• Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Home » Blog » Últimas do bebê
Últimas do bebê

Últimas do bebê

Acidentes domésticos matam 5 mil crianças por ano. Saiba evitá-los

Por Redação     06.07.12

Acidentes domésticos representam a maior causa de morte entre os pequenos. Anualmente, segundo dados Ministério da Saúde, uma média de 125 mil crianças de até 14 anos são hospitalizadas em todo o país em decorrência de quedas e outros incidentes. Apesar do número elevado, 90% dos casos podem ser evitados com medidas simples de segurança e com vigilância permanente aos pequenos.

O período de férias escolares exige atenção redobrada, porque pode se tornar um momento ideal para o aumento nesses números trágicos. Por isso, o Pronto Atendimento Pediátrico da Beneficência Portuguesa de São Paulo (www.bpsp.org.br) orienta pais e mães sobre como prevenir e proceder em casos de acidentes com crianças.

As ocorrências mais comuns são quedas, queimaduras, intoxicações, sufocações e afogamentos.

Quedas: segundo Wylma Hossaka, coordenadora do Pronto Atendimento Pediátrico da Beneficência Portuguesa de São Paulo, ambientes sem proteção e a falta de vigilância por parte dos adultos são os principais causadores de quedas. Até mesmo bebês podem sofrer traumas graves. “Muitas vezes, os adultos acham que o bebê é pequeno demais para se mexer e o coloca deitado na cama sem uma barreira de proteção”, diz. Janelas e sacadas sem grades, escadas sem corrimão nem portões que impeçam o acesso das crianças, lajes sem proteção, além de pisos muito lisos e molhados oferecem riscos.

Fogo: a médica faz um alerta às mães: cabos de panelas devem ficar virados para dentro do fogão e a água deve ser fervida nas bocas de traz. Fósforos, isqueiros, velas, álcool e produtos inflamáveis devem ser armazenados em lugares altos ou em compartimentos com tranca, fora do alcance dos pequenos.

Medicamentos, produtos químicos e objetos: a pediatra alerta ainda para os riscos de intoxicação medicamentosa. Remédios, perfumes, cremes e produtos de limpeza devem estar bem tampados e guardados em locais altos. Sufocações por ingestão de moedas, botões e peças de brinquedos, por exemplo, podem causar sérios problemas respiratórios. 

Água: em casas com piscina, é importante que haja sempre portões e grades que impeçam o acesso de crianças sem o acompanhamento de um adulto.

Se todos os cuidados não forem suficientes para prevenir acidentes, é importante realizar procedimentos adequados até que a vítima chegue ao hospital. Veja algumas dicas, em caso de:

 Queimaduras- Não use pasta de dente, cremes, pasta d’água. Para hidratar a superfície afetada, use água fresca até procurar um médico.

Intoxicação- Deve-se provocar o vômito até duas horas após a ingestão de medicamentos ou produtos químicos. Procure um hospital para a realização de lavagem estomacal.

Sufocação- Provocar a tosse da criança, dar tapas nas costas também ajuda, mas o correto é levar a vítima ao pronto-socorro imediatamente.

 
Seu nome
Seu e.mail
Escreva abaixo o seu comentário
Termos de uso
Comentários sujeitos a moderação

  •  
    Por Viviane Cristina - 07.07.12 - 18:54

    previnir é muito importante, tem que previnir sempre… Infelizmente num descuido meu filho de um ano se queimou com cera artesanal”foi horrivel”, não desejo para ninguem, meu filho foi atingido num lado do rosto e na mão esquerda. Eu tomei as providencias exatas, imediatamente coloquei sobre agua corrente e seguida levei ao pronto socorro. graças a Deus esta tudo bem, e não ficou com marcas na pele. hoje estou com atenção redobrada…

  •  
    Por erlane - 22.07.12 - 04:04

    minha filha de 1ano e 11 meses me deu maior susto caiu da escada pq estava sem grade de proteção levei ela direto no pronto socorro e ficou tudo bem mas agora é cuidado redobrado e varias grades espalhadas pela casa

 

Últimas do bebê

Notícias quentes para atualizar o seu dia

Siga este blog no twitter

Fique por dentro das novidades mais importantes do mundo materno e infantil -- De ciência à diversão.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE