Bebês com a cabeça maior tendem a ser mais inteligentes, diz estudo

Pesquisa britânica aponta que a circunferência craniana está relacionada ao sucesso no futuro.

Por Carla Leonardi (colaboradora) Atualizado em 28 out 2016, 02h41 - Publicado em 19 set 2016, 14h33

Se quando o seu bebê nasceu você achou que a cabeça dele era um pouquinho maior que o esperado, saiba que esse pode ser um bom sinal! De acordo com um novo estudo da UK Biobank, importante instituição de caridade e gestora de recursos voltados para a saúde no Reino Unido, pequenos cabeçudinhos tendem a ser mais espertos e a alcançar sucesso no futuro com mais facilidade.

A pesquisa que tem monitorado 500 mil britânicos pretende descobrir a ligação entre os genes, a saúde e o caminho que esses indivíduos trilham na vida. Por enquanto, os especialistas já encontraram uma forte ligação entre a inteligência e a circunferência da cabeça, bem como o volume cerebral. “Além das habilidades cognitivas estarem relacionadas à saúde física e mental, o estudo descobriu que elas compartilham informações genéticas também com o tamanho do cérebro, a forma do corpo e o sucesso escolar”, afirmou Ian Deary, professor da Universidade de Edimburgo, na Escócia, e líder do estudo.

O trabalho levou em conta indivíduos entre 37 e 73 anos que forneceram amostras de sangue, urina e saliva, bem como informações sobre suas origens e seu estilo de vida. Uma análise mais aprofundada dos dados coletados mostrou ainda que bebês nascidos com a cabeça maior têm uma tendência mais forte a alcançar uma formação acadêmica, assim como a apresentar uma pontuação mais significativa em testes de raciocínio numérico-verbais – verdadeiros crânios!

Embora a pesquisa tenha dado destaque ao tamanho da cabeça, os resultados apontaram também que indivíduos com bom estado de saúde tendem a ser mais inteligentes de um modo geral, indicando que cuidar do corpo é tão importante quanto da mente – o que deve ser estimulado desde a infância. 

Continua após a publicidade

Publicidade