7 novidades sobre o vírus zika e a microcefalia

Segundo o novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, o número de casos suspeitos da malformação cerebral passa de 4 mil. E, nos últimos dias, novos achados deixaram o mundo inteiro em alerta para esse perigoso micro-organismo.

 

1. Casos em investigação ultrapassam 4 mil

Nesta quarta-feira (27), o Ministério da Saúde divulgou os novos dados sobre a epidemia de microcefalia no país. Até o dia 23 de janeiro, foram registrados, no total, 4.180 casos suspeitos. Destes, 270 já foram confirmados para a malformação cerebral, sendo que seis têm como causa identificada o vírus zika. Outros 462 foram descartados e 3.448 continuam sob investigação.

“Em relação ao boletim divulgado no dia 20 de janeiro, é possível constatar a tendência de redução no número de notificações. O aumento identificado em uma semana de casos notificados foi de 7%. No entanto, a quantidade de casos descartados cresceu 63%, passando de 282 para os atuais 462”, ressalta Cláudio Maierovitch, diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde.

Os casos foram registrados em 830 municípios de 24 unidades da federação. A região Nordeste concentra 86% das notificações, sendo Pernambuco o estado com maior número de pacientes em investigação – são 1.125. Quanto aos óbitos, 68 se deram por malformação congênita, dos quais 12 foram causados por algum tipo de infecção.

2. São Paulo registra o primeiro caso autóctone de zika em gestante

A notícia foi divulgada nesta terça-feira (26) pela Secretaria de Saúde de Bauru. É a primeira vez que um município paulista registra um caso em gestante originado no próprio estado. A paciente tem 32 anos e está grávida de 21 semanas. No dia 25 de dezembro de 2015, ela começou a apresentar manchas vermelhas no rosto e nos braços e, no dia 27, procurou atendimento na rede municipal de saúde.

Inicialmente, foi feito exame para dengue. Como o resultado deu negativo, foram realizados testes para zika e chikungunya – e o procedimento atestou positivo para o zika. A gestante está sendo acompanhada por especialistas e, até o momento, não há nenhuma anomalia no bebê. Segundo o secretário de Saúde de Bauru, Fernando Monti, outros dois casos suspeitos de zika em grávidas estão em análise no município.

3. Governo oferece bolsa mensal para famílias com bebês microcéfalos

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome informou, nesta quarta, que mães de crianças diagnosticadas com microcefalia poderão se inscrever no Benefício de Prestação Continuada (BPC). O programa prevê a concessão de um salário mínimo por mês a famílias com renda per capita menor do que R$ 220. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social, o benefício só é pago a quem for atestado pelo INSS com algum tipo de deficiência e quando há comprovação de dificuldades financeiras. No caso dos pequenos microcéfalos, o BPC é pago ao responsável pela criança. Se o menor não tiver um responsável legal, o juiz determina para quem o benefício deve ser direcionado.

4. Possível transmissão do zika por via sexual

Durante um encontro que ocorreu na segunda-feira (25), em Genebra, na Suíça, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que está investigando um possível caso de transmissão do vírus zika por via sexual. “O zika já foi isolado em sêmen humano, e um caso de contaminação de pessoa para pessoa já foi descrito. No entanto, mais evidências são necessárias para confirmar se o contato sexual pode, de fato, transmitir o agente infeccioso”, diz a entidade. A OMS não deu detalhes de onde e quando o caso teria ocorrido.

5. Pernilongo: uma nova ameaça?

Pesquisadores do Departamento de Entomologia da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Pernambuco anunciaram que estão estudando se os vírus zika e chikungunya também podem ser transmitidos pelo mosquito culex, popularmente conhecido como pernilongo ou muriçoca. Até agora, sabe-se que esses dois agentes infecciosos são propagados pelo Aedes aegypti, o mesmo que carrega a dengue. O objetivo dos cientistas é entender a rapidez com que a epidemia acontece. A previsão é que o estudo seja concluído em três semanas.

De acordo com a líder da investigação, Constância Ayres, esta é a primeira vez que essa ligação é apontada. Mas, segundo ela, faz sentido levantar esse tipo de questionamento. Isso porque a primeira epidemia do zika surgiu na Micronésia, que não é habitat do mosquito da dengue. “Na época, analisaram o Aedes e não evidenciaram o zika. O que acontece é que isolaram a relação do zika com o Aedes no laboratório, mas a circulação silvestre é totalmente diferente. Ele pode não ser o principal transmissor”, disse Constância ao site de notícias G1.

Sabe-se que o culex transmite vírus que são da mesma família que o zika. Então, por que ele não poderia propagar também esse agente infeccioso? É o que esse time de pesquisadores pretende descobrir em breve.

6. Microcefalia causada pelo zika é severa

Um estudo publicado pelo Centro Nacional de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos concluiu que 71% dos casos de microcefalia causada pelo vírus zika são graves – o que significa que o perímetro cefálico (a circunferência do crânio) desses bebês é muito reduzido. A pesquisa analisou 35 recém-nascidos microcéfalos, que chegaram ao mundo entre agosto e outubro de 2015 em oito estados brasileiros. As mães de todas essas crianças viviam ou visitaram áreas afetadas pelo zika ao longo da gravidez. 74% das gestantes apresentaram manchas no corpo durante o primeiro ou o segundo trimestres gestacionais.

Um dos pontos mais intrigantes dessa pesquisa é que 31% dos recém-nascidos apresentavam um excesso de pele no crânio. Isso significa que o cérebro do pequeno sofreu algum dano dentro do útero, o que atrapalhou o crescimento da massa cinzenta. Todos os pacientes foram testados para sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes simples, outras possíveis causas de microcefalia. E os resultados foram negativos.

Segundo os especialistas, mais estudos são necessários para confirmar a relação entre a malformação cerebral e a infecção por zika na gravidez. Mesmo assim, é aconselhável que as futuras mamães que estão em áreas de risco se protejam.

7. Outros países registram casos de zika

Na segunda-feira (25), a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), vinculada à OMS, alertou para o risco de circulação interna desse vírus em todos os países do continente americano, com exceção do Chile e do Canadá, onde o Aedes aegypti não chegou. Sabe-se que, além do Brasil, o zika já se encontra em Barbados, Bolívia, Colômbia, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Guadalupe, Guiana, Haiti, Honduras, Martinica, México, Panamá, Paraguai, Porto Rico, San Martin, Suriname e Venezuela

Nesta mesma semana, Grã-Bretanha, Espanha e Estados Unidos (EUA) confirmaram casos de infecção pelo micro-organismo. Todas as pacientes haviam viajado para lugares que contam com a presença do agente infeccioso. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s