo como se soubesse o que é a liberdade de ser quem se é no aqui e agora. É pra tatuar na alma tipo mantra mesmo. Digo isso pras mulheres que encontro porque estou dizendo profundo pra mim. Desde pequena metralhada por padrões de beleza que não me contemplam, que não representam meu corpo ou minha beleza. Agradando compulsivamente pra me sentir aceita pro outro. Metralhada por corpos objetificados pra servir o prazer do outro. Tomo meu corpo como se ele me pertencesse. E danço. Pra mim. Oferecendo liberdade. Pra todas nós! #tbt. Foto @_mariana.aquino_ #cantodamulherquecanta

    A post shared by Carolinie Figueiredo (@carolinie_figueiredo) on

    Continua após a publicidade

    Nas redes sociais, a atriz e mãe dos pequenos Theo e Bruna fala sobre os padrões de beleza que a sociedade impõe desde cedo para as mulheres. Ela também conta que a sua relação com o corpo mudou completamente depois que pariu pela primeira vez. “Toma teu corpo como se fosse seu, movimenta teu corpo como se soubesse o que é a liberdade de ser quem se é no aqui e agora. É pra tatuar na alma tipo mantra mesmo”, reforça Carolinie.

  • 4. Meu Jeitinho de Mãe

    View this post on Instagram

    SENDO SINCERA COM VOCÊS ! A gravidez me deixou marcas. Marcas que olho todos os dias no espelho.. Marcas de cada chute do meu bebê. Marcas de ouvir as batidas do seu coraçãozinho… Marcas da fase mais linda que já vivi. Marcas que tenho, e teria outras vezes, se fosse para viver tudo aquilo outra vez.. MAS preciso ser sincera não é? Não sou nada fã dessas marcas, e é bem difícil falar sobre isso porque a gente vê tantas pessoas levantando a bandeira que não ligam para as marcas deixadas pela gravidez. Mas não faço comparações. O lance aqui tem a ver comigo.. E não nego que assim que o Pedro nasceu fui procurar ajuda de uma dermato para melhorar as estrias, sei que talvez elas não sumam, e tudo bem.. mas quero tentar. Assim como tentei por quase 38 semanas que elas não aparecessem.. sim! Mas não digam que foi desleixo, eu tomei os maiores cuidados durante a gravidez. E até tentei evitar alguns alimentos, pesquisava o que poderia me fazer mal (esteticamente) e tive uma barriga linda e lisinha até o penúltimo mês… Mas depois disso, não teve como escapar! Elas apareceram! Não vou ser mentirosa e dizer que amo ter estrias. Mas o fato de não gostar das marquinhas deixadas pela gestação nada tem a ver com o amor que tenho por meu filho! Aplaudir quem exalta as imperfeições é muito legal e bonito, mas aplaudir quem assume o que pensa a respeito de si também é! . . Texto: Andressa De Oliveira 🌸 📸Inspirada no: @thamaedoben #boanoitebabya

    A post shared by 𝑨𝒏𝒅𝒓𝒆𝒔𝒔𝒂 𝑫𝒆 𝑶𝒍𝒊𝒗𝒆𝒊𝒓𝒂 🌻 (@meujeitinhomae) on

    Mãe do Pedro, de 8 meses, Andressa De Oliveira também trouxe a discussão do corpo no pós-parto para as suas redes sociais. Assim como acontece com a maioria das mulheres, a gestação deixou marcas – como as estrias. Olhar no espelho e lidar com essas mudanças é algo que, para ela, está sendo construído a cada dia. “Não vou ser mentirosa e dizer que amo ter estrias. Mas o fato de não gostar das marquinhas deixadas pela gestação nada tem a ver com o amor que tenho por meu filho! Aplaudir quem exalta as imperfeições é muito legal e bonito, mas aplaudir quem assume o que pensa a respeito de si também é”, opinou em uma postagem.

    5. The Manifesting Mamma

    Você já pensou em escrever uma carta para o seu corpo? Foi isso que Tori fez. Ao compartilhar fotos mostrando as mudanças da gestação, ela contou que se sentiu mal quando começou a ganhar peso ao longo dos nove meses e até chegou a ficar entusiasmada quando os enjoos apareceram e ela perdeu alguns quilos. Hoje, com o filhote nos braços, ela vê as coisas de maneira diferente e diz que sente muito por ter pensado assim. “Eu não era forte, mas sou forte agora. E eu prometo tratá-lo com gentileza, respeito e paciência porque você trabalhou muito para cultivar o meu presente mais precioso de vida”, comentou a mãe.

  • 6. Tha Mãe do Ben

    View this post on Instagram

    #tbt dessas fotos que me marcam e me emocionam muito . . Nesse momento to chorando (por dentro) é um misto de sentimentos sabe… a gravidez mudou muito meu corpo, achava que não teria estrias porque minha mãe tem 5 filhos e não tem uma estria no corpo e eu iludida achava que não ficaria também, mas tudo vai de genética. Não quero assustar ninguém quero motivar até pra quem vê, vê a revolução que teve durante 3 meses, clareou muito, não é pq eu tive que você terá também. To fazendo esse antes e depois que algumas de vocês pediram bastante, então fiz essa montagem. . . Meu filho é tudo, jamais trocaria meu corpo de antes e por ele. Uma vez publiquei uma Foto e uma menina comentou assim “se for pra ter filho e ficar assim nem quero ser mãe” … Acho que é melhor nem ser mesmo, amor de mãe vai muito além disso aqui ( a carcaça) lógico não to falando que você não ama seu filho por não gostar das suas estrias, eu não amo as minhas mas aceito, pois elas podem amenizar com tratamentos, e agora meu filho é único, é um presente desenhado por Deus. . . Jamais imaginaria ter estrias na barriga, pensei que não teria mesmo, pois adquirir todas praticamente depois da gestação (por isso umas me pergunta pq nas fotos grávida eu n tinha). Mas meu filho aqui é maior que tudo, passo o dia todo falando que amo ele e que ele é minha benção (nossas palavras tem poder então falem coisas bonitos para seus filhos) e é isso. Por enquanto não passo absolutamente nada mas quando começar eu falo pra vocês tudo! . . Minhas marcas que marcam momentos lindos da minha vida que jamais esquecerei! 💕

    A post shared by Thalia Rodrigues | São Paulo (@thaliarodriiguess) on

    “Minhas marcas que marcam momentos lindos da minha vida que jamais esquecerei”, comentou Thalia Rodrigues. Mãe do Benjamin, de 8 meses, ela passou a compartilhar fotos da barriga depois do parto – exibindo as estrias e a cicatriz da cesárea. Nas postagens, ela fala sobre o desafio de aceitar as mudanças que surgem, mas sempre lembrando que amor próprio é tudo.

    Continua após a publicidade
    Publicidade