Estudo descobre novos benefícios em dar colo ao bebê

Segundo o trabalho, o contato físico entre cuidadores e recém-nascidos influencia positivamente no DNA da criança e, consequentemente, na sua vida futura.

Pesquisadores da Universidade de British Columbia, no Canadá, recentemente demonstraram na prática como o toque (ou a falta dele) influencia no DNA da criança. Esse é o primeiro estudo a mostrar a relação entre contato físico e saúde em nível molecular, o que só reforça a importância da prática.

Para chegar à conclusão, o grupo avaliou 94 bebês com cinco semanas de vida e pediu para os pais manterem um diário sobre o comportamento deles e a quantidade de tempo que passavam no colo. Depois, quando os pequenos chegaram aos quatro anos de idade, amostras de DNA foram recolhidas de suas bochechas.

Os cientistas notaram que havia diferenças entre as crianças que receberam mais colo e as que não em cinco áreas do DNA, em especial em genes envolvidos no metabolismo e no sistema imunológico. As mudanças ocorreram na metilação do DNA, processo que se dá logo cedo na vida e determina como os genes se expressarão pelas próximas décadas.

Programação para a vida

Trocando em miúdos, a metilação é uma espécie de interruptor para o gene, que depois regulará o funcionamento de diversas células. E a ciência tem descoberto nos últimos anos que diversos fatores ambientais e sociais interferem desde o parto na expressão de genes ligados ao comportamento, desenvolvimento cerebral, ganho de peso e por aí vai.

No caso das crianças que passaram os primeiros meses pós-nascimento mais angustiadas e com menos tempo de contato físico, era como se a idade genética estivesse atrasada em relação aos demais. Embora não dê para dizer que a falta de colo causa doenças, essa diferença na ativação dos genes já havia sido relacionada com um organismo mais fraco em outros trabalhos, segundo os autores.

“O próximo passo é avaliar se a ‘imaturidade biológica’ que observamos nessas crianças implica em problemas de saúde especialmente no desenvolvimento psicológico delas”, explicou em comunicado à imprensa a pesquisadora Sarah Moore, autora principal do trabalho.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s