• Gravidez
  • 1º ano
  • 2º ano
  • 3º ano
  • 4º ano
  • 5º ano
  • 6º ano

Navegue pela linha do tempo do seu filho

Ilustração: Rafael Santos
Programação: Felipe Hardt
Texto: Mônica Brandão
12 06 11 07 08 09 10

noções básicas

noções básicas

06 meses

07 meses

08 meses

09 meses

10 meses

11 meses

12 meses

A escolha dos ingredientes:
os alimentos que compõem a papinha do bebê devem sempre ter um bom aspecto, uma procedência confiável e estar no prazo de validade. Legumes, verduras e frutas precisam ser bem lavados para retirar vestígios de agrotóxicos. Na hora de cozinhar, lave as mãos e evite espirrar ou tossir sobre os ingredientes.
Como fazer a papinha:
pique os ingredientes escolhidos e coloque em uma panela comum - alguns especialistas acreditam que o cozimento na panela de pressão retira nutrientes importantes. Encha de água - o volume deve ser o dobro da quantidade de alimentos. Deixe cozinhar em fogo baixo até que todos os produtos estejam moles. Passe por uma peneira até virar um purê - quando seu filho estiver mais acostumado, amasse com o garfo e, mais para frente, ofereça picadinho. Tempere e sirva morno. O tempo de preparo é de mais ou menos 40 minutos. Leve isso em conta para administrar a fome do bebê.
Tempo de validade:
a papinha que não foi tocada pode ficar na geladeira por até 24 horas. Mais do que isso, há o risco de a comida estragar. Caso passe desse limite, jogue fora. Quando sobrar muito ou você fizer grandes quantidades, prefira congelar.
Como congelar:
escolha potes do tamanho da porção que seu filho come para facilitar na hora de descongelar. Coloque a papinha no pote, feche, cole uma etiqueta com o sabor e a data, e leve ao freezer. A papinha pode ser consumida em até três meses. Na hora de descongelar, você pode colocar diretamente no micro-ondas (verifique se o pote é adequado) ou aquecer o conteúdo no fogão, mexendo sempre para não queimar.
O primeiro alimento:
a introdução às papinhas começa, na verdade, com um suco, de preferência de laranja-lima, que possui um sabor suave e agradável para o bebê, além da vitamina C, importante para o crescimento. Ofereça o suco entre uma mamada e outra na parte da manhã. Repita isso durante três a quatro dias. Aí chegou o momento de oferecer a papa de fruta. Ela pode ser oferecida entre as mamadas da tarde, já que o suco permanecerá na dieta da manhã. Escolha frutas molinhas e doces, como polpa de maçã e banana amassada. Observe como o organismo do bebê reage a cada alimento. Depois de uma semana, você já pode introduzir a papa salgada na hora do almoço.
Ingredientes:
comece com a papinha salgada também feita com um ingrediente só, como a batata, a mandioquinha, o arroz. Após sete dias, você já pode combinar dois ou três ingredientes.
Tempero:
nesse primeiro mês de transição, faça as papas sem usar nenhum tempero. Se quiser, uma pitadinha de sal. Mas muito pouco, pois esse tempero contem sódio que, em excesso, pode causar problemas como a hipertensão.
Consistência:
as primeiras papinhas devem ser pastosas como um purê. Para isso, passe os ingredientes já cozidos na peneira (jamais no liquidificador). O processo realizado dessa maneira estimula, no tempo certo, a mastigação, a deglutição, o paladar e a musculatura facial.
Quantidade:
até 4 colheres de sopa por refeição - mas isso pode variar bastante entre os bebês.
Roteiro do dia
Manhã:
Leite (livre demanda)
Suco de laranja-lima
Almoço:
Papinha salgada + papinha de fruta
Lanche da tarde:
Leite (livre demanda)
Papinha de fruta
Jantar:
Leite (livre demanda)
Ceia:
Leite (livre demanda)
Ingredientes:
agora que o bebê já está mais acostumado com a papinha salgada, chegou a hora de incrementar as refeições. Primeiro, você deve conhecer os três grupos alimentares que precisam aparecer no prato da criança:


· Alimentos energéticos (carboidratos): fornecem energia para o organismo do bebê. São encontrados na batata, arroz, macarrão, mandioquinha, batata-doce, mandioca...

· Alimentos construtores (proteínas): responsáveis pelo crescimento, são encontrados em carnes de boi, de frango ou de peixe, feijão, ovos, lentilha, grão-de-bico etc.

· Alimentos reguladores (verduras e legumes): fornecem vitaminas importantes para o desenvolvimento. São encontrados na abóbora, alface, beterraba, brócolis, espinafre, cenoura, chuchu, abobrinha...

Para montar uma boa papinha você deve escolher:
1 ingrediente do grupo dos energéticos
1 ingrediente do grupo dos construtores
2 ingredientes do grupo dos reguladores

É possível bolar muitas combinações usando a criatividade e, mais para frente, você pode aumentar o número de ingredientes escolhidos, sempre respeitando esse mínimo. Varie bastante para o seu filho experimentar o maior número de alimentos possível.
Tempero:
continue colocando pouquíssimo ou nenhum sal. Prefira combinar temperos mais suaves para deixar a papinha saborosa. Você já pode introduzir cebola, alho e salsinha, sempre observando as reações da criança. E use os temperos in natura: nada de versões industrializadas, que apresentam excesso de sódio e outras substâncias químicas.
Consistência:
caso o bebê aceite bem o purê, que tal experimentar deixá-lo mais consistente? Em vez de passar os ingredientes cozidos pela peneira, experimente apenas amassá-los com o garfo. Assim, seu filho dá mais um passo no treino da musculatura facial, o que também ajudará na fala.
Quantidade:
de 4 colheradas a uma xícara - isso pode variar de bebê para bebê.
Roteiro do dia
Manhã:
Leite
Suco de laranja-lima
Almoço:
Papinha salgada + papinha de fruta
Lanche da tarde:
Leite
Papinha de fruta
Jantar:
Papinha salgada + leite
Ceia:
Leite
Ingredientes:
não há mudança de ingredientes nessa fase. O ideal é continuar seguindo com o esquema de um alimento energético, um alimento construtor e dois alimentos reguladores para garantir uma papinha balanceada. Aproveite para variar bastante.
Tempero:
não use sal ou coloque apenas uma pitadinha. Prefira dar sabor aos alimentos usando temperos como cebola, salsinha e alho. Você já pode arriscar outras combinações temperando com cebolinha, tomilho, salsão... Observe as preferências do pequeno.
Consistência:
já é o momento de deixar a papinha mais grossa. Amasse os alimentos com o garfo, mas deixe alguns, como a batata que é molinha, picadinha para a criança já se habituar com alimentos mais sólidos.
Quantidade:
de 4 colheradas a uma xícara - essa quantidade pode variar de bebê para bebê.
Roteiro do dia
Manhã:
Leite
Suco de laranja-lima
Almoço:
Papinha salgada + papinha de fruta
Lanche da tarde:
Leite
Papinha de fruta
Jantar:
Papinha salgada + papinha de fruta
Ceia:
Leite
Ingredientes:
continua valendo o esquema de um alimento energético, um construtor e dois reguladores. Mas você pode colocar mais ingredientes nas refeições, claro, desde que conte, pelo menos, com esse mínimo. Agora é um bom momento para oferecer a papinha com os alimentos separados. O arroz e feijão ficam juntos, cozidos e bem molinhos. Mas a carne moída, por exemplo, pode ficar disposta do outro lado do prato. Assim, a criança começa a se acostumar com uma refeição de verdade.
Tempero:
continue apostando em cebola, alho, salsa e cebolinha, tomilho, salsão, cominho, orégano, alecrim e o que mais sua imaginação mandar.
Consistência:
aos 9 meses, já é hora de oferecer os alimentos picadinhos. Cozinhe todos para ficarem moles, amasse uma parte e deixe outra em unidades bem pequenas. As carnes podem ser moídas, picadinhas ou desfiadas. Veja o que mais atrai o seu bebê.
Quantidade:
uma xícara - essa quantidade pode variar de bebê para bebê.
Roteiro do dia
Manhã:
Leite
Suco de laranja-lima
Almoço:
Papinha salgada + papinha de fruta
Lanche da tarde:
Leite
Papinha de fruta
Jantar:
Papinha salgada + papinha de fruta
Ceia:
Leite
Ingredientes:
capriche na escolha de verduras e legumes. Tradicionalmente, eles são os alimentos mais difíceis para o bebê apreciar - diferente, por exemplo, do macarrão, como você já deve ter notado, que todos gostam. Ofereça vários tipos para aumentar as chances de apreciação. Outra ideia é mudar a forma de apresentação: um dia in natura picadinho, outro dia misturado ao molho, outro em forma de bolinho. A comidinha agora pode ficar separada no prato, não precisa mais ter a aparência de papinha para valer.
Tempero:
vale a pena repetir: não há necessidade de usar sal para preparar as refeições. Experimente colocar outros tipos de temperos para realçar os sabores. Outra ideia é usar queijo ralado de boa qualidade e azeite, como fazem os italianos.
Quantidade:
uma xícara cheia - essa quantidade pode variar de bebê para bebê.
Roteiro do dia
Manhã:
Leite
Suco de laranja-lima
Almoço:
Comida salgada + fruta
Lanche da tarde:
Leite
Fruta
Jantar:
Comida salgada + fruta
Ceia:
Leite
Ingredientes:
a partir daí, os médicos tradicionais liberam a ingestão de peixe - a polêmica de quando começar a oferecer esse tipo de alimento existe porque ele possui proteínas que causam alergias. Mas, nessa fase, o organismo já está mais preparado para lidar com elas. As versões com sabor suave, como a pescada, são as melhores para a introdução. O peixe precisa ser muito bem limpo e não ter espinhas. O lanche da tarde também pode virar um lanche de verdade, com direito a pão, torradas e cereais.
Tempero:
continue experimentando usar ingredientes diferentes em cada refeição para testar o que seu filho gosta. Existem crianças que não simpatizam com o sabor do alho, por exemplo, enquanto outras adoram. E policie o uso do sal.
Consistência:
os alimentos picadinhos continuam no prato. Isso não impede que, caso o bebê não consiga comer algo, você amasse para ele. Use o bom senso para ver o quanto seu filho está se adaptando e não tenha medo de dar um passo para trás, se for preciso.
Quantidade:
de uma xícara cheia a um prato infantil.
Roteiro do dia
Manhã:
Leite
Suco de laranja-lima
Almoço:
Refeição salgada + sobremesa
Lanche da tarde:
Lanche
Leite
Jantar:
Refeição salgada + sobremesa
Ceia:
Leite
Ingredientes:
o organismo do bebê de um ano já está preparado para comer a mesma comida da família. Mas sempre é bom adaptar, pois ele não vai apreciar certos sabores. No dia em que o cardápio tiver frango ao curry, por exemplo, separe um filé temperado apenas com sal e salsinha para a criança. E continue oferecendo o alimento picado e mais mole, se preciso, para incentivar seu filho a comer. A clara de ovo, agora, é liberada por todos os médicos.
Tempero:
a ideia é continuar temperando a comida da criança como antes, sempre cuidando para a quantidade de sal ser mínima. Quando a refeição da família levar algum tempero mais picante, separe uma parte para seu filho e use apenas temperos suaves.
Quantidade:
seu filho comerá cerca de um prato infantil em cada refeição, mas isso não significa lotar o prato. O estômago da criança é pequeno - a capacidade gástrica de um bebê de um ano, por exemplo, é de 250 ml, enquanto a de um adulto é de 1300 ml.
Roteiro do dia
Manhã:
Leite
Suco ou fruta
Almoço:
Refeição salgada + sobremesa
Lanche da tarde:
Lanche
Leite (alguns pediatras pedem para tirar o leite da tarde)
Jantar:
Refeição salgada + sobremesa
Ceia:
Leite
Lanche:
alguns bebês tem necessidade de comer algo a mais antes de dormir, como um biscoito ou mingau
Quando aquecer a papinha no microondas não se esqueça de mexer e depois verificar a temperatura já que nesse tipo de forno nem sempre os alimentos aquecem por igual.
As primeiras papinhas podem ser de um ingrediente só. Além de a criança conhecer os sabores individuais e já descobrir o que gosta, também fica mais fácil observar quais são os itens capazes de deflagrar alguma reação, como alergia ou diarreia.
Nessa fase, você pode introduzir o ovo na dieta. Os pediatras mais tradicionais preferem liberar apenas a gema de ovo deixando a clara, mais difícil de ser digerida, para depois de um ano. Converse com o pediatra do seu filho para decidir. Evite feijão, pois a fermentação e os gases que ele provoca ficam mais brandos depois que o organismo se acostuma com outros alimentos.
Quanto mais alimentos o bebê conhecer, mais chances de gostar deles no futuro e ter uma alimentação sempre bem variada. Lembre-se de que nem sempre ele apreciará o sabor na primeira vez que experimentar. É preciso oferecer uma comida pelo menos oito vezes para ter certeza de que ela não agrada o paladar do bebê.
Ao temperar a papinha, deixe de lado pimentas e temperos mais picantes como curry e páprica, pois eles ainda não serão bem digeridos pelo organismo infantil.
Para abrir o apetite, uma novidade: deixe o bebê comer sozinho, com as mãos. Eles vão adorar pegar no pratinho pedacinhos de legumes picados, pão, frutas, milho, queijo. Qualquer coisa que possa ser servido em pedacinhos pequenos.
Você também já pode variar a sobremesa, oferecendo saladas de frutas, doces de frutas, bolos de frutas. Procure não oferecer nada com muito açúcar para não acostumar o paladar da criança.
A partir de um ano, você pode começar a oferecer mel ao bebê. Antes disso, a criança corre o risco de contrair botulismo, caso o mel esteja contaminado pela bactéria clostridium botulinum, nociva apenas aos mais sensíveis.