Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Saúde

Pré-eclâmpsia e Síndrome de HELLP

Manuela Macagnan Atualizado em 06.12.2011
diana-parto
Divulgação

A doença é grave, sim. Saiba o que deve ou não preocupá-la. Fomos atrás de novas informações para esclarecer as dúvidas das futuras mamães

Quem tem pressão alta não tem maior ou menor chance de ter pré-eclâmpsia

A causa da pré-eclâmpsia ainda é desconhecida. Ela é uma síndrome, ou seja, um conjunto de sintomas e um deles é a má adaptação placentária. É quando a placenta não adere direito ao útero, fazendo com que o organismo feminino reaja como se ela fosse um corpo estranho. Nessa reação, os vasos sanguíneos se contraem, elevando a pressão sanguínea. Portanto, a pressão da mulher antes da gravidez não influencia no aparecimento da pré-eclâmpsia.

 

Estresse na gravidez não provoca pré-eclâmpsia

A personagem vivida por Carolina Dieckmann sofria pressões e chantagens de todos os lados e, por isso, muitas mulheres associaram a pré-eclâmpsia ao estresse. Os dois problemas não estão ligados e a pré-eclâmpsia se dá por fatores genéticos e seu aparecimento sempre dependerá da combinação entre os genes do casal.

 

A Síndrome de HELLP é uma doença rara

Raramente uma grávida chega a ter a Síndrome de HELLP porque isso é uma complicação da pré-eclâmpsia. A síndrome de HELLP só acontece quando a pré-eclâmpsia não é tratada, ou seja, quando não há um médico acompanhando adequadamente para receitar anti-hipertensivos ou apontar a necessidade de um parto prematuro. Se a pré-eclâmpsia é controlada, a síndrome de HELLP não tem chance de acontecer e o risco de a mulher morrer como a personagem da novela é pequeno.

 

Após o parto a pressão se normaliza

Na novela, Diana morre graças a uma grave hemorragia. Embora a Síndrome de HELLP possa levar à morte, não é comum chegar nesse ponto. Depois do parto, com a retirada da placenta, a pressão se normaliza, portanto o risco da parturiente morrer depois disso é pequena.

 

O pré-natal é a melhor maneira de manter a mamãe e o bebê longe de qualquer problema

Quando a gestante recebe acompanhamento médico por meio do pré-natal e realiza os exames de rotina garante que qualquer alteração, por menor que seja, chame a atenção. Assim, se surgir qualquer problema, o médico logo toma as providências necessárias para resolvê-lo. Portanto, futura mamãe, a melhor dica ainda é a prevenção.


Rede MdeMulher
Publicidade