Estudo aponta que a gravidez estimula a memória

Pesquisa canadense sugere que, ao contrário do que muitos acreditam, a gestação não deixa as mulheres mais esquecidas – ao contrário: ela potencializa essa habilidade cerebral.

Por Luiza Monteiro Atualizado em 28 out 2016, 01h35 - Publicado em 4 set 2015, 14h24

É normal ver muitas gravidinhas por aí reclamando que estão mais esquecidas. E, por muito tempo, acreditou-se que carregar um bebê na barriga provocava mesmo esse efeito na memória. Mas diversos estudos recentes têm mostrado exatamente o oposto: a gestação melhora a capacidade de memorizar informações.

O trabalho mais recente que apontou esse outro benefício da gravidez vem lá do Canadá. Na pesquisa, publicada no periódico científico Hormones and Behavior, cientistas da Universidade do Oeste de Ontário submeteram 54 mulheres a uma bateria de testes mentais. As participantes eram da mesma faixa etária, mas metade estava grávida e a outra, não tinha filhos.

Os dois grupos apresentaram bons resultados, mas um detalhe chamou a atenção dos estudiosos: excluindo as gestantes que manifestavam sinais de depressão, o time das grávidas obteve notas melhores nos testes de memória em comparação com aquelas que não esperavam um bebê e nem eram mães. Os líderes da pesquisa acreditam que isso se deve ao fato de que, quando uma mulher não está depressiva, os hormônios da maternidade provocariam alterações químicas no cérebro de modo a melhorar a memória. 

Embora os autores do estudo canadense assumam que é preciso investigar mais a fundo essa questão, não dá para negar que as notícias são boas. Afinal, não bastassem a ansiedade e todas as dúvidas que a maternidade traz, ninguém merece ter uma memória ruim!

Continua após a publicidade

Publicidade