Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Saúde

Previna um parto prematuro

Daniela Diniz Atualizado em 03.01.2012
Cláudia Bebê
Previna um parto prematuro

Getty Images

Conheça os cuidados que ajudam a controlar as principais causas de um nascimento antes da hora

 

A bolsa estoura na hora errada. O líquido amniótico diminui. A placenta descola. E o bebê chega antes do planejado. De acordo com dados de 2008 do Datasus, o banco de dados do Sistema Único de Saúde, todo ano, no país, 7% dos nascimentos (cerca de 200 mil bebês) acontecem antes de 37 semanas de gestação. Mas é possível evitar o susto com um prénatal vigilante e, às vezes, medicação e repouso.

 

Mais de um a caminho

Se você espera gêmeos, pode montar a mala da maternidade com antecedência. “A gestação de gêmeos dificilmente ultrapassa 36 semanas; e a de trigêmeos, 34 semanas”, alerta a pediatra Alice D’Agostini Deutsch, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. E o motivo é falta de espaço! “O útero fica muito distendido, o que estimula as contrações”, afirma a obstetra e ginecologista Carolina Ambrogini, da Universidade Federal de São Paulo. Se as contrações começam antes de 37 semanas, é preciso repouso. O médico pode indicar ainda medicação com progesterona para adiar o parto.

 

Pressão sob controle

Algumas mulheres têm problemas prévios de hipertensão; em outras o quadro se instala na gravidez (é a pré-eclâmpsia). A pressão alta é uma das principais vilãs do parto prematuro. Por isso, faça questão de medir a pressão em todas as consultas do pré-natal. “Não se sabe a causa, mas a pré-eclâmpsia é mais comum na primeira gravidez ou quando a mulher muda de parceiro e aquele é o primeiro filho do casal”, diz Carolina. Os sinais de alerta são inchaço nas mãos, nas pernas e no rosto. O tratamento inclui repouso, medicação e monitoramento do desenvolvimento do feto.

 

Exames em dia

Os hormônios da gestação aumentam o risco de infecções. A urinária é a mais comum e atinge 20% das grávidas. Também as infecções dentárias, principalmente nas gengivas, são frequentes. “Quando há infecção, o organismo produz prostaglandina, substância inflamatória que sensibiliza o útero, deixando-o propício a contrações”, explica Carolina. Entendeu por que seu obstetra pede tantos exames de sangue e de urina? Também não descuide das consultas ao dentista e fique alerta a sintomas como dor ou queimação ao urinar, cheiro forte ou sangue na urina, dor na pelve e febre. O tratamento das infecções com antibióticos e, dependendo do caso, com medicação para inibir as contrações pode afastar o risco de parto prematuro, mas não é garantia de sucesso.

 

A idade conta

É fato. Boa parte dos prematuros nasce de mulheres com mais de 35 anos. O risco está diretamente relacionado à existência de doenças de base, como diabetes, hipertensão e obesidade, cuja incidência aumenta significativamente conforme a idade vai avançando. Agora, se você chegou na casa dos 40 ou perto dela com saúde perfeita, relaxe! Apenas fique de olho na balança e capriche no controle da pressão e do açúcar no sangue.

 

De olho no coração

“Problemas cardíacos da mãe podem comprometer a circulação de sangue na placenta. Aí, a criança recebe pouco oxigênio e nutrientes e se desenvolve menos”, diz Carolina. O aumento do volume de sangue na gravidez também faz o coração trabalhar mais. Às vezes, a mãe com cardiopatia consegue completar os nove meses, mas vale se preparar para uma interrupção precoce se a saúde dela ou a do bebê estiverem ameaçadas. Repouso e visitas frequentes ao obstetra e ao cardiologista são indispensáveis.

 

Alerta a sangramentos

Podem ser sintoma de placenta prévia (quando ela se fixa na parte inferior do útero, recobrindo o colo total ou parcialmente). Conforme a gestação evolui, o útero aumenta e a placenta pode se movimentar. Antes da 20a semana, não se preocupe se ela estiver mais baixa do que deveria. Basta acompanhar a movimentação com ultrassons transvaginais. Depois desse período, sangramentos de qualquer intensidade e corrimento amarronzado são motivos para ir ao hospital. Às vezes, com repouso e medicação, é possível estancar o sangramento e continuar a gestação, embora a mãe talvez precise ficar internada e sob monitoração. “Mas, se a hemorragia for severa ou houver sinal de sofrimento da mãe ou do bebê, a gravidez tem que ser interrompida. Quando há placenta prévia, o parto é sempre cesárea”, diz Carolina.

 

Cuidado com traumas

Hipertensão, queda ou pancadas na barriga podem fazer a placenta descolar – o normal é que ela se desprenda somente depois do nascimento do bebê. Os sintomas são sangramento e dor na região do útero. Corra para o hospital. “O parto tem que ser imediato, pois o descolamento cria um hematoma, que interrompe o fornecimento de sangue e de oxigênio para o bebê”, explica Carolina. Para prevenir, controle a pressão, não dirija no último trimestre, escolha sapatos com solado antiderrapante e fique distante de lugares que ofereçam risco de acidentes.

 

Opa, não é xixi!

Sua gravidez está ótima e, então, ploft! Você sente como se estivesse “vazando xixi”. Foi a bolsa que rompeu. Vá para a maternidade, porque o bebê pode nascer. “Acima de 34 semanas, seguimos com o parto. Antes disso, tentamos inibi-lo, a menos que haja sinal de infecção ou sofrimento”, diz Carolina. Quando dá para esperar, a grávida fica internada, e o feto passa a ser monitorado em tempo integral.

“Quando algo ameaça o bem-estar da mulher, do bebê ou de ambos, a natureza é sábia e leva a grávida a ter contrações antes da hora. Significa que o parto é a saída mais segura naquele momento”

Carolina Ambrogini, obstetra

 

Conhecendo o inimigo

A dosagem de fibronectina, substância produzida pelo feto, indica se há perigo de parto prematuro. O risco é proporcional à concentração dela no sangue materno, e essa sondagem é indispensável para quem já teve partos prematuros antes. É um exame rápido, simples e seguro, feito com uma amostra do sangue materno.

 

Água é tudo de bom

A diminuição do líquido amniótico (oligoidrâmnio) só é detectável por ultrassom. Pode ser causada por deficiência do sistema urinário do feto (sim, parte do líquido amniótico é urina do bebê), por insuficiência placentária (que reduz o fluxo sanguíneo para a criança) ou por desidratação materna. Dependendo do nível do líquido, é preciso antecipar o parto. Se não for grave, capriche na hidratação. Beba 2 litros de água por dia, repouse muito e abuse dos banhos de imersão.

 

A ordem é repousar

Perto da 20a semana, o médico irá medir o colo de útero. Se ele tiver menos de 2 centímetros, há risco de parto prematuro. Algumas mulheres têm o colo naturalmente mais curto; em outras, o encurtamento é sequela de lesões, cirurgias ou abortos espontâneos. “Repouso e progesterona via vaginal ajudam a prolongar a gestação desde que não haja outras complicações”, garante Carolina.

 

Doce bem dosado

Se você já era diabética ou se ficou na gravidez (teve o chamado diabetes gestacional): precisará manter o nível de açúcar no sangue baixo. Para isso, deve restringir carboidratos na dieta e usar ou ajustar as doses de insulina. O diabetes descompensado pode levar ao aumento do líquido amniótico (polidrâmnio) ou fazer o bebê crescer demais. “O resultado é uma distensão excessiva do útero, que estimula as contrações”, avisa Carolina.


Rede MdeMulher
Publicidade