Receba newsletters grátis!

Faça o cadastro e receba por e-mail informações sobre sua gravidez e filhos

  • Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Saúde

Dilemas de grávida

Amanda Maia Atualizado em 06.12.2011
Cláudia Bebê
57441615
Getty Images

É normal a barrriga doer? Posso me depilar com cera quente? Encontre as respostas para essas e outras dúvidas frequentes

Por causa do trabalho, não vivo sem celular e notebook. É verdade que grávida tem que evitar radiações?

Não existe comprovação de que aparelhos eletrônicos (celulares, notebooks, MP3 e iPad) façam mal ao bebê. Tome cuidado apenas para não prejudicar a coluna caso costume usar o computador apoiado no colo. As radiações que devem ser evitadas são as de radiografia e tomografia computadorizada. Em excesso, o raio X pode, sim, provocar malformações. Mas também não precisa se alarmar. As radiografias diagnósticas (como as de dentista) emitem um nível muito baixo de radiação e não expõem o feto. Se não houver urgência nesses exames, porém, prefira adiá-los para depois do parto.

 

 

Estava pensando em ter o bebê em uma instituição que é só maternidade, mas fiquei em dúvida depois que o obstetra da minha amiga garantiu ser mais seguro fazer o parto em um hospital, equipado e com UTI. Devo seguir esse conselho?

O importante é que o local escolhido possua boa infraestrutura para qualquer tipo de emergência, além de dispor de UTI para adulto e neonatal. Também deve contar com uma equipe de especialistas (obstetra, neonatologista e anestesista) 24 horas de plantão. Visite previamente mais de um hospital ou maternidade e não tenha medo de perguntar o que cada um oferece. Peça indicações a outras mães e, principalmente, ao obstetra. Lembre-se ainda de checar com o convênio todas as coberturas que seu plano de saúde fornece.

 

 

Minha barriga já está aparecendo, mas ainda não sinto o bebê mexer. Entrei no quarto mês e fico achando que aconteceu algo com ele. Será que está tudo bem?

Os bebês movimentam-se desde o início da gravidez, mas as mães só conseguem notar isso por volta da 18a semana. As primeiras sensações, esporádicas, são de pequenas tremidas. Com o tempo, essas acrobacias ficam mais perceptíveis. Para flagrá-lo, preste atenção logo depois de comer. Escolha um lugar calmo e deite durante uma hora sobre o lado esquerdo, concentrandose apenas no seu corpo e no bebê. Mesmo assim, po de ser que não sinta nada. Se estiver tudo bem no prénatal, é só ter um pouquinho mais de paciência.

 

 

Participo de um grupo de ginástica que realiza atividades como pular corda e andar de bicicleta. Corro o risco de perder o bebê se continuar os exercícios?

A prática de exercícios moderados faz muito bem à gestante desde que liberada pelo médico. De qualquer modo, evite aqueles que a expõem a traumas, como artes marciais e esportes com bola. Atividades de impacto também não são recomendadas. No seu caso, convém trocar a corda por caminhada ou natação. Quanto à bicicleta, não há evidências científicas para contraindicá- la. Só pedale devagar e tenha cuidado, pois uma queda pode causar deslocamento da placenta.

 

Meu intestino sempre funcionou bem, mas agora está superlento. Como resolvo esse problema? Ouvi dizer que grávida não pode tomar laxante...

A prisão de ventre na gravidez tem como causa a ação de hormônios que ajudam a manter todos os músculos relaxados (para evitar contrações precoces). O primeiro passo é adotar uma dieta rica em frutas, cereais integrais e legumes, além de muita água (cerca de 2 litros ao dia). Em alguns casos, o médico pode indicar também complementos de fibras ou laxativos, que atuam aumentando o bolo alimentar (de maneira similar às fibras). Os laxantes convencionais causam contrações e podem levar a aborto.

 

 

É normal sentir dor no pé da barriga no início da gravidez?

Sim. Algumas mulheres, inclusive, reclamam desse incômodo durante toda a gravidez, principalmente quem já tem cicatriz provocada por cesárea. Isso acontece porque o útero precisa se distender para abrigar o bebê e acaba empurrando os órgãos vizinhos, como intestinos e bexiga. Às vezes, a dor é um alerta de infecção urinária, que, sem tratamento, pode causar aborto. Para tirar a dúvida, consulte o obstetra. Se não houver infecção, basta repouso para diminuir o desconforto.

 

 

Sempre que transo, tenho um leve sangramento. Me falaram que é sinal de placenta prévia. Isso provoca parto prematuro?

Há muitas causas para o sangramento durante a relação sexual, e o exame do obstetra é indispensável. Uma possibilidade, se ocorre depois da relação, é que seja um trauma gerado pelo próprio ato sexual, uma vez que o colo uterino está mais sensível e irrigado. Outra hipótese é que haja lesões no colo do útero, ou inserção baixa da placenta, ou placenta prévia – quando ela se implanta próxima ao colo do útero ou em frente a ele. Esse problema é mais comum em mulheres que já passaram por cirurgias uterinas ou cesarianas. Se o problema for esse, há, sim, risco de parto prematuro e é preciso evitar relações sexuais. Pa ra tirar a dúvida, o obstetra irá pedir um ultrassom e, dependendo da posição da placenta, poderá indicar a realização de uma cesárea eletiva para evitar complicações que poderiam ocorrer em um trabalho de parto.

 

 

Algumas pessoas não têm sensibilidade. Logo que soube que estava grávida, fui a uma festa, e uma conhecida comentou: “Está de oito semanas? Nessa fase é muito comum perder a criança...” Devo considerar o que ela falou?

Sua amiga podia ter dado o alerta com mais delicadeza. Mas, infelizmente, existe mesmo risco maior de abortamento até a 12a semana de gestação. São os abortos espontâneos, em geral devidos a malformações do óvulo ou a alterações cromossômicas do embrião, que inviabilizam seu desenvolvimento. Acima de 35 anos, o perigo aumenta.

 

 

Tenho dois gatos e acabo de descobrir que estou esperando um bebê. É verdade que grávida não deve chegar perto de gato? Vou ter que doar meus bichanos?

Na gestação, é importante se proteger da infecção pelo Toxoplasma gondii, protozoário transmitido pelas fezes do gato, causador da toxoplasmose, que provoca malformações fetais, parto prematuro e baixo peso, entre outras complicações. No início do pré-natal, você irá realizar uma sorologia para toxoplasmose. Caso já tenha anticorpos contra a doença, poderá continuar a conviver normalmente com seus pets. Do contrário, precisará restringir o convívio com animais, eliminar o contato com terra e evitar o consumo de carnes malpassadas e vegetais crus. Vale lembrar: se os seus gatos não circulam pela rua, o risco de contaminação é pequeno.

 

 

O bico do meu peito é para dentro. Vou conseguir amamentar?

Esse quadro é conhecido como mamilo invertido e, embora dificulte a amamentação, não a impede. Algumas técnicas prometem corrigir o problema. Uma tentativa é usar desde já conchas plásticas (suportes que ficam dentro do sutiã fazendo leve pressão sobre as aréolas) para reverter a inversão. Massagear diariamente os mamilos também pode ajudar: posicione o polegar e o indicador em lados opostos da aréola e pressione, como se conduzisse o mamilo para fora. Repita cinco vezes ao dia, a partir do oitavo mês. Fique preparada, no entanto, para recorrer ao auxílio de um obstetra, pediatra ou enfermeira nas primeiras mamadas. Eles podem recomendar que, antes de amamentar, você use a concha plástica por 30 minutos, tire um pouco de leite com a bombinha extratora ou aplique gelo nos bicos para deixá-los mais salientes.

 

 

Estou grávida de cinco meses e meio, e o médico achou o valor do meu beta HCG muito baixo (989 mIU/ml). O que ele quis dizer com isso? Corro algum risco?

O HCG, ou gonadotrofina coriônica humana, é o hormônio produzido pelo embrião logo após sua fixação no útero. A presença dele no sangue e na urina da gestante confirma a gravidez. Quando o resultado é positivo, a concentração do beta HCG se duplica a cada 48 horas. Com a medição e o controle desses níveis, o médico checa se está tudo certo com a gravidez, já que números muito baixos podem indicar problemas, como risco de abortamento e gestação ectópica (que ocorre fora da cavidade uterina). A dosagem que você menciona, porém, parece adequada à sua idade gestacional. Para tirar a dúvida, seu médico pode pedir a realização de duas dosagens do hormônio a um intervalo de dois dias entre elas e analisar a evolução.

 

 

Estou quase no final da gestação. Ainda posso fazer depilação com cera quente?

Melhor evitar, pois a pele já está mais sensível e propensa a irritações. Se não tiver alergia, prefira a lâmina para se depilar. Caso já esteja habituada com as ceras depilatórias, pode continuar a usá-las. E fique tranquila: o calor local da cera e o puxão da depilação não são suficientes para provocar hematomas e lesões que causem novas varizes ou vasinhos dilatados.

 

 

Tenho sentido muita dor de cabeça desde que engravidei. É normal? Posso tomar analgésico?

Não é comum a dor de cabeça atacar na gestação. Estudos recentes mostram inclusive que, em algumas mulheres, a cefaleia até diminui nessa fase em função do aumento do hormônio estrogênio. Comente o problema com seu médico para que ele investigue quais fatores podem estar provocando as crises. Quanto aos analgésicos, é preciso cuidado. Use apenas aquele que o obstetra indicar.

 

 

Não vejo a hora de descobrir qual é o sexo do bebê. Dá vontade de fazer ultrassom todo dia. A partir de quando dá para saber?

Pelo ultrassom, a partir da 11a semana de gestação, há 80% de chance de acerto e, na 16a semana, a precisão é de 100%. O problema é que, às vezes, o bebê fica em posições que dificultam a visualização dos genitais. Mas, se a curiosidade for demais, hoje também é possível descobrir se você ganhará menino ou menina pelo exame de sexagem fetal, que avalia traços do DNA do feto que circulam no sangue materno. Esse teste pode ser feito a partir da oitava semana de gestação, com índice de acerto de 99%.

 

 

Fontes

Alfonso Massaguer, ginecologista e obstetra, do curso de reprodução humana da FMU, em São Paulo;

Julio Elito Junior, ginecologista e obstetra da Universidade Federal de São Paulo; Bárbara Murayama, ginecologista e obstetra, diretora da Clínica Gergin, em São Paulo;

Carolina Corsini, ginecologista e obstetra, membro da Sociedade de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo;

Priscila Nahas, mestre em cirurgia vascular periférica pela Universidade Federal de São Paulo.


Rede MdeMulher
Publicidade