Autismo em meninas: um universo a ser desvendado

Elas podem sofrer mais que os meninos no dia a dia, problema contornado com estímulos diários e terapias complementares, mas diagnóstico ainda é desafio.

Uma menina é diagnosticada com autismo para cada quatro meninos. Só que, recentemente, estudos mostraram que essa proporção pode ser um pouco menor. “Ele continua sendo mais comum nos meninos, mas descobrimos que elas podem, desde cedo, mascarar os sintomas quando estão no consultório médico e na convivência diária, o que atrapalha o diagnóstico”, explica Allison Ratto, neuropsicóloga do Sistema Nacional de Saúde da Criança (CNHS, na sigla em inglês), dos Estados Unidos.

Allison é autora de um dos trabalhos que observou essa diferença, que se explica, em parte, por uma maior habilidade social natural e um aparente fator protetor do sexo feminino. “O cérebro das meninas é conectado de uma maneira diferente, mas também sabemos que a sociedade também espera coisas diferentes delas, o que impacta no comportamento”, comenta Allison.

Por isso, o autismo flagrado nelas até pouco tempo atrás era quase sempre mais grave, associado a problemas como a epilepsia e a hiperatividade. Só que há manifestações mais leves, que afetam o cotidiano, e podem até ser  confundidas com timidez ou problemas de adaptação, cenário que felizmente está mudando. Um dos exemplos disso é a história de Laura, hoje com quase 4 anos, filha de Aline Vicente, 32, do Instagram Dia a Dia de Mamãe.

“A princípio, parecia que tínhamos a atenção dela, mas, por volta de um ano e oito meses, percebemos que havia algo diferente”, explica Aline. “Ela ainda não falava e não fazia gracinhas como as outras crianças”, continua a mãe, que levou a menina a um neurologista, que descartou a possibilidade de ser autismo, e a uma fonoaudióloga, que disse que o problema era falta de estímulo.

O diagnóstico veio um ano depois, quando Laura tinha já quase três anos. Mesmo antes disso, graças a um aviso da escolinha sobre o comportamento da pequena e às mensagens que Aline recebia em seu Instagram alertando para a possibilidade de autismo, a mãe já começou a buscar maneiras de incentivar seu desenvolvimento.

“Agora ela está ótima, fala, tem intenção de socializar, troca-se sozinha e aprende aos poucos a fazer as atividades da vida diária”, explica. “Se não tivesse começado cedo as intervenções, com certeza ela não estaria como está hoje”, completa. De fato, os estímulos fazem a diferença para o crescimento de quem tem qualquer grau do Transtorno do Espectro Autista (TEA) – o de Laura é leve, considerado de alto funcionamento.

View this post on Instagram

Laura ainda faz muita ecolalia e a maioria delas tardia, eu penso que a memória/comunicação da Laura funcionam por imagens, ela vê a figura na cabeça e então repete tudo que remete aquele evento ou imagem… Hoje ela disse, “mamãe vamos pra Disney amanhã?” E em seguida ela fez uma pergunta para ela mesma, depois respondeu e então comentou vários fatos, tudo sozinha, sem nem olhar pra mim.. todos os comentários e diálogos foram feitos em algum momento enquanto estávamos na Disney… Eu redireciono e ela volta a conversar comigo, acho interessante o modo que ela faz as conexões e como é capaz de lembrar de detalhes que passam totalmente despercebido pra mim… Um dia quero muito entender a cabecinha dela, por enquanto eu tento ajudá-la da melhor forma, tentando sempre fazer o melhor… obs: hoje ela deve estar super cansada, foram praticamente 8h de terapia… 4h na escola e mais 4h em casa! #austimo #ecolalia #docelaurinha

A post shared by Aline Vicente (@diaadiademamae) on

Só que esse benefício depende do diagnóstico precoce, de preferência antes dos 3 anos de idade. “Quando isso ocorre, há maior chance de desenvolver a potencialidade. Não significa que ela terá um quadro leve, mas tem mais chances de uma criança que tem autismo moderado ir para leve ou de grave para moderado e assim por diante”, explica Mirian Revers, psiquiatra do Programa de Transtorno do Espectro Autista (Protea), da Universidade de São Paulo. É neste campo que ainda falta avançar.

A dificuldade no diagnóstico precoce

Em fevereiro, pesquisadores da Universidade de Warwick, na Inglaterra, anunciaram um teste de urina e sangue capaz de identificar casos de autismo com uma eficácia de até 92%. O exame avalia os danos causados por processos conhecidos como oxidação e glicação em algumas proteínas, que parecem ser mais elevados no autista, e foi testado em crianças com idades entre 5 e 12 anos.

Outros trabalhos de 2017 buscaram identificar alterações no cérebro do bebê autista enquanto os sintomas ainda estão imperceptíveis. Só que ainda não está claro se essas alterações químicas e neurológicas seriam o suficiente para revelar o transtorno ou antecipar as crianças que têm mais chance de sofrer com ele, até mesmo porque o autismo é um distúrbio que pode ter origens diferentes e se manifesta de maneiras que variam muito. “A ciência busca marcadores que identifiquem o autismo, mas por enquanto o diagnóstico é feito com base no comportamento”, explica Clay Brites, neuropediatra do Instituto NeuroSaber, em Londrina.

“Mas o maior desafio hoje ainda é treinar o olhar dos profissionais que acompanham a criança, como pediatras e professores, porque os pais muitas vezes notam o comportamento estranho e escutam que é preciso esperar o tempo da criança”, comenta a médica da USP. “Há marcos no desenvolvimento que devem ser respeitados, por exemplo, o fato de não falar nenhuma palavra com 18 meses”, exemplifica.

A desconfiança surge com o crescimento do baixinho e o TEA pode variar para além das classificações entre leve, moderado e grave. O que ajuda, aliás, a explicar porque as meninas demoram mais para serem diagnosticadas e podem até sofrer mais com o quadro.

De olho nos sinais sutis

Em geral, os sintomas são similares entre os gêneros, especialmente no começo da vida. Além da falta de contato visual, um dos mais chamativos é o atraso para começar a falar. Outro relato comum dos pais é a falta de atenção compartilhada, quando o pequeno não divide com os pais as coisas de seu interesse.

“Ela me puxava pela mão até algo que quisesse, como água, ao invés de apontar, e com 14 meses não falava nem balbuciava”, conta Bianca Farias Bittencourt, 38 anos, mãe de Isabella, diagnosticada com TEA em grau leve aos 18 meses, uma raridade. “Hoje ela interage relativamente bem, parece uma criança tímida”, comenta.

E como separar autismo leve de timidez nas meninas, se uma coisa é tão parecida com a outra? “A criança tímida sabe o que deve fazer e como reagir ao estado emocional das pessoas, mas não consegue, enquanto o autista não tem essa percepção”, diferencia Mirian. Essas pequenas nuances são fundamentais para flagrar o autismo nas garotas.

“Elas apresentam menos dos sintomas que chamamos de externalizantes, como raiva, agressividade e comportamentos estereotipados, então o diagnóstico é mais sutil”, aponta Mirian. Por isso, a recomendação é, se houver a suspeita, já buscar ajuda e intervenções precoces mesmo antes de fechar o diagnóstico.

View this post on Instagram

💙Tentei, mas o sol não deixou que ela abrisse os olhos pra pose.☺️ Muitas mães tem me perguntado sobre o que me levou a procurar ajuda e descobrir o autismo na Bebella, quais foram os sinais e tudo. Nunca contei aqui num post, então aqui vai.👉🏻Quando Bebella completou 14m mudamo-nos para a Flórida por motivos de trabalho. Isabella nasceu no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, e lá mesmo era seu pediatra, um médico bastante experiente. Até os seus 14m todas as consultas foram feitas e nada de anormal chamou minha atenção, mesmo porque eu era uma mãe inexperiente que morava longe da família e sem amigos algum em São Paulo. Seu pediatra nunca mencionou absolutamente nada para mim, e na consulta final, disse me que viesse tranquila porque ela estava ótima. Duas semanas após chegarmos aqui, por volta de 20 dias da última consulta com o pediatra brasileiro, levamos Bebella a um pediatra aqui, já que ela era um bebê e precisávamos ter alguém de confiança aqui imediatamente, caso houvesse alguma urgência. Já nesta consulta o pediatra americano notou ausência de palavras, ela falava apenas Mamã, e não com tanta frequência. Indicou nos a uma avaliação multidisciplinar, feita pelo condado onde moro de graça. Segundo ele, caso ela precisasse de fonoaudióloga, estaria coberta pelo governo. Mal sabíamos o que nos esperava, autismo nem foi mencionado por ele. A avaliacao foi marcada aos 16m e foi lá que ouvi a primeira vez a " possibilidade de autismo". Tentei argumentar que tudo foi feito em inglês, que mesmo eu traduzindo morávamos longe da família e amigos, afinal eu NÃO SABIA O QUE ERA AUTISMO, somente dos filmes, isso não podia estar acontecendo com uma criança tão feliz, sorridente e carinhosa como minha filha!! Pediram que fossemos a um neuropediatra, já que a equipe multidisciplinar não daria diagnóstico caso fosse necessário. Levei-a ao neuropediatra aos 17/18m não acreditando na chance de ser verdade, autismo?? Como assim?? (Continua nos comentários)#diagnosticoteabebella

A post shared by Isabella😍 (@bebella_na_florida) on

Como estimular o desenvolvimento das meninas autistas

Assim como os meninos, elas precisam de incentivos diários e de acompanhamento multidisciplinar para que consigam exercer seu pleno potencial. Uma das terapias mais reconhecidas para o TEA é o método ABA. “É um tipo específico de terapia cognitivo-comportamental, que dá instrumentos para a criança aprender os comportamentos esperados dela”, explica Mirian.

Além da terapia, a fonoaudióloga estimula o desenvolvimento da linguagem e a terapeuta ocupacional treina a coordenação motora fina, bem como a realização de tarefas diárias. Tudo depende também – e muito! – dos pais continuarem aplicando em casa o que aprendem na terapia: é um treino para que as crianças com o TEA ganhem, aos poucos, autonomia e independência. E aprendam a lidar com as situações que exijam delas as habilidades sociais.

“Após cada sessão, sou orientada sobre o que fazer e temos metas a atingir. Fiz também cursos para me aprimorar, no final viramos especialistas no TEA de nossos próprios filhos”, explica Bianca, que em seu perfil no Instagram Uma Autista na Flórida dá dicas de brinquedos e exercícios que ajudam no desenvolvimento da fofa Isabella.

View this post on Instagram

💙Trabalhamos por bastante tempo as “WH questions”(what, which, where, when, why) por aqui: o que, qual, onde, quando e por que. O quando e o por que ainda recebem respostas mais rasas, já que o atraso e a idade não permitem que ela se aprofunde tanto assim. O quando não é temporal, e sim condicional ( “quando usamos guarda-chuva? Quando está chovendo.”) assim como o por que ( “por que comemos esse pão? Porque estamos com fome.”), mas ela tem entendido e respondido tão bem que os treinamentos deram lugar a conversas e agora estamos na fase de treinar outras coisas. O treino não foi só com a Bebella, mas de toda a família em saber como lidar com as situações buscando modos de encaixar ensinamentos na rotina. Quando treinando questões assim tivemos que mudar nosso pensamento, antes acostumado com perguntas diretas para respostas diretas, como tivemos que aprender no início de tudo. Agora são perguntas diretas buscando respostas mais elaboradas, ensinando a Bebella a como achar essas respostas, levando-a a pensar dando dicas leves, navegando COM ela para a ampliação de sua linguagem. O material que já postei aqui da @superduperpub e outros que imprimo online já foram usados e passados para frente. Como é bom investir em coisas novas, em novos ensinamentos, ver que as coisas já estão ultrapassadas, um sinal de evolução. . No início eram respostas ensinadas e decoradas. Primeiro veio a aprendizagem, o uso simples e gravado. Com o tempo, veio a generalização, e o ensinamento tornou-se natural, em situações diárias na rua, no carro, na escola. O que mais me deixa feliz é ver isso, esses usos em situações adversas, essa capacidade de ampliar sua visão, de absorção que leva ao entendimento. Mesmo que devagar, uma hora chega, e assim não desistimos nunca!💙#ASD#TEA#autism#autismo#autismawareness #transtornodoespectrodoautismo #autismspectrumdisorder #autismonaoédoença #autismonãotemcara #autismonãoéadjetivo

A post shared by Isabella😍 (@bebella_na_florida) on

Outras atividades diárias podem ajudar no desenvolvimento da autonomia das meninas autistas. “Os pais devem estimular atividades que elas gostem, como cozinhar ou fazer parte de um time de esportes, por exemplo”, aponta a neuropsicóloga do CNHS.

Estabelecer uma rotina também é importante. “Crianças com TEA precisam visualizar suas tarefas, então pais e cuidadores podem criar fichas com as tarefas simples: entrar na escola, pegar o caderno e por aí vai, para que ela tenha concretude e compreenda a necessidade de seguir essa ordem”, ensina Luciana Brites, psicopedagoga e coordenadora do núcleo de Londrina da Associação Brasileira de Neurologia, Psiquiatria Infantil e Profissões Afins (Abenepi).

O conjunto de intervenções beneficia até quem recebeu mais tarde o diagnóstico – é o caso de Beatriz, que foi diagnostica aos 6 anos. “Agora com as medicações corretas e o acompanhamento, ela está falando melhor e, em pouco mais de um ano vemos ela adquirindo os movimentos corretos, oferecendo menos resistência para as tarefas e melhorando a coordenação motora fina”, relata Gisele Mestieri Gonçalves, 39 anos, psicóloga e mãe da menina.

E a ciência segue trabalhando em novos métodos que ajudem quem tem o transtorno. Por exemplo, um novo estudo da Universidade McGill, no Canadá, mostrou que autistas que aprendem outro idioma têm mais facilidade na hora de encerrar uma atividade e começar a próxima, mudança que costuma ser uma dificuldade para eles e elas.

“Outra coisa que pode ajudar especialmente as meninas é estabelecer e incentivar uma amizade duradoura, ao invés de vários amigos ocasionais, e ouvir histórias de outras mulheres autistas”, aponta Allison. Por isso, o compartilhamento de casos como o de Laura e Isabella é tão importante.

“Se tivéssemos acesso a essas informações naquele tempo, com certeza as coisas poderiam ter sido diferentes, mas nem se falava direito em autismo”, opina Solange Lara Pupo, 54 anos, de Santos/SP, mãe de Bruna, diagnosticada com autismo aos 6 anos de idade, hoje com 31.

Sozinha, Solange rodou cidades e centros de referência até receber o diagnóstico e, a partir daí, passou a incentivar Bruna como pôde. “Ela aprendeu a ler e escrever algumas palavras por conta própria, gosta de brincar com o sobrinho e possui certa autonomia, mas tem a idade mental de uma menina de 6 anos”, conta a mãe.

Falando, aliás, sobre os casos mais graves, é importante ter em mente que nem sempre o autista reagirá ao tratamento da maneira esperada, por isso os pais de crianças com TEA devem sempre receber suporte da comunidade e se prepararem para uma vida com alguns desafios, mas cercada de amor e carinho.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s