Brinquedoteca: o cantinho onde a única regra é se divertir

Que tal destinar um local na casa às brincadeiras? Veja como aproveitar o espaço e entenda sua importância para o desenvolvimento infantil.

Ter um quarto lúdico é oferecer um espaço específico para estimular a criança a aprender brincando. É nesses momentos de diversão que elas aprender a conviver, ganhar e perder, esperar sua vez, além de desenvolver seus primeiros contextos de pensamento e linguagem e demonstrar sua forma de lidar com o mundo.

“Proporcionar à criança um espaço com essa finalidade é de grande valia para o seu desenvolvimento, além de aprimorar noções como organização, espaço pessoal e cooperação”, afirma psicóloga e ludoterapeuta Karllene Vasconcelos Andrade de Farias, de Maceió, em Alagoas.

Na hora de planejar a brinquedoteca das crianças, priorize um lugar iluminado e arejado, de preferência naturalmente, que represente conforto, segurança e liberdade de criação. Montar um cantinho como este exige uma análise dos brinquedos que serão comprados, pois devem atender às necessidades dos pequenos em suas diferentes faixas etárias. “Uma boa dica é dividir o local em categorias como: cantinho da leitura, jogos de montar, papeis e lápis para pintar e desenhar, cantinhos para carrinhos, bonecas, entre outros”, explica a pedagoga Adriana Marques Imperatrice, diretora do Colégio Imperatrice e proprietária da loja de brinquedos educativos Era uma Vez.

Cuidados importantes

A preocupação maior deve ser a segurança da criança: objetos pontiagudos, brinquedos quebrados (partidos ou faltando pedaços) e peças pequenas (no caso das crianças menores) devem ser abolidos, para prevenir os famosos acidentes domésticos. Também é muito importante que o espaço de brincar seja limpo frequentemente, para evitar alergias e problemas respiratórios, pois brinquedos costumam ter pequenos orifícios que acumulam bastante poeira.

O piso da brinquedoteca deve ser, preferencialmente, emborrachado, que minimiza o risco de quedas e amortece o impacto. Tapetes de atividades coloridos são ótimas opções. Para que seja um local seguro, invista em poucos móveis (sem quinas e com proteção) e em brinquedos que tenham o selo de aprovação do Inmetro.

A brinquedoteca deve ser atraente, sem ser cansativa para a criança. Por isso, abusar das cores de forma desordenada pode deixar o ambiente pesado e até irritá-las, devido ao excesso de estímulo visual. “É importante trabalhar com as cores de maneira planejada. Priorize os tons claros com estímulos visuais específicos que tenham significado para a criança. Quadros e pinturas com formas geométricas são boas opções. E deixe o colorido para os brinquedos e alguns mobiliários”, ensina a psicopedagoga Rosangela Iunes Cano, diretora da escola de Educação Infantil Pinguim.

Cada idade uma escolha

A brinquedoteca deve levar em conta o interesse de cada criança, respeitando seus gostos e sua faixa etária.

Para crianças de 0 a 2 anos, os brinquedos devem ser voltados para a estimulação sensorial . Dê preferência aos coloridos, com sons e diferentes texturas que estimulem os sentidos visão, audição e tato. Móbiles grandes, que tocam música e fazem movimento estimulam a coordenação visual e motora. Ainda para atender a esta faixa etária, existe no mercado giz de cera para crianças a partir de 18 meses, que são mais grossos para facilitar o manuseio.

Já os pequenos de 2 a 3 anos estão em uma fase de verbalização e curiosidade. Para eles, livrinhos com ilustração, brinquedos de empilhar, encaixe e blocos são indicados para o desenvolvimento motor.

A partir dos 3 anos, as crianças precisam de um ambiente com estímulos concretos e que simulem o dia a dia. Aposte em casinha, carrinhos, bonecas, equipamentos de médico, mercadinho, além de fantasias, quebra-cabeça e livros, que incentivam a criatividade e o faz-de-conta.

Caso haja apenas um espaço para crianças de diferentes faixas etárias, existem alguns brinquedos que podem ser considerados “neutros”, que tendem a promover socialização e estimular o desenvolvimento da criatividade em variadas fases. Algumas sugestões são fantoches, tintas e telas, família articulada de pano, entre outros. “Se houver crianças menores, apenas tenha o cuidado de guardar brinquedos com peças muito pequenas ou que se soltam com facilidade em caixas fechadas e de difícil acesso aos pequeninos”, orienta Adriana.

Para os maiores, aposte em jogos e alternativas um pouco mais complexas, como: montagem de pipas, jogos de tabuleiros de estratégias, kits de profissão como médico ou engenheiro.

A criança aprende a ver o mundo por meio da brincadeira, estabelece relações entre o que é real e o que é imaginário, aprende regras.  Os brinquedos são recursos didáticos de grande aplicação e valor no processo ensino aprendizagem. Tudo isso é muito importante, mas é mais válido ainda quando aprender é o resultado e não objetivo inicial. O ponto de partida deve ser a diversão. Então, deite-se no chão com seu filho e aproveite para recordar sua infância!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s