53,5% das cesáreas realizadas no Brasil são agendadas com antecedência

É o que aponta uma pesquisa do Ministério da Saúde feita em 1600 municípios de todo o país entre agosto de 2013 e fevereiro de 2014.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que um parto de baixo risco é aquele feito entre 37 e 42 semanas de gestação. É que, nesse período, a probabilidade de mãe e filho sofrerem algum problema na hora do nascimento é bem menor. Mas não há garantia de que esse intervalo seja seguro para todas as crianças – cada um se desenvolve de um jeito e, muitas vezes, um bebê está prontinho com 39 semanas enquanto outro precisa de mais duas, por exemplo.

A questão é que, nos últimos tempos, a cultura de marcar o parto (sem esperar que o pequeno dê os sinais de que está na hora de deixar a barriga da mãe) tem se disseminado cada vez mais. No Brasil, essa é uma prática bastante frequente, de acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) – realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) -, divulgada no dia 21 de agosto de 2015. O levantamento aponta que 53,5% das cesarianas realizadas no país entre agosto de 2013 e fevereiro de 2014 foram agendadas ainda no pré-natal. Isso demonstra que a cirurgia não é feita apenas em casos que exigem esse tipo de procedimento.

Na rede pública, a cesárea representou 35,79% dos agendamentos; no sistema privado, a cirurgia foi feita em 74,16% dos nascimentos. “As cesarianas agendadas, feitas sem a indicação técnica adequada, sem que a mulher sequer entre em trabalho de parto, aumentam a probabilidade de surgimento de problemas respiratórios para o recém-nascido, em 25% os óbitos infantis neonatais e triplicam o risco de morte materna”, alerta o ministro da Saúde, Arthur Chioro. A recomendação do ministério, segundo Chioro, é que o parto seja decidido de forma conjunta entre a mulher e o profissional de saúde.  

A PNS foi realizada em 64 mil domicílios de 1 600 cidades brasileiras. Analisando a escolaridade e o tipo de parto, os pesquisadores notaram que 56,1% daquelas que fizeram cesárea têm ensino fundamental completo e 38,3% são sem instrução e/ou não completaram o fundamental. Entre as que tiveram parto natural, o cenário é outro: 65,3% não têm instrução e/ou não terminaram o fundamental enquanto 39,3% concluíram essa fase escolar.  

Pré-natal

Segundo o levantamento do ministério da Saúde, 97,4% das mulheres que tiveram o último filho entre julho de 2011 e julho de 2013 fizeram o pré-natal. Dessas, 83,7% iniciaram o acompanhamento com menos de 13 semanas de gestação e 87,8% passaram por seis ou mais consultas. Além disso, 69,2% das participantes declararam ter recebido informações sobre sinais de risco na gravidez; 84,4% foram orientadas sobre aleitamento materno; 74,9% foram informadas sobre o serviço de saúde a que deveriam ir no momento do parto e 97,9% tiveram o último filho em hospital ou maternidade.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s