Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Enxoval

Cadeirinha de carro para um transporte seguro

Bruna Stuppiello Atualizado em 26.11.2012
04-Cadeira-para-Auto-FP3000-Moonlight-9-36Kg-Fisher-Price-3589

Divulgação

Especialistas apontam o que você deve levar em consideração ao escolher o dispositivo de retenção infantil e ensinam como posicionar seu filho, de forma correta, na cadeirinha. Aprenda e, em seguida, escolha o acessório de sua preferência, em nossa galeria de modelos

O dispositivo de retenção infantil, mais conhecido como cadeirinha, é essencial para a segurança das crianças nos veículos. De acordo com uma pesquisa do Departamento de Transportes dos Estados Unidos, o acessório reduz o risco de morte dos passageiros de carro em 71%, no que se refere aos bebês e 54%, quando se trata de crianças de um a quatro anos.

 

No Brasil, os resultados também são positivos. Durante o primeiro ano de vigência da Lei da Cadeirinha, o número de mortes de crianças com até 10 anos em acidentes de trânsito diminuiu 23%. Então, saiba como comprar a cadeirinha certa para seu filho e quais os cuidados para sua instalação.

 

Os grupos de cadeirinha

De acordo com o a engenheira Milene Cleto, técnica da divisão de programas de avaliação da conformidade do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), as cadeirinhas são classificadas segundo o grupo de massa. “Esse critério envolve o peso, a idade e o tamanho aproximado da criança. Mas, o peso é o quesito mais relevante”, explica Cleto.

 

Os tipos de dispositivos de retenção infantil disponíveis estão divididos em:

 

Grupo 0:  este bebê conforto é voltado para bebês de até 10 quilos, altura aproximada de 0,72 cm e até 9 meses de vida;

Grupo 0+: este outro modelo de bebê conforto é destinado a bebês de até 13 quilos, com altura de 0,80 cm e até 12 meses de vida;

Grupo 1: esta cadeirinha é indicada para crianças de 9 a 18 quilos, cerca de um metro e idade até 32 meses;

Grupo 2: esta cadeirinha ou assento de elevação é voltado para crianças de 15 a 25 quilos, 1, 15 metro e com idade de até 60 meses;

Grupo 3: é voltado para crianças que pesam entre 22 e 36 quilos, 1,30 metro de altura e até noventa meses de idade.

 

Existem dispositivos que podem ser usados por crianças de até 10 anos, mas a obrigatoriedade é até os sete anos e meio. “Com a altura entre 1,35 e 1,40 metro, a criança pode deixar o assento de elevação, desde que o cinto passe nos pontos corretos”, explica o médico especialista em tráfego, Mauro Augusto Ribeiro, presidente da Associação Brasileira de Medicina do Tráfego.

 

A compra da cadeirinha

Ao adquirir o dispositivo, os pais devem ficar atentos a algumas questões. “É importante que eles observem como ele se adapta ao carro, além das facilidades de instalação. Também vale fazer com que o filho se sente na cadeirinha, a fim de avaliar se está confortável”, aconselha o engenheiro mecânico Celso Arruda, professor de segurança veicular do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

 

Há cerca de 90 marcas de cadeirinhas no mercado nacional e as variações de preços são grandes, porém, isso não significa que seu filho correrá riscos se você optar por um modelo mais barato. “Todos eles têm o selo do Inmetro e, por isso, são seguros. Existem apenas algumas diferenças marcantes. O tecido pode ser antitóxico e à prova de inflamação ou não. Também há cadeirinhas que permitem várias posições de inclinação e apoios laterais, que proporcionam maior conforto à criança”, explica Arruda.

 

*Preços pesquisados em novembro de 2012.

Acesse a Loja do Bebê para conferir outras opções.

 

A maneira correta de se sentar

Não basta ter uma cadeirinha, é preciso saber colocar seu filho no dispositivo de forma correta. No caso do bebê conforto, as tiras devem ficar abaixo do ombro e ajustadas ao corpo, com um dedo de folga. Quanto à instalação, o cinto de segurança do veículo deve abraçar o bebê conforto e passar pelos locais indicados, sem que a cadeirinha se mova mais que 2 centímetros.

 

Ela também não pode reclinar mais do que 45° e deve ser instalada em um cinto de três pontos, preferencialmente, no centro do carro. “Em caso de capotamento ou colisão frontal, esta posição é a menos afetada”, observa Arruda. Outra exigência essencial quanto ao bebê conforto é que ele seja instalado de costas para o sentido do movimento.

 

Quanto à cadeira de segurança, note se o cinto do carro passa pelos locais indicados no produto e certifique-se de que ela não se move mais que 2 centímetros para os lados. A cadeirinha é posicionada de frente para o movimento, com o sistema de retenção de cinco pontos na posição vertical. Quando a cadeira é fixada, é necessária a utilização do clipe de segurança que trava o cinto.

 

O encosto de cabeça pode dificultar a instalação. Neste caso, será preciso levantá-lo ou até retirá-lo. Nunca coloque qualquer objeto entre a criança e a cadeira. Com relação à posição da criança, as tiras do dispositivo devem ficar acima dos ombros e ajustadas ao corpo da criança, com um dedo de folga.

 

Ao colocar seu filho no assento elevatório ou decidir se ele pode se sentar sem ajuda de dispositivos, note se o cinto passa no meio do ombro, no centro do peito e no quadril.

 

 Seja qual for o dispositivo, não se esqueça de ler as instruções do fabricante e o manual do carro.

 

Outros cuidados

Há alguns outros cuidados que os pais precisam levar em consideração ao adquirir ou instalar a cadeirinha. Um deles é não reutilizar um dispositivo de outra criança. “Você não sabe quais foram os esforços a que essa cadeirinha foi submetida”, explica Cleto. Caso você tenha sofrido um acidente, pergunte ao fabricante se há necessidade de substituir o dispositivo.

 

Evite colocar qualquer tipo de almofada no pescoço do bebê. Não deixe objetos no tampão do carro, próximos às crianças ou no painel do motorista. Isso porque eles adquirem força durante um acidente e podem machucar o bebê e também os adultos. Nunca faça modificações ou acréscimos no dispositivo.

 

Cadeira de alimentação e carrinho

Além das cadeirinhas dos veículos, as cadeiras de alimentação também passarão a ter a certificação do Inmetro.  De acordo com o instituto, a publicação da portaria definitiva sobre a regulamentação deste dispositivo ocorrerá ainda este ano. Os fabricantes terão 18 meses após a publicação da portaria para se adequarem às novas normas.

 

A decisão pela certificação compulsória para a cadeira de alimentação foi tomada após a avaliação de nove marcas, que acusou problemas em 100% das amostras. As principais falhas detectadas foram instabilidade com risco de queda e problemas relacionados ao cinto de segurança.

 

Também é preciso tomar cuidado ao comprar outro objeto muito conhecido pelos pais: o carrinho. Leia a reportagem e descubra quais são seus pré-requisitos mais importantes.


Recomendamos Para Você

Rede MdeMulher
Publicidade