Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Carreira

Dois meses a mais para amamentar

Cida de Oliveira Atualizado em 04.06.2012
073-conteudo_dois-meses
Getty Images

A licença-maternidade de seis meses acaba de sair do papel. Entenda por que tanta gente aprova a iniciativa e veja como funciona a nova lei

Reivindicação antiga dos pediatras, a licença-maternidade de seis meses, finalmente, se tornou realidade no Brasil. Contrariando pressões de alguns setores do empresariado e até do Ministério da Fazenda, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei em 9 de setembro de 2009. Assim, já em 2010, mulheres que trabalham poderão voltar ao trabalho só quando seus bebês completarem 6 meses de vida. "Pode parecer pouco, mas dois meses a mais é uma diferença e tanto", diz o pediatra Fábio Ancona Lopez, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria. Afinal, para organizar a volta ao trabalho, a mamãe antecipa a introdução do leite de vaca ou fórmulas infantis para o bebê ir se adaptando.

 

Como explica o pediatra, esse processo, geralmente, começa antes do terceiro mês de vida da criança. "No fim das contas, os pequenos acabam sendo amamentados exclusivamente com leite materno pela metade do tempo preconizado pela Organização Mundial da Saúde", completa a advogada Fabíola Cassab, que há dois anos ajudou a fundar em São Paulo o grupo de apoio à amamentação Matrice. Com uma licença de seis meses, não há desculpa para deixar de amamentar antes da hora, não é mesmo?

 

O Ministério da Saúde adverte que, no Brasil, o aleitamento exclusivo está aquém do recomendado. Em 1999, um levantamento feito nas capitais e no Distrito Federal constatou que só 9,7% dos bebês recebiam exclusivamente o leite materno até os 5 e 6 meses. As coisas até que melhoraram nos últimos dez anos. Em 2006, o índice subiu para 45%. Os prejuízos para o desenvolvimento físico, mental e afetivo do bebê que não mama o necessário são incalculáveis. Nunca é demais ressaltar que crianças amamentadas ao peito recebem anticorpos e outras células que compõem o sistema imune. São eles que, no bebê, ajudam a barrar a entrada de microorganismos nos tecidos do corpo.


Recomendamos Para Você

Rede MdeMulher
Publicidade