Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Família

Principais sintomas da gravidez

Luciana Fuoco Atualizado em 25.04.2012
034-principais-sintomas-gravidez
Getty Images

Especialistas explicam os primeiros sintomas e os exames que confirmam a gestação.

“Será que estou grávida?” Essa é uma pergunta que boa parte das mulheres se faz em algum momento da vida. Para ajudá-la nessa descoberta, listamos os principais sintomas da gravidez. Vale saber que grande parte deles começa a dar as caras 12 dias após a concepção.

 

Atraso menstrual

É o sinal mais clássico de que você está grávida, principalmente se seu ciclo é regular. Isso acontece porque todos os meses o endométrio, a camada interna do útero, se prepara para receber o óvulo fecundado: fica supervascularizado para servir de solo fértil para o embrião. Quando a gravidez não acontece, numa explicação bem simplificada, essa camada supervascularizada é descartada. E daí ocorre a menstruação. Agora, quando se dá a fecundação, o endométrio recebe a mensagem para ficar ali, quietinho, porque o futuro bebê está chegando. O mensageiro, digamos, é um hormônio chamado hCG, produzido unicamente pelo embrião.

 

Enjoos e vômitos

Algumas mulheres já sentem os primeiros desconfortos duas semanas após a fecundação – e eles costumam durar por até três meses, em média. O mal-estar costuma ser mais intenso no período da manhã, ao acordar. O culpado de tudo isso são os hormônios envolvidos na gestação. Eles causam, por exemplo, o aumento da produção de saliva, que, em excesso, leva ao desconforto na boca e ao mal-estar no estômago.

 

Sonolência, diminuição do trânsito intestinal e sensação de empachamento

Você come e logo depois sente um sono quase insuportável, o intestino também fica preguiçoso e a sensação de estômago cheio depois de se alimentar é comum. Todos esses sintomas têm a mesma causa: a ação da progesterona no organismo. O hormônio aumenta sua ação no corpo quando estamos grávidas. Ele provoca não apenas sonolência: também reduz os reflexos e a memória. No intestino, diminui os movimentos peristálticos. É por isso que é tão comum as mulheres grávidas sofrerem pequenos acidentes de trânsito causados por desatenção. Ou almoçar e serem tomadas por uma onda de sono a ponto de se tornar até mesmo incapazes de conversar.

 

Manchas na pele

Ao engravidar, a mulher tem um aumento da produção de melanina, já nos primeiros dias de fecundação. Por causa disso, algumas mulheres percebem uma leve alteração na coloração dos mamilos, que se tornam mais escuros, ainda nas semanas iniciais da gravidez. Essa pigmentação tende a se intensificar conforme a gestação avança e atinge mamilos e abdômen, formando uma linha vertical. Caso tome sol em excesso, é comum o aparecimento também de manchas no rosto.

 

Inchaço das mamas

A partir da sexta semana após a fecundação, é possível perceber o aumento nas mamas. Elas ficam inchadas e sensíveis, algo similar ao que ocorre no período pré-menstrual. O mamilo também se torna mais sensível e escurecido. Isso acontece devido à associação de dois hormônios: o estrógeno, produzido pela placenta, e a prolactina, produzida pela hipófise.

 

Vontade de fazer xixi a toda hora

É muito comum o aumento da frequência urinária. Isso se dá por causa da compressão da bexiga pelo útero, que diminui a sua capacidade como reservatório.

 

Cólica e sangramentos

No início da gravidez, os sintomas são muito similares aos que a mulher experimenta no período pré-menstrual. A causa disso é o início dos processos de aumento no tamanho do útero e de vascularização para nutrir o feto. Nessa fase (primeiras semanas), podem acontecer, inclusive, pequenos sangramentos. A culpa é da implantação do embrião na parede do útero.

 

Como confirmar a gravidez

os principais exames para diagnosticar a gravidez são os de sangue e o de urina. Ambos buscam a fração beta do hormônio hCG (por isso o exame se chama Beta hCG), que é produzido pela placenta e circula no organismo a partir do décimo dia de fecundação. Saiba quais as diferenças entre os testes mais utilizados:

Exame de sangue: é o mais certeiro de todos e possibilita o diagnóstico de gravidez até quatro dias antes do atraso menstrual. O teste pode ser feito na maioria dos laboratórios sem prescrição médica.

Exame de urina: o hormônio hCG também é encontrado na urina, porém sua possibilidade de acerto é maior quando examinado 15 dias após o atraso menstrual.

Exame de farmácia: segue o mesmo princípio do exame de urina e busca o hormônio da gravidez, no entanto, seu índice de falha varia de 30 a 40%, pois o reagente químico existente na tira de medição pode sofrer uma alteração dependendo da forma e do tempo em que ficou acondicionado na drogaria.

Ultrassom: também é possível detectar a gravidez por meio da ultrassonografia, porém só é possível ter certeza depois de cinco a seis semanas de gestação.

 

Fontes

Médica Ana Paula Aldrighi, ginecologista e obstetra do Hospital São Luiz, em São Paulo;

Médica Anna Maria Bertini, professora do departamento de obstetrícia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp);

Médico Antonio Júlio Sales Barbosa, ginecologista e obstetra do Hospital Santa Catarina, em São Paulo;

Médica Márcia Pereira de Araújo, ginecologista e obstetra do Hospital Pérola Byington e Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp).


Recomendamos Para Você