7 filmes que retratam a importância do brincar

Prepare a pipoca que a próxima sessão já vai começar...

“Brincar é coisa séria”, dizem os especialistas. E não é para menos! Afinal, é no contato com a natureza, com os pais, com outras crianças, com objetos e simples brinquedos que os pequenos exploram e começam a compreender tudo o que está à sua volta. Para ajudar os pais a se reconectarem com essa essência da infância, reunimos uma lista com dicas de filmes que destacam a importância de conservar espaços de brincadeiras e, assim, estimular o desenvolvimento dos baixinhos, oferecendo a eles oportunidades para experimentar, criar, imaginar e se divertir. As sugestões abaixo oferecem material para as famílias construírem experiências lúdicas de aprendizado, que proporcionarão a autodescoberta de meninos e meninas (em suas dimensões cognitivas, físicas, sociais, culturais, emocionais e afetivas), bem como o seu conhecimento sobre o outro e o mundo ao seu redor.

1. Terreiros do Brincar – David Reeks e Renata Meirelles (2017)

Com pré-estreia realizada na Ciranda de Filmes, que aconteceu em São Paulo entre os dias 25 e 28 de maio, o filme retrata grandes festas populares pelos olhares das crianças. Passando por oito estados brasileiros, o documentário mostra a relação que os pequenos estabelecem ao participarem de importantes manifestações regionais, como Nego Fugido, Festa do Divino, Bumba Meu Boi e Folia de Reis. E são com essas experiências coletivas do brincar que a meninada cria vínculos com outros pessoas e se insere em novos grupos, uma nova família.

2. Jonas e o Circo Sem Lona – Paula Gomes (2017)

Filho e neto de artistas de circo, Jonas tem seu próprio circo improvisado, frequentado pelos moradores do pobre bairro onde vive, na Bahia. É ele quem coordena os números, prepara os figurinos, a música e controla os ingressos. O garoto pretende abandonar a escola para viver num circo itinerante, mas a mãe prefere que ele permaneça na escola. Entre sonhos e responsabilidades, o lúdico das artes circenses mostra caminhos possíveis para Jonas.

2. O Começo da Vida – Estela Renner (2016)

Uma análise e um retrato sobre os primeiros mil dias de um recém-nascido, o verdadeiro começo da vida de um ser humano, tempo considerado crucial para o desenvolvimento saudável que sustentará a infância e a vida adulta. Este desenvolvimento é uma combinação da genética com a qualidade das relações que mantemos e do ambiente em que estamos inseridos. O filme nos convida a ser um agente de mudança na sociedade ao propor a reflexão: estamos cuidando bem dos primeiros anos de vida de nossas crianças?

3. Território do Brincar – David Reeks e Renata Meirelles (2015)

O longa explora formas de brincar de crianças de diferentes regiões do país – em comunidades rurais, indígenas, quilombolas, das grandes metrópoles, do sertão e do litoral. Este vasto registro audiovisual sobre o brincar, os gestos e as palavras que revelam a essência do público infantil, tem como proposta mostrar o universo lúdico infantil, aproximando o adulto e convidando-o a brincar, a trocar e a vivenciar brincadeiras, festejos populares, fazeres e saberes da infância brasileira. Um retrato humano por meio das brincadeiras.

4. Tarja Branca – Cacau Rhoden (2014)

A partir de depoimentos e reflexões de adultos, o documentário apresenta a pluralidade do ato de brincar, uma das ações mais ancestrais desenvolvidas pelo homem para interagir com o mundo, se conhecer melhor e se relacionar com a criança que mora dentro de nós. O filme mostra, portanto, as diferentes formas de como a brincadeira pode estar interligada com o comportamento do homem contemporâneo, oferecendo possibilidades para que este espírito lúdico seja recuperado e se encontre oportunidades de brincar. Afinal, “brincar é urgente”.

5. Educação.doc – Luiz Bolognesi e Laís Bodanzky (2014)

Esta série de documentários direciona para uma importante reflexão: como será a escola daqui a 50 anos? Afinal, pensar a escola é imprescindível para conhecer onde as crianças aprenderão e o que aprenderão, e como esta educação pode transformar o Brasil, inclusive por meio das brincadeiras. Ao dialogar diretamente com os anseios da população, mostra que, talvez, para conquistarmos um padrão elevado de educação, tenhamos que focar nos heróis desconhecidos, articulados e competentes que já iniciaram uma discreta e profunda transformação na educação do país.

6. O Fim do Recreio – Vinicius Mazzon e Nélio Spréa (2012)

Recheado de vibrantes brincadeiras infantis, o curta-metragem apresenta reflexões sobre um possível fim do recreio escolar pretendido por um projeto de lei, no Congresso Nacional. Enquanto isso, em uma escola municipal de Curitiba, no Paraná, um grupo de crianças pode mudar toda essa história ao defender a importância do brincar.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s