Quarentena pode gerar estresse tóxico para pais e crianças, alerta SBP

Entidade preparou material com dicas para manter a saúde mental da família em dia durante o isolamento domiciliar. Rotina é fundamental.

Por Chloé Pinheiro Atualizado em 15 Maio 2020, 15h48 - Publicado em 8 abr 2020, 12h47

Em tempos de pandemia de Covid-19 (doença provocada pelo novo coronavírus), os longos períodos passados em casa, somados às incertezas sobre o futuro, podem ser prejudiciais para a saúde mental de pais e filhos. É o que destaca a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) em documento voltado às famílias e médicos. 

No texto, a entidade aponta os principais focos de tensão doméstica. Com a suspensão das aulas e o fato de os avós não poderem ajudar nos cuidados com os filhos, muitos pais precisam se revezar entre fazer home office, lidar com os afazeres da casa e cuidar das crianças em tempo integral. 

  • Essa bagunça na rotina se junta às preocupações financeiras, saídas restritas e lidar com a quantidade de informações que recebemos diariamente nas redes sociais. O estresse dos pais é sabidamente transmitido para os pequenos, e, em uma situação de pandemia, quando ele é elevado e diário, pode ser tóxico. 

    Efeitos do estresse tóxico para crianças 

    Eventos adversos geram a elevação de cortisol e adrenalina, dois hormônios relacionados ao estresse, nos pequenos. Apesar de comandar a resposta do corpo em uma situação de perigo, eles se tornam prejudiciais quando liberados em excesso. Entre as consequências, o risco de prejuízos no desenvolvimento cerebral da criança. 

    “A curto prazo, pode haver transtornos de sono, irritabilidade, piora da imunidade e medos. Em médio e longo prazo, atrasos no desenvolvimento, transtorno de ansiedade, depressão, queda no rendimento escolar e estilo de vida pouco saudável”, escrevem os autores no documento. 

  •  

    Como manter a saúde mental da família em tempos de quarentena

    Felizmente, o estresse tóxico pode ser prevenido mesmo em uma situação desfavorável. Com medidas simples, a família toda pode lidar melhor com a situação. Veja algumas dicas da SBP: 

    • Realizar momentos de diálogo para discutir as atividades prioritárias do dia a dia, necessidades básicas da casa, divisão de tarefas e obrigações. Organizar o horário de trabalho dos pais para divisão dos afazeres. 
    • Conversar com os filhos sobre a situação, com linguagem simples e adequada para cada idade da criança. Forneça as orientações de forma tranquila, para não estimular sentimentos de medo e ansiedade. 
    • Dê abertura para que eles possam expressar seus sentimentos e dúvidas. 
    • Planeje a agenda dos mais velhos junto com eles, procurando organizar horários equilibrados para brincadeira, atividade física, sono e tempo de tela. Não esqueça de intervalos de ócio para que a criança decida sozinha o que fazer. 
    • Manter a rotina de alimentação e ingestão líquidos adequada para cada idade. 
    • Realizar atividades no quintal, na varanda ou locais mais arejados da casa ou apartamento. 
    • Definir horários para uso saudável de telas, evitando ultrapassar os limites sempre que possível. Usar a tecnologia também para fazer videoconferências com os avós, pois vê-los em boa saúde pode tranquilizar as crianças. 
    • Inserir a criança na rotina de tarefas domésticas de acordo com a idade. 
    • Conversar com o filho para que respeite os momentos em que o adulto precisa trabalhar. Uma dica é tentar sincronizar esses períodos de maior concentração com atividades mais tranquilas para os pequenos, como uma sessão de filmes. 
    • Reservar um momento para ver as notícias sozinhos, sem expor a crianças a conteúdos inadequados. Os pais devem repassar os conteúdos necessários a eles em linguagem adequada. 
    • Incluir na agenda pausas durante o dia para que a família esteja unida de forma alegre e prazerosa. 
    • Seja você o modelo de comportamento que espera dos filhos. Ou seja, evite ficar horas grudado no celular, demonstre como lidar com a situação com equilíbrio e mantenha a calma. 
    • Deixe claro que é o momento não é de férias, mas uma situação transitória, que está alterando a rotina.

      Juliana Pereira/Bebê.com.br
    Continua após a publicidade
    Publicidade