Vídeo mostra atitudes desrespeitosas que temos com crianças no dia a dia

Ainda que possam parecer inofensivos, estes comportamentos podem ser invasivos e atropelar o que o pequeno está pensando, fazendo e sentindo.

Por Alice Arnoldi 21 out 2021, 15h08

A máxima de “não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você” parece distante quando estamos falando da educação infantil. Muitas vezes, ao tentar ajudá-las nas tarefas do dia a dia, colocamos em prática apenas o que julgamos ser melhor para os filhos a partir da perspectiva materna e paterna, sem ouvir o que os pequenos têm a dizer ou demonstrar. E é justamente por conta desta discussão de respeitar os menores sem atropelá-los em suas decisões, que a mãe, psicóloga e pedagoga Laura Rath produziu um vídeo que viralizou no Instagram.

Publicado no primeiro semestre de 2021, o vídeo sempre volta nas redes sociais e agora, deu o que falarr outra vez. Com inspiração em outro viral famoso, da mãe Alyssa (@wholehearted.home), o vídeo brasileiro mostra uma sequência de circunstâncias rotineiras em que Laura está exercendo o papel de mãe e o seu companheiro interpreta a criança.

A primeira cena que eles demonstram é a tentativa repentina de colocar uma blusa no filho, dizendo que está frio, mesmo ele discordando. A psicóloga também mostra o desconforto infantil de estar brincando com algo e, sem mais, nem menos, os pais afastarem a criança da diversão sem respeitar o que ela estava fazendo. Ou, então, quando os adultos a obrigam a comer toda comida, ignorando se a criança está ou não saciada.

Na legenda da publicação, Laura traz o questionamento central do vídeo: “Em qualquer outra relação, todas estas formas seriam consideradas intrusivas e desrespeitosas. Não deveria ser diferente com os nossos filhos!”, reflete a especialista.

View this post on Instagram

A post shared by Laura Rath (@conscienciaeafeto)

O respeito mora nos detalhes!

O debate não é para que pais deixem de auxiliar os filhos no dia a dia, mas incluí-los no processo para que as decisões não soem repentinas e muito menos invasivas. “Desde bebês, explique o que vai acontecer antes e dê um minutinho para processar a instrução. Se ainda for um bebê, mostre a sua intenção com gestos além da instrução falada”, orienta Laura em sua postagem.

Ela também sugere aos pais convidarem os pequenos para participar das tarefas, a fim de que eles possam dizer o que estão pensando, sentindo e dando alternativas para obrigações que eles não gostariam de fazer da forma que o adulto falou. “Tratadas assim desde muito pequenos, as crianças criam autonomia e poderão fazer sozinhas sem precisar do nosso controle o tempo inteiro, apenas do nosso incentivo!”, defende.

E por fim, mas não menos importante, não se esqueça que gentileza e respeito precisam ser duas características marcantes na criação dos filhos. São elas que garantem a construção de um indivíduo responsável por suas ações e que conseguirá repassar estes valores a outras pessoas no futuro.

Continua após a publicidade

Publicidade