Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Beleza

Pintar ou não os cabelos?

Michelle Veronese Atualizado em 02.12.2011
011-conteudo_262887
Getty Images

Eis uma dúvida que atormenta dez entre dez gestantes. Leia o que dizem os especialistas sobre o uso de tinturas e tonalizantes durante esse período

Loira ou morena? Ruiva ou platinada? Com luzes ou com mechas? Não importa o seu estilo. Se você não abre mão de tinturas e tonalizantes, é bom ficar atenta, agora que o bebê está a caminho. É que qualquer tratamento químico para cabelos pode deflagrar reações alérgicas nas futuras mamães, mesmo nas que nunca tiveram esse problema antes.

 

A explicação é simples: na gravidez, o corpo feminino se transforma ao sabor dos hormônios e até mesmo o batom velho de guerra, de uma hora para outra, pode causar uma reação esquisita. "A pele da mulher fica mais hidratrada e, por essa razão, absorve com mais intensidade algumas substâncias, aumentando as chances de irritação", justifica Emiro Khury, farmacêutico e diretor técnico da Associação Brasileira de Cosmetologia, em São Paulo. Por isso, o couro cabeludo pode apresentar coceira e vermelhidão depois de uma sessão de pintura.

 

As vias aéreas também não estão livres de ameaças. "A tintura, por ser volátil, pode ser inalada e deflagrar alergias respiratórias", alerta Lúcia Arruda, chefe do Departamento de Dermatologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Isso vale, por exemplo, para os produtos com amônia, iodo e peróxido de hidrogênio. "Se a mulher tiver sensibilidade a eles, pode realmente apresentar alguma reação", concorda o dermatologista Valcinir Bedin, presidente da Sociedade Brasileira para Estudos do Cabelo, em São Paulo. As escovas definitivas que levam formol também provocam fortes reações.

 

Há risco para o bebê?

Quando o assunto é a saúde do feto, os médicos não entram em acordo. Para alguns especialistas, as modernas tinturas e tonalizantes não oferecem nenhum perigo à criança, já que aboliram os temidos metais pesados de sua composição. "Essas substâncias, como o chumbo, o alumínio e o cobre, poderiam, supostamente, levar a distúrbios neurológicos graves e à malformação do sistema nervoso central", diz Bedin. No entanto, segundo ele, os produtos que hoje circulam no mercado são seguros e estão liberados durante a gravidez.

 

Já o farmacêutico Emiro Khury discorda e recomenda passar longe das químicas para cabelos. "Esses cosméticos são inócuos quando as condições de saúde estão perfeitas, mas o corpo muda muito durante a gravidez", diz ele. Na opinião do especialista, a pele das gestantes, por ser mais sensível, abriria caminho para alguns componentes entrarem na circulação sanguínea e, de lá, chegarem à placenta e ao feto. "Na gravidez, as variáveis são outras e não dá para prever as consequências", alerta, cauteloso.

 

O fato é que nenhum estudo comprovou os efeitos das tinturas para cabelos na saúde dos bebês. "Provavelmente, elas não causam malformação. Mas, como ninguém fez testes para assegurar, por precaução, não são recomendadas", resume Lúcia Arruda. Outros especialistas preferem o meio-termo e, após o primeiro trimestre, liberam apenas xampus tonalizantes e tinturas naturais, como a hena. "Também autorizo as luzes e os reflexos depois da 12ª semana se a aplicação não pegar os fios desde o couro cabelo", conta o obstetra Alberto d'Aurea, coordenador da maternidade do Hospital São Luís, em São Paulo. Ou seja, para ele é possível usar a tintura, deixando livre a raiz. Bem, como há muitas divergências, a saída mais ponderada é conversar com o seu obstetra sobre o assunto e avaliar os prós e os contras - tanto para a mãe como para o bebê - antes de correr ao cabeleireiro.


Recomendamos Para Você

Rede MdeMulher
Publicidade