Vitamina C: a importância do nutriente para a grávida e o bebê

A falta dessa vitamina está associada à pré-eclâmpsia, ao parto prematuro e a prejuízos ao sistema cognitivo do pequeno.

Por Paula Desgualdo (colaboradora) Atualizado em 11 jan 2017, 19h28 - Publicado em 29 jun 2015, 10h42

Um copo de suco de acerola. Essa é a medida suficiente para uma gestante suprir suas necessidades diárias de vitamina C. Na verdade, nem é preciso se aventurar em expedições ao mercado em busca da acerola, a campeã no nutriente. Um copo de suco de laranja ou uma fatia de mamão todas as manhãs cumprem o mesmo papel: facilitam a absorção de ferro, ajudam na cicatrização de tecidos e dão um chega pra lá nos radicais livres – moléculas formadas naturalmente no organismo e que podem degenerar as células. “Por isso, essa vitamina é de extrema importância tanto para a mãe quanto para o bebê”, afirma a nutricionista Cynthia Antonaccio, da Equilibrium Consultoria em Nutrição e Bem-Estar, em São Paulo.

A falta da substância, por outro lado, pode contribuir para o surgimento de situações indesejadas. “Estudos apontam que a baixa concentração do nutriente no organismo está relacionada à pré-eclampsia, ao rompimento prematuro da bolsa e ao aborto espontâneo”, exemplifica a nutricionista Andréia Madruga, de São Paulo. Pesquisas também já demonstraram que, se a mulher consumir menos vitamina C do que deveria durante a gestação e no período pós-parto, até a inteligência do bebê pode ser afetada.

Baixo consumo

Em uma análise feita no Hospital Universitário da Universidade de São Paulo com 117 grávidas – a maioria com idade entre 20 e 35 anos -, Andréia Madruga constatou que 30,8% dessas mulheres apresentaram quantidades insuficientes de vitamina C. “Isso tem relação direta com a baixa renda e a falta de acesso a alimentos ricos na vitamina”, observa.

Além disso, segundo a pesquisa, 40% das gestantes com deficiência de vitamina C têm o hábito nocivo de dar umas tragadas. “Quem fuma, metaboliza a vitamina ainda mais rápido”, explica Andréia. Aliás, não adianta se entupir de laranja hoje para alcançar a cota do dia seguinte mais rápido. “A vitamina C é um nutriente que o organismo não consegue armazenar, por isso precisamos renovar o estoque consumindo suas fontes diariamente”, orienta Cynthia Antonaccio.

Quanto e como consumir

Segundo o Instituto de Medicina (IOM), uma instituição americana sem fins lucrativos, uma gestante com idade entre 19 e 50 anos precisa ingerir 85 miligramas de vitamina C todos os dias. No período de lactação, a meta aumenta para 120 mg. No caso das grávidas com menos de 18 anos, os valores são 80 mg durante a gestação e 115 mg no período de lactação.

Para garantir o consumo adequado, é importante comer as frutas frescas e cozinhar no vapor ou com pouca água as verduras ricas nesse nutriente. É que a vitamina C é hidrossolúvel, ou seja, se dissolve em meios líquidos. Daí porque essas técnicas garantem que ela não vá embora.

Principais fontes

1. Camu-camu

Essa fruta da Amazônia que é difícil de ser encontrada pelas consumidoras de outras regiões brasileiras, concentra 322 mg de vitamina C em uma unidade.

2. Acerola

Em uma única frutinha, você já encontra 234 mg.

3. Pimentão amarelo

Uma unidade média, pesando em torno de 70 gramas, tem 231 mg. Não à toa, ele é o terceiro colocado do nosso ranking vitaminado.

4. Caju

Uma unidade grande, com cerca de 100 gramas, oferece 220 mg.

5. Goiaba

Ela é outra ótima fonte, com 218 mg da vitamina em uma fruta grande, de 100 gramas.

Continua após a publicidade

6. Kiwi 

Cada unidade tem algo em torno de 88 mg.

7. Mamão

Sim, ele também é fonte de vitamina C. Basta uma fatia média, que têm uns 100 gramas, para você obter 82 mg do nutriente.

8. Couve 

Use 4 folhas cruas em uma salada para conseguir 73 mg da vitamina. Atenção: procure não picá-las demais para reter todo esse nutriente.

9. Brócolis 

Uma flor média teria 65 mg da vitamina. O segredo é cozinhá-la só ao vapor, pelo mínimo tempo possível.

10. Morango 

Um lanche com 5 unidades médias da fruta já garante 57 mg.

11. Laranja 

Apesar da fama, ela está na décima-primeira posição do ranking, com 53 mg de vitamina C por unidade. Não despreze essa porção, especialmente em sucos. Afinal, você usará umas três laranjas espremidas para encher o copo.

12. Rúcula

Em 80 gramas de suas folhas, há 40 miligramas da vitamina. Está valendo, mas é rúcula à beça: algo em torno de 2 xícaras de chá cheias.

13. Limão

Em uma unidade pequenina, já se encontram 39 mg. Aproveite-o não só na limonada, mas para temperar saladas, espremendo-o na hora.

14. Agrião 

Um prato raso dessa verdura, crua, contém 33 mg.

Continua após a publicidade
Publicidade