Mãe inspira outras mulheres ao postar foto de seu corpo antes e depois da maternidade

Depois de duas gestações, blogueira compartilha as mudanças pelas quais seu corpo passou e ressalta a importância de se amar independentemente da forma física.

Quantas vezes você já viu na web mães (principalmente celebridades) mostrando fotos de suas curvas antes e depois da maternidade? Muitas querem exibir o corpo sarado que conquistaram após a chegada do filho – e não importa se para isso elas recorreram a dietas malucas. Mas desta vez outra mudança tem chamado a atenção nas redes socias: a da americana Laura Mazza, do blog Mum on the Run, que publicou uma imagem de antes e depois bem diferente do que estamos acostumados a ver.

Laura, que é mãe de Luca, de 2 anos, e de Sophia, de 8 meses, resolveu compartilhar a transformação pela qual seu corpo passou depois das duas gestações. “Não, essa não é uma foto de antes e depois de perder peso. Mas é uma história de vitória”, ressaltou. “À esquerda, é o meu corpo antes de ter filhos. Sem marcas ou cicatrizes do piercing no umbigo. Um umbigo que era alto. Uma barriga reta. Na foto à direita sou eu atualmente. Marcas de estrias. Um umbigo caído. Maior, com menos ossos aparentes e mais marquinhas de celulite”, escreveu a blogueira na sua página no Facebook.

No entanto, embora antes da maternidade ela tivesse um corpo “dos sonhos”, a americana ainda se via acima do peso. Além da distorção da própria imagem, ela seguia uma dieta tão restrita que não a fazia se sentir feliz. “Eu não comia carboidratos e quase nenhum vegetal. Apenas carne. Mas eu adorava porque eu estava perdendo peso rapidamente e quanto mais meus ossos ficavam salientes, mais eu me valorizava. Acabei passando a odiar carne e a estar sempre com azia. Mas ainda assim eu olhava para essa foto, para essa imagem de mim mesma, como se eu fosse gorda”, contou.

E se durante a gravidez Laura chegou a ter vergonha de tirar fotos por achar que estava fora do padrões que a sociedade exige, hoje, depois de trazer duas crianças lindas ao mundo, ela parou de se punir por não ter a mesma aparência de antes e passou a admirar suas novas curvas e o que elas representam. “Você quer saber? Eu alcancei mais coisas com esse corpo do que consegui com aquele antigo. Eu comi comidas mais gostosas. Eu vivi mais, eu me entreguei mais, eu curti mais. Eu criei vida. Esse corpo, ESSE corpo deveria ser celebrado e admirado”, destacou. E mais do que se aceitar, Laura passou a questionar toda a cobrança que existe sobre as mulheres no pós-parto. “De repente, não está mais ok [publicar uma foto assim]. Não é mais prazeroso ver. Não é mais um corpo para ser admirado”, criticou.

As marcas, as estrias e a barriga nada firme são porque eu fiz seres humanos. Porque eu comi um pouco mais de bolo, porque eu bebi um pouco mais de vinho.

Foi para inspirar e empoderar outras mães que estão se sentindo culpadas pela forma que seus corpos assumiram depois da gravidez – e que se frustram e se cobram tanto ao ver fotos de famosas que ostentam um abdômen sequinho um mês após do parto – que Laura compartilhou sua história de superação. Confira na íntegra o que ela escreveu no post que já teve quase 5 mil compartilhamentos no Facebook:

Não, essa não é uma foto de antes e depois de perder peso. Mas é uma história de vitória.

Eu escrevo isso do meu coração. Dói.

À esquerda é o meu corpo antes de ter filhos.

Sem marcas ou cicatrizes do piercing no umbigo. Um umbigo que era alto. Uma barriga reta. Eu estava sempre de dieta naquela época. E essa foi a melhor dieta que eu fiz. Eu costumava tirar fotos do meu progresso. Publicar essa foto não era ruim, era como se eu estivesse usando um biquini. É socialmente aceitável.

Eu tirava fotos do meu progresso porque ele significava que eu estava perto de ter um peso que me faria amar a mim mesma. Eu não comia carboidratos e quase nenhum vegetal. Apenas carne. Mas eu adorava porque eu estava perdendo peso rapidamente e quanto mais meus ossos ficavam salientes, mais eu me valorizava. Eu acabei passando a odiar carne e a estar sempre com azia. Mas ainda assim eu olhava para essa foto, para essa imagem de mim mesma, como se fosse gorda. Não tinha nada errado com a minha aparência. Meu corpo era meu.

Ninguém me falava nada, as pessoas comentavam que eu parecia saudável. Lembro-me das pessoas perguntando qual era minha rotina de exercícios… Eles me deixavam admirada. Eu me deixava admirada! Eu comprei um guarda-roupa todo novo. Eu estava tão orgulhosa. Eu ostentava o meu corpo.

Na foto da direita sou eu atualmente. Marcas de estrias. Um umbigo caído. Maior, com menos ossos aparentes e mais marquinhas de celulite. As pessoas não querem ver essa foto. De repente, não está mais ok. Não é mais prazeroso ver. Não é um corpo para ser admirado.

Esse corpo não é resultado só da carne. É resultado de comer tudo. Frutas, vegetais, carboidratos, massa, arroz, bolo, chocolate… Às vezes até 20 nuggets de frango. Peixe… Não é sempre saudável, mas 99% é. Os nuggets são só para quando eu estou cansada… Juro.

As marcas e as estrias e a barriga nada firme são porque eu fiz seres humanos. Porque eu comi um pouco mais de bolo, porque eu bebi um pouco mais de vinho. Porque eu fazia bolos de caneca às nove da noite e me aconchegava no sofá com o meu marido. Mas por alguma razão, eu não gostava desse corpo. Era triste.

Esse corpo não merecia uma lingerie sexy ou um guarda-roupa novo. Às vezes eu nem queria tirar fotos de grávida porque eu tinha vergonha do quão grande eu estava. Eu não admirava esse corpo.  

Eu sentia como se as pessoas estivessem me forçando a amar meu corpo. “Você só tem um”… Bem, eu não me importo. Eu quero ser magra. Mas droga, quando eu era, não me sentia feliz. E certamente não era saudável.

Mas você quer saber? Eu alcancei mais coisas com esse corpo do que consegui com aquele antigo. Eu comi comidas mais gostosas. Eu vivi mais, eu me entreguei mais, eu curti mais. Eu criei vida. Esse corpo, ESSE corpo deveria ser celebrado e admirado.

Eu deveria me admirar. Eu deveria me amar.

Eu entendo isso agora. Celebrar todos os tipos de corpo. Todos os tipos de corpo e todas as histórias que esses corpos carregam. Acima disso, a PESSOA deveria ser celebrada. Corpos saudáveis são celebrados. Mas saudável deveria ser aquilo pelo que a gente luta. Mentes saudáveis, jornadas saudáveis e todas as formas em que isso pode se refletir no nosso corpo – é isso que a gente deveria admirar.  

Eu ainda quero parecer como na primeira foto, sem dúvidas. Eu sinto falta daquele corpo e isso me deixa triste. Mas eu quero chegar lá de um jeito saudável física e mentalmente. Eu quero ficar orgulhosa e estar em paz com esse corpo. E eu quero gostar de como sou agora.

Não… Eu quero amar como eu sou agora.

Não importa o seu tamanho, se você veste PP ou XG. Você merce celebrar. Lingerie sexy E roupas novas.

Então ame seu corpo, porque é verdade verdadeira, é o único que você tem (pelo menos nessa vida)!

E de qualquer forma ainda é sexy usar as “calcinhas da vovó”! Oba!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s