“Procurando Dory”: você vai se divertir e aprender mais com o filme do que o seu filho

Fomos assistir à nova animação da Pixar, que estreia no próximo dia 30 de junho, e o spoiler que podemos dar é: a animação é divertidíssima para os pequenos, mas são os adultos que vão dar boas risadas e aprender ótimas lições!

Quando estreou nos cinemas, em 2003, Procurando Nemo foi um sucesso entre crianças, adolescentes e adultos. Além de ganhar o Oscar de Melhor Longa de Animação, a produção teve, na época, o maior faturamento de um filme de classificação livre de todos os tempos. Não é para menos: a história do peixinho que se perde na imensidão do oceano e a trajetória de seu pai, Marlin, que parte em busca do filho perdido, é encantadora. Além de falar sobre o amor incondicional e imensurável que um pai sente, a trama traz boas doses de diversão. E isso se deve, em grande parte, à personagem Dory, uma peixinha cirurgião-patela que sofre de perda de memória recente e que fala a língua das baleias, o “baleiês”.

Ela cativou tanto o público que a Pixar e a Disney decidiram fazer um outro filme para contar a história de Dory. De onde ela veio? Ela sempre sofreu com o problema de memória? Essas e outras perguntas são respondidas em Procurando Dory, que estreia no próximo dia 30 de junho nos cinemas brasileiros. Junto de Marlin, Nemo e seus novos amigos, a peixinha nada pela imensidão azul à procura de sua família.

Nesta terça-feira (14), fomos assistir ao filme em primeira mão e o que podemos garantir é: os personagens vão divertir muito os baixinhos, mas são os adultos que certamente vão dar boas risadas e se emocionar com as situações do longa. A seguir, listamos algumas das razões para isso:

1. As referências a Procurando Nemo são muitas

Com certeza, o seu filho ainda não havia nascido quando o filme estreou, lá em 2003. E só quem assistiu ao longa vai entender a relação de Dory com Marlin e Nemo e se lembrar de personagens como as tartarugas Crush e Esguicho e o professor Senhor Raia. Outra cena que traz boas memórias é quando Dory começa a falar “baleiês” com a sua amiga de infância Destiny, uma tubarão-baleia que também conhece o ~dialeto~.

2. Marília Gabriela é locutora de um aquário (sim!)

Grande parte das crianças pequenas não faz ideia de quem é a jornalista brasileira. Mas é ela quem narra os avisos do Instituto de Vida Marinha, na Califórnia, onde Dory viveu durante a infância até se separar dos seus pais. Apesar de ser só uma voz, ela se apresenta como Marília Gabriela e acaba se tornando, de certa forma, um personagem do filme. Inclusive, os animais do Instituto se referem a ela pelo nome. E só quem conhece o jeito sério da jornalista consegue entender o quão engraçado é ela interpretar esse papel. Hilário!

3. Só quem é mãe (ou pai) conhece o amor incondicional por um filho

É o que os espectadores aprendem, mais uma vez, com Marlin, o pai do Nemo. O peixe-palhaço é capaz de tudo para salvar o seu filhote – até atravessar o oceano! Os pais de Dory, Charlie e Jenny, também dão essa lição: quando a peixinha era criança, eles faziam de tudo para que ela não esquecesse as regras de sobrevivência no reino animal e o caminho para chegar até eles, caso se perdesse um dia. 

4. Você deve confiar em si mesmo

O jeito esquecido de Dory às vezes irrita Marlin. Mas depois, ele reconhece que, apesar dos defeitos, a peixinha tem muitas qualidades. E uma delas é ser corajosa: ela nunca tem medo de enfrentar as situações, não importa se estamos falando de fugir de um tubarão ou de escapar de um aquário localizado dentro de um prédio! E isso inspira o peixe-palhaço a superar os seus próprios medos e lutar pelo que ele quer.

5. Os pequenos nos ensinam muito

Essa lição quem nos dá é Nemo. É ele quem abre os olhos de seu pai para o fato de que Dory soluciona muitos problemas que eles, sozinhos, não conseguiriam resolver. Também é ele quem incentiva Marlin a acompanhar a peixinha esquecida na jornada em busca de seus pais. Sem o baixinho, a história com certeza seria diferente.

Se animou para ver a animação? Então, aguarde, porque o dia 30 está quase aí! Para dar uma amenizada na ansiedade, assista ao trailer:

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s