Número de casos suspeitos de microcefalia no Brasil é 20 vezes maior do que em 2014

Entre 2010 e 2014, o país vinha registrando uma média de 156 casos ao ano da doença.

O último boletim epidemiológico do ano sobre microcefalia, divulgado nesta terça-feira, 29, pelo Ministério da Saúde (MS), apontou 2.975 suspeitas da doença, distribuídas em 656 municípios de 20 unidades da federação. Os dados compilados até o dia 26 de dezembro representam um número 20 vezes maior do que o registrado em 2014, que foi de 147 casos.

A maior quantidade de notificações se mantém no Estado de Pernambuco, onde foram registrados 1.153 casos, ou seja, 38,76% de todo o país. Em seguida, estão os Estados da Paraíba (476), Bahia (271), Rio Grande do Norte (154), Sergipe (146), Ceará (134), Alagoas (129), Maranhão (94) e Piauí (51). Em relação ao balanço anterior, divulgado no dia 22, os locais que apresentaram queda foram os Estados de Tocantins, Minas Gerais e Mato Grosso.

Vale lembrar que, desde o mês de novembro, o MS declarou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para dar maior agilidade às investigações relacionadas à infecção pelo vírus zika. Além disso, o governo tem anunciado medidas para conter o surto que assusta o país. Entre elas está o Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia, anunciado no dia 5, pela presidente Dilma Rousseff. A iniciativa foi tomada com três grandes objetivos: combater o Aedes aegypti, transmissor também da dengue e de chikungunya; prestar atendimento às gestantes e aos bebês com a malformação cerebral; e investir em desenvolvimento tecnológico, educação e pesquisa.

O governo também tem reforçado a importância de se eliminar possíveis criadouros do mosquito, especialmente nesta época do ano, em que há maior calor e as chuvas são constantes. Para as gestantes, a orientação é que elas se protejam, mantendo portas e janelas fechadas ou teladas, além de aplicar repelentes permitidos durante a gravidez e fazer uso de calça e camisa de manga comprida. Por fim, é essencial que elas façam o acompanhamento do pré-natal, com a realização de todos os exames recomendados pelo obstetra.

 

A infecção pelo vírus Zika é uma doença nova no Brasil e o seu vetor, o mosquito Aedes aegypti, está presente em todo o…

Posted by Ministério da Saúde on Quinta, 17 de dezembro de 2015

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s