Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Saúde

Plano de parto

Maria Flor Calil Atualizado em 26.11.2012
Cláudia Bebê
Aula 11 - O parto normal

Bebê

Um guia para tirar suas dúvidas e ficar tranquila e bem informada, para a hora do nascimento do bebê

Um documento em que você pode deixar registradas as suas vontades para a hora do nascimento do seu bebê. Esse é o Plano de Parto. Já ouviu falar? Ele surgiu nos Estados Unidos, há mais ou menos 30 anos, como uma carta na qual a gestante escreve como prefere passar pelas diversas fases do trabalho de parto, como ela e o seu bebê devem ser tratados antes, durante e depois do nascimento. Ali estarão registrados quais procedimentos médicos a gestante aceita e quais prefere evitar. Afinal, nomes como episiotomia e enema podem não fazer parte do seu vocabulário.

 

Para Ana Cristina Duarte, obstetriz, diretora do Gama (Grupo de Apoio à Maternidade Ativa) e co-autora do livro Parto Normal ou Cesárea – Tudo o Que as Mulheres Deveriam Saber (Unesp), a principal função desse papel é a mulher saber que tem escolhas. “Ao preenchê-lo, ela fará uma reflexão sobre o tipo de parto que prefere e, assim, estará mais preparada para conversar com o seu médico e saber se ele pensa parecido.” E completa: “A gestante/parturiente tem o direito de participar das decisões que envolvem seu bem-estar e o do bebê, a menos que haja uma inequívoca emergência médica que impeça sua participação consciente. Ela tem o direito de saber exatamente os benefícios e prejuízos que cada procedimento, exame ou manobra médica pode provocar a ela e ao seu bebê”. Aproveite as consultas para discutir, caso a caso, com seu médico cada procedimento.

 

O ideal é que o seu plano de parto esteja pronto lá pelo sétimo mês. O ginecologista e obstetra Renato Gil Nisenbaum, de São Paulo, concorda que o plano de parto é um instrumento interessante para a paciente e o médico conhecerem melhor as intenções de ambos os lados e afirma que o médico certamente se beneficiará de estar atendendo alguém mais preparado. “A relação médico-paciente deve ser aberta, honesta e harmônica. O parto em si já é um fator de grande ansiedade e nada melhor do que realizá-lo de uma forma agradável para todos. Certamente, ter um plano departo poderá ajudar bastante”, encerra Renato.

 

A seguir, duas mulheres compartilham conosco a experiência de ter feito um plano de parto durante o pré-natal. E também preparamos um modelo que você poderá utilizar para começar a pensar no parto dos seus sonhos.

 

O plano de parto deixou Alessandra mais segura

"Eu já estava com quase 34 semanas de gestação quando uma colega de trabalho me perguntou sobre o que eu planejava para o parto. Diante de minha resposta por um parto normal, questionou-me se eu teria certeza de que minha obstetra o faria. No bate papo ela me contou sua experiência de parto natural hospitalar. Fiz várias pesquisas na internet e li relatos de parto natural. Eles despertaram em mim o desejo de que minha filha também nascesse dessa forma. Em uma consulta com minha obstetra, percebi que ela só realizaria o parto normal do jeito dela, cheio de intervenções. Então, procurei uma equipe humanizada, com médica e doula. Esta me incentivou a escrever meu plano de parto, com todas as recomendações do que eu gostaria que acontecesse ou não na hora H. Eu já tinha lido sobre ele e sabia que seria importante para que minhas decisões fossem respeitadas. No nono mês, escrevi e mostrei para o meu marido. Disse que seria fundamental que estivesse ao meu lado, não permitindo que fizessem algum procedimento desnecessário. Também conversei com minha médica sobre o que gostaria que fosse evitado e, por ela ser uma médica acostumada a partos naturais, não criou nenhum empecilho. Imprimi cópias do plano e entreguei para a equipe do hospital.Ter um plano de parto me deixou muito mais segura para passar por uma situação que eu ainda não conhecia. Ele foi respeitado e, quando houve necessidade de uma conduta diferente, a obstetra me informou sobre as opções”. Alessandra Rebecchi Feitosa, 30 anos, mãe de Gabriela

 

Susan só teve seu plano de parto respeitado na segunda gravidez

"Descobri o que era plano de parto em Londres. Grávida da minha primeira filha, tinha consultas periódicas,mas curtas e frias, cada vez com uma parteira diferente. Isso me motivou a ler muito sobre o parto, que me causava certa ansiedade e muito medo. Escrevi um plano detalhado, com todas as minhaspreferências. Com 41 semanas e 6 dias, induziram o parto e fiquei por 18 horas em trabalho de parto ativo, com três trocas de plantão. Me sentia completamente perdida e vulnerável, ia fazendo o que me mandavam, não conseguia ouvir minhas próprias vontades. Tudo acabou bem, minha filha nasceu sadia, de parto normal, mas me senti muito desrespeitada. Não entendi o porquê de algumas intervenções, sendo que não houve nenhuma complicação durante o trabalho de parto. Em 2009, de volta ao Brasil e grávida de gêmeos, procurei muito um médico experiente que acreditasse que era possível ter parto normal gemelar. Encontrei uma equipe disposta a tratar o parto como algo natural. A cada consulta, aprendia mais sobre meu corpo e obtinha mais informações sobre as reais complicações que justificariam uma intervenção médica. Meus bebês não estavam na posição ideal e isso não me desmotivou. Escrevi um novo plano de parto baseado na minha experiência anterior e no novo horizonte que surgia à minha frente. Diferentemente do meu primeiro plano de parto, discuti cada detalhe dele com meu médico e com meu marido, inclusive o que poderia dar errado e quais as opções neste caso. Tudo correu maravilhosamente bem, o parto foi natural e minhas vontades foram respeitadas pela equipe médica - as que estavam descritas no plano e aquelas que surgiam durante o processo. Fazer o plano de parto ajudou a me informar e a decidir minhas preferências, conhecendo, inclusive, os riscos envolvidos em cada uma delas.” Susan Becker, 35 anos,mãe de Maria Luisa, João Pedro e Maria Clara

 

Modelo de plano de parto

Estamos cientes de que o parto pode tomar diferentes rumos. Listamos nossa preferência em relação ao parto e nascimento do nosso filho, caso tudo transcorra bem. Sempre que os planos não puderem ser seguidos, gostaríamos de ser previamente avisados e consultados a respeito das alternativas.

 

Trabalho de parto

 

Você quer a presença de pessoas durante o parto?

( ) sim  ( ) não

Quem você quer presente durante o parto?

_____________

 

Você quer tricotomia (raspagem  dos pelos pubianos)?

( ) sim ( ) não

 

Você quer enema (lavagem intestinal)?

( ) sim ( ) não

 

Você quer perfusão contínua de soro?

( ) sim ( ) não

 

Você quer água e sucos enquanto forem tolerados?

( ) sim ( ) não

 

Você quer perfusão contínua de ocitocina?

( ) sim ( ) não

 

Você quer escolher a posição em que quer ficar?

( ) sim ( ) não

 

Você quer fazer caminhadas?

( ) sim ( ) não

 

Você quer uso ilimitado de banheira ou chuveiro?

( ) sim ( ) não

 

Você quer monitoramento fetal contínuo?

( ) sim ( ) não

 

Você quer que a bolsa seja rompida artificialmente?

( ) sim ( ) não

 

Você quer analgesia?

( ) sim ( ) não ( ) apenas se solicitado

 

Parto

 

Qual posição você prefere?

( ) deitada ( ) cócoras ( ) semissentada

 

Você gostaria de ser guiada, na hora de fazer força?

( ) sim ( ) não

 

Você quer epistomia (corte no períneo)?

( ) sim ( ) não

 

As luzes da sala de parto devem ser apagadas na hora do nascimento?

( ) sim ( ) não

 

O bebê deve ser colocado no peito logo após o nascimento para mamar?

( ) sim ( ) não

 

Quem cortará o cordão umbilical?

( ) pai ( ) médico

 

O bebê deve ficar no quarto com você o tempo todo, a não ser que você solicite a retirada dele?

( ) sim ( ) não

 

Cuidados com o bebê

 

O nitrato de prata e antibióticos oftálmicos devem ser aplicados?

( ) sim ( ) não ( ) apenas se necessário

 

Você quer administração de vitamina K oral?

( ) sim ( ) não

 

Você quer amamentação sob livre demanda?

( ) sim ( ) não

 

Você autoriza o uso de água glicosada, bicos ou outros ao bebê?

( ) sim ( ) não

 

Você autoriza que as enfermeiras troquem ou deem banho no bebê?

( ) sim ( ) não

 

Quem pode trocar e dar banho no bebê?

____________________

 

Em caso de cesárea

 

Você quer ser sedada durante o parto?

( ) sim ( ) não

 

Você prefere esperar pelo trabalho de parto antes de se resolver pela cesárea?

( ) sim ( ) não

 

Você quer a presença de pessoas durante o parto?

( ) sim ( ) não

 

Quem você quer presente?

_______________________

 

Qual tipo de anestesia você prefere?

( ) peridural ( ) raquidiana

 

Você quer que o campo seja abaixado durante o parto?

( ) sim ( ) não

 

As luzes da sala de parto devem ser reduzidas?

( ) sim ( ) não

 

Você quer que suas mãos fiquem livres durante o parto?

( ) sim ( ) não

 

O bebê deve ser colocado no peito logo após o nascimento?

( ) sim ( ) não

 

Você quer que o bebê fique com você durante a sutura?

( ) sim ( ) não

 

Plano de parto inspirado no modelo do livro Parto Normal ou Cesárea- Tudo O Que As Mulheres Deveriam Saber, de Ana Cristina Duarte e Simone Diniz (Unesp)

 


Recomendamos Para Você