Bebê que nasceu com tumor no cérebro surpreende médicos que não acreditavam na sua sobrevivência

Quando a pequena Abigail Jones nasceu, os médicos estavam certos de que o seu tempo de vida seria pouco. Mas os seus pais não desistiram e foram atrás de outra opinião. E aí, veio a boa notícia: Abigail poderia viver.

No dia 5 de setembro de 2015, demos aqui no Bebê.com.br a notícia de um casal americano que fez um ensaio newborn para a filha que nasceu com um tumor no cérebro e, segundo os médicos, não iria viver por muito tempo. Felizmente, essa história não teve o final esperado pela ciência. E nós estamos aqui novamente para contá-la.

Ainda na barriga da mãe, Erika Jones, a pequena Abigail foi diagnosticada com síndrome de Down e um tumor cerebral. Ao nascer, a menina passou por uma ressonância magnética que mostrou que, devido ao tamanho do tumor, seria inviável fazer uma cirurgia para retirá-lo. E mais: o formato da massa tumoral tinha todos os indícios de que se tratava de um tipo maligno. A orientação dos médicos de Jacksonville, na Flórida, era a de que Erika e o marido, Stephen, levassem a filha para casa e a cobrissem de amor e carinho – e foi o que fizeram. Mas eles não desistiram!

Mesmo diante do prognóstico nada esperançoso, os pais de Abigail decidiram correr atrás de outras opiniões. Foi aí que entraram em contato com o renomado Hospital da Criança de Boston, também nos Estados Unidos. O caso da sua filha foi avaliado por especialistas da instituição, entre eles o neurocirurgião Alan R. Cohen, que analisou especificamente o exame de ressonância que a pequena fez ao nascer. “Eu pensei que o tumor, na verdade, não era maligno. Falei com a mãe de Abigail pelo telefone e disse que o diagnóstico que ela havia recebido era questionável e que a sua filha não deveria ter uma sentença de morte”, disse Cohen ao canal de TV americano ABC News.

Depois dessa ligação, os Jones fizeram as malas e partiram para Boston. Lá, repetiram a ressonância magnética, que fortaleceu a suspeita de Alan Cohen de que o tumor seria, na verdade, benigno. Após fazer uma cirurgia, veio o diagnóstico certeiro: Abigail não tinha uma massa maligna. De acordo com o médico, tratava-se de um tumor extremamente raro, que imita o tipo canceroso. Com isso, a esperança de Erika e Stephen virou realidade: a sua filhinha não vai apenas sobreviver, como se desenvolver de maneira saudável.

“O que eu aprendi com tudo isso é que uma segunda opinião é sempre uma boa ideia. Especialmente se há alguma dúvida (…). Médicos são iguais a qualquer um de nós, tentam tomar as melhores decisões e fazer tudo certo. Mas todo mundo comete erros. Eu estou muito, muito feliz que o destino de Abigail não obedeceu ao que os doutores haviam dito”, escreveu Erika Jones na página que criou para a filha no Facebook. Nós também estamos! 

When Erika and Stephen’s daughter Abigail was diagnosed with a brain tumor, local specialists feared she would not…

Posted by Boston Children’s Hospital on Monday, October 12, 2015

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s