Bebê nasce a partir de embrião congelado há quase 25 anos

Se tivesse nascido quando foi concebida, Emma teria quase a idade de sua mãe. Entenda melhor o caso e se surpreenda com as maravilhas da ciência!

O National Embryo Donation Center (NEDC), entidade norte-americana sem fins lucrativos, divulgou nesta quinta-feira, 21, o nascimento de Emma Gibson, que podemos chamar de “bebê mais antigo do mundo”.

A menina foi gerada a partir de um embrião congelado há quase 25 anos, em 1992, e descongelado em março de 2017 para crescer na barriga de sua mãe, Tina Gibson.

Segundo o anúncio da instituição responsável pelo feito, trata-se de um novo recorde: os cientistas acreditam que nenhum embrião viável resistiu por tanto tempo no gelo. Para se ter uma ideia, na época em que ele foi concebido em laboratório, sua futura mãe tinha apenas 1 ano e meio de vida.

Apesar das décadas passadas em temperaturas negativas, Emma nasceu saudável no último mês de novembro nos Estados Unidos, com mais de 3 quilos e 50 centímetros.

“Acho que ela parece bem perfeita para alguém que ficou congelada tanto tempo”, declarou o pai da menina, Benjamin, no comunicado à imprensa. Portador de fibrose cística, doença que prejudica a circulação de fluídos pelo corpo, ele descobriu que era infértil e, assim, o casal recorreu ao NEDC.

A instituição encoraja famílias que não desejam mais ter filhos, mas têm embriões congelados, a doarem os remanescentes a casais que não conseguem engravidar.

 (BBC/Reprodução)

Entenda melhor

Na técnica de fertilização in-vitro, são produzidos diversos embriões com os óvulos e os espermatozoides dos pais ou de doadores. O embrião nada mais é do que o óvulo fecundado em seus primeiros estágios de desenvolvimento. Um projeto de vida, digamos.

Eles são, então, conservados com técnicas de criopreservação, que exigem temperaturas muito baixas, para depois serem implementados no útero da mulher. É lá que crescerão e se tornarão, enfim, bebês.

Só que nem todos esses embriões são utilizados, caso deste que quase 25 anos depois viraria Emma. O NEDC estima que hajam entre 700 mil e um milhão de embriões armazenados atualmente apenas nos Estados Unidos. Nem todos tão antigos quanto esse!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s